PirambaCop na Cachoeira do Cantu

Esta foi a primeira vez que o nosso PirambaCop alçou voo na espetacular Cachoeira do Cantu, que é talvez a melhor cachoeira de Garça para se banhar e curtir um dia de calor.

São várias as quedas d´água desta cachoeira, ela tem um ótimo poço também, apesar de não ser muito fundo, ele é bem largo e ainda tem ao lado um espaço com areia que se assemelha a uma prainha. Por tudo isso, é muito procurada por quem gosta de cachoeira e contato com a natureza. Porém, é necessária a expressa autorização do proprietário para ir até ela.

O mais legal deste vídeo é que mostra que a Cachoeira do Cantu na realidade é formada da junção de dois cursos d´água distintos. Quando se está lá em baixo da cachoeira a impressão é que se tem é que seria um só rio cuja as águas caem de forma esparramada pelas paredes de pedra. Mas não é isso, as imagens áreas captadas mostram dois rios diferentes que ali se encontram para formar este maravilhoso patrimônio natural de nossa região.

Rudi Arena

Uma Boa Notícia: foi dado o primeiro passo para o Tomabamento da Igreja da Cia Inglesa e sua Restauração

 

Dada a importância da iniciativa e o interesse de muitos pelo assunto o Piramba MTB reproduz duas notícias que foram divulgadas sobre a expectativa de tombamento e restauração da Igreja da Companhia Inglesa e também uma postagem em rede social de Edenilson Nogueira.

Também vamos mostrar as imagens do triste estado atual da igreja e de uma simulação de como poderia ficar se devidamente restaurada.

Temos a esperança de que esse projeto tão importante seja levado adiante até que seus objetivos sejam finalmente alcançados. A torcida é grande!!!

Link para saber mais sobre a história da Cia Inglesa:

https://pirambamtb.com/2016/06/05/companhia-inglesa-memorias-da-fazenda-sao-joao-19441954-por-hamilton-carvalho/

20200819_183938 (2)
Foto da igreja, presumo que dos meados dos anos 1960 pois a cerca que a rodeava ainda estava lá. A cerca com balaustres pretos e ponta branca era a marca registrada da Fazenda.  Cercas com este formato cercavam a igreja, o grupo escolar, a farmácia,  casas dos funcionários mais graduados e dos gerentes ingleses (Por Hamilton Carvalho*)

 

DSC07494
Foto do Piramba MTB em visita a linda e abandona Igreja da Cia Inglesa

Postagem sobre o projeto de restauração em rede social:

Notícia¹: Prefeitura de Gália inicia Processo de Tombamento da Igreja da Fazenda Companhia Inglesa

O que restou da força da cafeicultura no século passado, em Gália, são casarões da antiga fazenda São João do Tibiriçá e templo católico, Igreja é o que sobrou do apogeu inglês

O símbolo da opulência do que foi no passado a “Fazenda dos Ingleses” no município de Gália (21,8 quilômetros de Garça) fica no alto de uma colina ao lado da estrada vicinal que liga a SP-331 à antiga propriedade rural. A igreja de tijolo aparente lembra os europeus renascentistas e góticos. O prédio mesmo deteriorado ainda atrai visitas pelo tamanho da torre no meio do mato. Ao entrar no templo há estacas ancorando o telhado. Não há registros precisos, a igreja foi erguida em 1930 no período em que investidores ingleses administraram uma enorme fazenda de café até sucumbir em 1956, quando a crise no setor não permitiu mais continuar os investimentos no município. A prosperidade durou 40 anos.

Nesse contexto um Munícipe de Garça visando interesse na Preservação daquele local esteve na Prefeitura Municipal de Gália, afim de buscar informações e segundo ele passar Orientações. Se trata do Cidadão Aridelson Martins que foi até a cidade vizinha e de lá trouxe uma Excelente Noticia, a igreja da Companhia Inglesa esta em processo de tombamento, Segundo Aridelson foi recebido pelo Prefeito Renato Inácio Gonçalves (PSD) que em Reunião divulgou para o Garcense que a Prefeitura do Município de Gália, já esta se movimentando para que a Igreja seja tombada e preservada, Comentou também que o pessoal do grupo Piramba de Mountain Bike de Garça, fez a reivindicação ao mesmo após vencer o pleito e isso já esta sendo Encaminhado e em breve será uma Realidade.

Com Exclusividade trazemos uma Excelente noticia e importante iniciativa feita pelos Garcenses e acatada pelo Prefeito Renato e Sua Administração Municipal visando Preservar um dos mais belos Patrimônios aqui do nosso interior, Aridelson comenta que a Recepção do Prefeito em seu Gabinete na data de hoje foi Oportuna e ressalta que ele tentou contato na Gestão Anterior em 2015 e infelizmente não teve o mesmo tratamento, Porém nesse ano foi diferente ele diz que “tanto Gália quanto Garça fizeram muito bem em mudar e que ambas a cidade saíram Ganhando, pois o Prefeito Renato e João Carlos estão fazendo a Diferença”.

Igreja ameaça desabar

Interior do templo tem estaca para evitar o desabamento do telhado da igreja de São João do Tibiriçá, A arquitetura neogótica da igreja da fazenda São João Batista de Tibiriçá virou um ponto de “peregrinação” nos finais de semana, principalmente pelos adeptos de passeios ciclísticos. Por fora, o prédio chama atenção, mas basta entrar no templo para perceber que as condições são precárias e pode desabar. Há viga escorando o telhado. Os vitrais estão todos quebrados.
Neogótico ou revivalismo gótico é um estilo de arquitetura revivalista originado em meados do século XVIII na Inglaterra.
O templo foi erguido no período do apogeu da cafeicultura. Fica no alto de uma colina, antes de chegar à “Fazenda dos Ingleses”.

“A igreja chama atenção pela arquitetura e pelo estado em que ela se encontra, o que acaba atraindo mais curiosidade. A história do local é interessante, principalmente da fazenda que foi dividida em várias propriedades menores. O que sobrou foram a igreja e algumas casas.

De acordo com a tese de doutorado de autoria de Vladimir Benicasa sobre “Fazendas Paulistas Arquitetura Rural no Ciclo do Café”, os tradicionais espaços destinados ao culto religioso não foram esquecidos, no meio rural da região Central. As capelas isoladas começam a surgir na paisagem das fazendas de café principalmente na década de 1890, alguns após a extinção do trabalho escravo quando a mão de obra se torna majoritariamente constituída por imigrantes.

“A proliferação das capelas externas responde a uma outra necessidade. Ela se torna um dispositivo controlador a mais, para fazer com que o colono se ausente o mínimo possível da fazenda, mesmo aos finais de semana, tendo assim o menor contato possível com o atrativo ambiente urbano”, relata Benicasa no capítulo “Rumo ao Oeste Paulista: o quadrilátero do açúcar se rende aos cafezais”.

Trecho da ferrovia foi desativado

Os vestígios do patrimônio ferroviário de Gália está desaparecendo. O trem deixou de passar pelo município em 1976. A antiga estação ferroviária é atualmente uma marcenaria. Praticamente não existe mais nada das características do prédio.

O tronco oeste da Companhia Paulista que partiu de Itirapina até o Rio Paraná foi construído em 1941, a partir de retificação das linhas de três ramais (Jaú), de Agudos (que também não existe mais) e de Bauru.

A estação de São José das Antas era do pequeno povoado originado de um engenho de cana, quando a Companhia Paulista chegou com o ramal de Agudos em 1927 e trocou o nome para Gália. Em 1941, passou a fazer parte do tronco oeste, mas em 1976 foi desativado, com a inauguração da nova linha ao norte, entre Bauru e Garça.

 

Notícia²: Prefeitura de Gália busca tombamento da igreja da Companhia Inglesa

A Prefeitura Municipal de Gália, por meio da equipe técnica da área de Engenharia e Arquitetura, realizou, nos últimos dias, um trabalho para a análise das delimitações do entorno da igreja da antiga fazenda da Companhia Inglesa. Estiveram à frente dessa ação as servidoras Daniele Cruz Gonçalves e Daniella Moia.


Essa é mais uma etapa para a finalização do processo em curso junto à Prefeitura de Gália para a concretização do tombamento de patrimônio dessa igreja. O local é dos mais relevantes por seu valor histórico, cultural e turísticas  e o tombamento é uma forma de garantir que tal estrutura não se comprometa ainda mais, perdendo suas características inatas.


Uma comissão técnica foi estabelecida para auxiliar no trabalho de tombamento do prédio da antiga igreja, tendo como participantes o sociólogo Marcelinho Uzai, a arquiteta Thaise Tamelini e a historiadora e ex-moradora da Fazenda Conceição Pinheiro Tamelini.
Adicionalmente, o vereador Francisco Yoshida Junior (PDT) apresentou um projeto na Câmara galiense que se transformou em Lei e que dispõe sobre a preservação do patrimônio natural e cultural do município, sendo que tal legislação vem favorecendo o trabalho em curso na antiga Companhia Inglesa.


“Logo estaremos comemorando juntos e registrando esse feito, nos mobilizando para sua restauração. Com este ato creio que todos temos a ganhar, tenho fé que o esforço e amor de todos nós só tem a render muitos frutos”, avaliou Edenilson Nogueira, secretário municipal de Cultura e Turismo de Gália.

Fonte: Jornal Debate

http://www.garca.jor.br/2020/07/prefeitura-de-galia-busca-tombamento-da.html

O Estado da Igreja Hoje

DSC04661
DSC04655
DSC04653

Simulação da Igreja Restaurada*

IMG-20200818-WA0004 (2)

 

IMG-20200818-WA0003 (2)
IMG-20200818-WA0002 (2)
IMG-20200818-WA0001 (2)

*Agradecemos ao Hamilton Carvalho que teve a gentileza de nos encaminhar as imagens a que teve acesso de uma simulação da restauração da Igreja da Fazenda São João do Tibiriçá. Hamilton Carvalho morou na Fazenda São João do Tibiriçá em seus tempos áureos, mas depois foi para São Paulo estudar engenharia na Politécnica da USP e por lá ficou. Apesar de ter saído da Fazenda há 66 anos, seus familiares moram na região e ainda tem contato com algumas colegas do grupo escolar da época.

Nasceu de Novo na Estrada da Cia Inglesa em Gália (O Perigo Tá Logo Aí)

Esse vídeo de bike mostra a importância de não andar sozinho e como um segundo de distração pode ser fatal. No caso foi só um grande susto, mas poderia ter sido pior. Só agradecer que nosso amigo saiu ileso e nasceu de novo. Todo cuidado é pouco, o perigo mora logo aí.

O que salvou foi uma voz amiga avisar em cima da hora, foi o que certamente fez a diferença entre a vida ou a morte quem sabe, por isso, é sempre melhor andar com mais gente do que sozinho, pois assim, acaba que um vela do outro de alguma forma. o caminhão que vinha com velocidade tirou em cima, fez  o que estava ao seu alcance, assim como nosso pirambeiro que assim que ouviu o alerta fez que podia. Foi por um triz. A cena é impactante, quem viu na hora diz que foi muito pior do que aparenta no vídeo.

um amigo ao lado é importante para muitas situações, como a quando quebra uma corrente ou precisa trocar um pneu, quando quebra a bike e tem que ser rebocado, quando acontece uma queda, para um apoio moral quando está esgotado, o  socorro amigo é muito importante nessas hora, e também em outras circunstâncias diversas.

Rudi Arena

“Não é amigo aquele que alardeia a amizade: é traficante; a amizade sente-se, não se diz…”

Machado de Assis in: Joias do Pensamento Brasileiro, Ed. Tecnoprint S.A, p. 38

 

“Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!”

Isabel Machado

 

Créditos:

Protagonista:
Paulo Volponi

Filmagem:
João Daniel

Voz do Anjo:
Arthur (Aranha)

Edição:
Rudi Arena

Local:
Estrada da CIA Inglesa

Município:
Gália

Data: 03/07/2020

Cachoeira Estrela, Um Pedacinho do Paraíso em Garça-SP (Inédita)

Garça, e suas cachoeiras infinitas

Em uma tarde quente de final de outono, saímos em dupla para um pedal improvisado e despretensioso. No meio do caminho decidimos mudar o destino e tentar chegar de bicicleta em cachoeira que eu sabia que existia, mas que nunca tinha ido. E o interessante é que  tendo eu já percorrido cerca de 40 cachoeiras de Garça e região, seria normal imaginar que as mais belas cachoeiras já tinham sido visitadas, mas quando o assunto é cachoeira e Garça, nada pode ser mais enganoso que essa suposição.

Um cantinho do paraíso na Terra

Não fazia ideia se seria conseguiríamos mesmo achar a cachoeira e nem como ela seria, por isso, foi uma enorme enorme e grata surpresa quando do nada, na beira de um pasto, em questão de descer alguns metros, logo  estaria uma preciosidade que salta aos olhos. Tudo tão lindo que podemos dizer que é  um cantinho do paraíso, de uma beleza rara e singela, de uma pureza que transparece em suas águas claras. O rosa vivo da flor de uma bromélia, entre outras flores que existem ao redor dão um toque paradisíaco ao local, é realmente fantástico, parece que ali emana uma paz que só a natureza pura e bruta pode proporcionar . O poço um tanto fundo com sua água gelada, ajuda a lavar alma e revigorar as energias, realmente é uma sensação maravilhosa. E depois que entra na água o frio ainda é intenso, mas o corpo suporta e acostuma, e a gente  sai sentindo-se ainda melhor do que entrou.

Distância e Localização

Essa é mais uma cachoeira que o Piramba MTB consegue registrar, é mais um espetáculo natural  e pouquíssimo conhecido dos garcenses, e tudo isso isto a pouco menos de 10 km da cidade, com água super limpa e um belo poço para se banhar. Um lugar que parece mágico,  que tem uma atmosfera e uma vibração sensacional. Está localizada no município de Garça entre a Rodovia SP-349 e a estrada de terra 09 de Julho. Sentido Gália. Mas não é simples o acesso, pois é altamente recomendável pegar uma autorização antes de ir até a cachoeira. As nascentes  desse curso d´água flui e fortalece  o Rio do Peixe que nasce limpo e depois sofre com a poluição ao longo de  sua jornada até a sua foz no Rio Paraná, mas ainda assim não deixa de ser um dos mais importantes rios do centro-oeste paulista.

Rudi Arena

IMG_20200611_154311

IMG_20200611_160040

IMG_20200611_152527

IMG_20200611_155851

IMG_20200611_155403

A Cia Inglesa na Tese de Doutorado da USP (Fazendas paulistas: arquitetura rural no ciclo cafeeiro) Autor: Vladimir Benincasa

O assunto sobre a Fazenda São João do Tibiriçá  (Cia Inglesa) sempre despertou muita atenção neste blog dos seus visitantes,  e  gera muita interação e comentários valiosos, como a da Sra. Ruth Marangão Ferrari que citou uma tese de doutorado: Fazendas paulistas: arquitetura rural no ciclo cafeeiro  do arquiteto Vladimir Benincasa  defendida na Escola de Engenharia de São Carlos-SP (USP).

Trata-se de um conteúdo  riquíssimo, com bastante informação, várias fotos e uma riqueza de detalhes que demonstra e ilustra as singularidades desta fazenda incrível  que tinha uma população do tamanho de uma cidade da época. Tem também muitas curiosidades deste lugar que marcou a vida de muitas pessoas que ali viveram. Por isso, resolvermos reproduzir todo o trecho da tese de doutorado que se refere a Cia Inglesa, pois vale conferir cada página que autor tratou sobre o tema.

O tese em sua integralidade bem como demais informações sobre ela podem ser acessadas no seguinte endereço eletrônico: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18142/tde-14032008-151048/pt-br.php

OBS: Para conseguir ler bem o texto é recomendável clicar na imagem, assim abrirá uma nova tela em que poderá dar zoom e seguir para as próximas páginas através da seta indicadora à direita.

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-01

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-02

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-03

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-04

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-05

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-06

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-07

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-08

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-09

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-10

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-11

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-12

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-13

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-14

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-15

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-16

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-17

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-18

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-19

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-20

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-21

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-22

vladimir_benincasa_tese_vol2-288-310-23

A Caranguejeira e as Aranhas Mais Venenosas do Brasil

Uma Aranha Gigante Atravessou o Nosso Caminho em Gália-SP

Logo no começo, ao entrarmos de bicicleta na Fazenda Dinamérica atravessou a nossa frente uma bela de uma aranha gigante, e não tinha como ela passar despercebida.  Não é a toda que a família deste aracnídeo é que tem as maiores aranhas do mundo. Esta espécie que registramos é muito linda e também tímida, ao nos aproximar, ela ficou parada e assim permaneceu por muito tempo até a gente ir embora e deixá-la em paz.

As Caranguejeiras ou Tarântulas.

As aranhas caranguejeiras são animais invertebrados do grupo dos Artrópodes, com cerca de 900 espécies descritas. Apesar de serem venenosas, não trazem sérios problemas ao homem. Também é conhecida como tarântula, pois conhecida inicialmente na Itália, e a origem desse nome não poderia ser mais engraçada e falsa.

Dançar Tarantella para Curar do Males Causados pela Aranha? 

Esta aranha foi reconhecida inicialmente na Itália, e logo surgiu uma lenda de que era preciso dançar tarantela, que é uma dança popular do Sul da Itália para curar do encontro com o aracnídeo, pois achavam que ela era mortal. Animais estes que possuem 08 patas e logo não é um inseto como muitos imaginam, já que não tem 06 patas.

A Maior Aranha do Mundo:

As caranguejeiras são as maiores aranhas conhecidas, podem chegar até 26 cm de envergadura. Um exemplo de caranguejeira é a Theraphosa blondi, conhecida como “comedora de pássaros”, pois de fato pode consumir um pássaro inteiro. Ela é considerada o maior aracnídeo do mundo e é encontrada na região amazônica.

IMG_20200611_165627

Curiosidades, Longevidade e Número de Olhos:

Geralmente, vivem no solo, mas tem espécies arborícolas também. Um grande curiosidade deste animal uma caranguejeira fêmea pode viver bastante, até 20 anos. Contudo, o macho possui um ciclo de vida menor, cerca 7 anos de idade, pois ele morre após o acasalamento. Outra informação interessante é de que podem ter de seis ou oito olhos. A quantidade de olhos desse animal varia de acordo com a família a que pertence.

A Caranguejeira como PET?

Apesar de parecer um pouco assustadora, acredite, algumas pessoas têm tarântula de estimação. Elas podem ser de diversas cores: azul, rosada, preta, marrom. Os acidentes com aranhas caranguejeiras: Os acidentes com aranhas caranguejeiras não são considerados graves. Apesar de possuir veneno, este não apresenta complicações ao homem. Porém, a picada é bastante dolorosa.

É Venenosa ou Perigosa para o Ser Humano?

O veneno da aranha-caranguejeira só possui atividade em suas presas, sendo inativo no homem. Sua principal arma, quando acuada, é soltar pelos urticantes, perigosos quando atingem os olhos.

Apesar de o Brasil possuir a maior diversidade de espécies de caranguejeiras do mundo, não há registros de acidentes humanos graves. De acordo com registros do Instituto Vital Brasil, é comum as pessoas confundirem picadas de outros artrópodes com as das aranhas. Muitas vezes, o paciente não viu o que o mordeu e atribui os sintomas à picadas de caranguejeiras.

Mas estudos realizados por pesquisadores dessa instituição revelaram que essas aranhas eram responsáveis por apenas 1% do total de araneísmos. Vale lembrar que a maioria dos acidentes com as caranguejeiras ocorre porque a pessoa tentou pegar o animal. Uma vítima de picada de caranguejeira pode sentir dor local moderada ou severa, forte coceira, edema, inchaço, eritema (vermelhidão na pele), ardência e até cãibras. Em casos muito graves a pessoa pode apresentar espasmos musculares fortes por várias horas: apesar de não ser letal, a picada de uma aranha migalomorfa traz experiências bem desagradáveis.

IMG_20200611_165513

Pelos Urticantes

Uma caranguejeira, ao sentir-se ameaçada, esfrega suas pernas traseiras no abdômen, liberando esses “pelinhos”, que podem atingir os olhos e, também, entrar nas vias respiratórias do indivíduo que resolve manuseá-la. E as cerdas urticantes desse gênero de caranguejeira fazem um belo estrago, principalmente se a pessoa em questão tiver rinite ou algum tipo de alergia. Essas estruturas podem penetrar em várias camadas da pele e do tecido ocular, causando sérias irritações. Um mamífero dede pequeno porte (como rato, coelho etc) exposto às cerdas urticantes de uma Grammastola, por exemplo, pode sufocar em duas horas.

Geralmente, os acidentes estão relacionados com os pelos das caranguejeiras. Em contato com a pele podem ocasionar irritação, ardor e sensação de queimadura. Os pelos urticantes também podem penetrar nas vias respiratórias e olhos provocando coceiras. Nos olhos podem ocasionar a queratite severa, inflamação na córnea. Nessa situação, coçar os olhos pode agravar a situação, pois os pelos penetram e se espalham ainda mais.

IMG_20200611_170220

Canibais?

Quando criadas em cativeiro, as aranhas ficam separadas pois são canibais, ou seja, podem devorar umas as outras.

Confira quais são as aranhas mais venenosas do Brasil:

1 – Aranha-golias-comedora-de-pássaros (Theraphosa blondi)

Quais são as aranhas mais venenosas do Brasil [Top 5]

A maior caranguejeira do mundo é espécie  Aranha-golias-comedora-de-pássaros (Theraphosa blondi), que chega a ter 30 centímetros e é da região amazônica.

Apesar do seu veneno não ser mortal para os humanos, a mordida é bastante dolorida e os pelos em suas pernas e abdômen podem gerar lesões, coceira e irritação, em contato com a pele humana.

2 – Aranha-de-Jardim (Lycosa erythrognatha)

Quais são as aranhas mais venenosas do Brasil [Top 5]

A aranha-de-grama,  aranha-lobo ou aranha-de-jardim pertence a família Lycosidae e costuma ser encontrada na grama de residências. É daí, inclusive, que vem seu nome.

Ela possui cerca de 5 cm de comprimento, e apresenta uma coloração marrom-clara ou cinzenta. Outras de suas características marcantes são um desenho negro em forma de seta em seu abdômen e pelos avermelhados perto das quelíceras.

Seu veneno causa dor intensa, com sensação de queimadura e formigamento, provocando reações alérgicas.

3 – Viúva-negra (Latrodectus mactans)

Quais são as aranhas mais venenosas do Brasil [Top 5]

A viúva-negra vive no Brasil e em outros países na América, principalmente na parte costeira dos continentes. Sua cor negra brilhante e a marcante mancha vermelha em seu abdômen tornam essa aranha fácil de se reconhecer.

E as fêmeas dessa espécie costumam ser 3 a 4 vezes maiores que os machos, e elas comem eles depois de cruzarem para reproduzirem. Os efeitos de seu veneno variam desde dor ardente, inchaço na área afetada, cólicas abdominais à náuseas.

4 – Aranha-marrom (Loxosceles)

Quais são as aranhas mais venenosas do Brasil [Top 5]

A aranha-marrom tem uma picada extremamente dolorosa e necrosante, e se não for tratada rapidamente pode trazer problemas irreversíveis.

Com cerca de 4 a 6 centímetros, a picada leva a área ao redor da picada começar a necrosar e é formada uma ferida aberta. Leva-se meses para a pele ser curada e em certos casos membros precisam ser amputados.

5 – Armadeira (Phoneutria)

Quais são as aranhas mais venenosas do Brasil [Top 5]

A armadeira é a aranha mais venenosa do mundo. Essa espécie, comum em todo o território brasileiro, é capaz de injetar uma neurotoxina poderosa. Ela é quase 20 vezes mais mortal que a viúva-negra.

O envenenamento inclui a perda de controle muscular e problemas respiratórios. Seu veneno também pode resultar em paralisia respiratória completa e em asfixia.

A dor da picada é intensa. E, se você for homem, o veneno causar uma ereção de até 4 horas, muito dolorosa.

Fonte:

 

Pedal do Dedo de Deus em Nova Colúmbia (Ocauçu-SP) +100km

O Percurso

O sábado começou com uma manhã bem fria, mas a temperatura já ficou mais amena, ótimo clima para pedalar mais de 100km. A saída foi de Garça, passando por Vera Cruz e Marília, de lá descemos a bela serra em direção ao distrito de Nova Colúmbia (Ocauçu-SP). Depois, atravessamos a BR-153 (Transbrasiliana) para seguir adiante, passamos por Lupércio, Alvinlândia, até voltar para Garça.

A União Pirambeira

O trabalho em equipe neste pedal foi fundamental para que chegássemos bem e fizéssemos todos o percurso em um ritmo legal, todos juntos e um pirambeiro apoiando o outro. E assim, não só o pedal de cada um se fortaleceu ainda mais para encarar os novos desafios, como também ajudou a estreitar ainda mais o vínculo de amizade entre nós.

O Areião

A pior parte do pedal, não foi a longa quilometragem, nem o sol do meio-dia, muito menos a forte subida que tem para chegar em Nova Colúmbia, mas sim os vários trechos de areião causado pelo tempo seco. Aí era preciso se esforçar muito e ainda assim, parecia que a bicicleta não saia do lugar. Mas se tudo fosse fácil perderia totalmente a graça também, faz parte do mountain bike, e é muito comum em nossa região.

Os Atrativos da Serra 

De longe o trecho mais legal deste pedal é o da serra entre Marília e Nova Colúmbia,  são paisagens de cair o queixo, paredões, muita mata ao redor da estrada, tem o pontilhão do rio do peixe,  e também uma espécie de mini gruta,  para os amantes do MTB, muitas descidas e subidas brutas e é claro, tem também o Dedo de Deus ou Torre de Pedra.

O Dedo de Deus

Este monumento natural fica na área rural de Nova Colúmbia, mas não muito longe dos municípios de Lupércio, Ocauçu e Marília.  Esta grande pedra vertical desprendida do rochedo parece ter sido formada através da ação do tempo, pode ter demorado quem sabe algumas centenas de anos para chegar a essa forma curiosa.

As Paradas pelo Caminho

Algumas paradas também foram cruciais, em Marília uma rápida parada com 30km já rodados. Mais adiante, não poderíamos deixar de parar para contemplar o Dedo de Deus. Depois,  teve uma parada estratégica, foi em um bar em Nova Colúmbia, próximo da hora do almoço, era preciso repor as energias.  E por último paramos  na Venda Seca, já próximo de Garça, para tomar uma tubaína e descansar um pouquinho e seguir em frente para finalizar o pedal.

A Sensação da Chegada

Ao final, a sensação foi de  tudo deu para lá de certo, e chegamos melhor até do que a gente imaginava. O sentimento foi de orgulho do trabalho em equipe que fizemos ao longo do pedal, fez toda a diferença. Pedalamos um bom trecho em pelotão, um incentivava o outro, aproveitamos o vácuo, revezamos o ciclista que puxava a fila, assim o esforço foi menor e chegamos menos cansado.  A recompensa foi comemorar esse grande pedal com aquela cerveja gelada. Que venha o próximo longão !!!

              Rudi  Arena

 

DSC00927

IMG-20200509-WA0014

 

 

IMG_20200509_103819

IMG-20200509-WA0022

 

DSC00971

IMG_20200509_112656

DSCF2895

DSC04014

DSCF2917

IMG_20200509_115932

DSC01000

IMG_20200509_143750

IMG-20200510-WA0031

 

A Linda Cachoeira Rosa e a Nascente do Rio do Peixe. (Garça, o Berço D´ Àgua!!!!)

Em uma manhã fria de outono e com muito vento, o Piramba MTB se reuniu para pedalar e conhecer mais uma belíssima cachoeira de Garça-SP,  porém não muito distante de Gália-SP também.  Embora alguns já conheciam este local encantador, para a maioria de nós era novidade, eu mesmo nunca tinha ido. Isso é mais uma prova viva e plena do quanto é preciosa essa nossa região no que se refere às maravilhas da natureza e também ao potencial para o ecoturismo. Apesar da cachoeira ser espetacular, ela é apenas mais uma entre muitas outras joias que Garça e o seu entorno possuem.

O caminho para chegar até ela pode ser por uma entrada da Estrada da 09 de Julho ou pela estrada de terra que tem atrás da Venda Seca, localizada no trevo da Rodovia SP-349 com a SP-331. A cachoeira fica a 20 km da cidade de Garça e  só é permitida a entrada com expressa autorização dos proprietários.

O Encanto da Cachoeira 

Embora nem todos tiveram a ousadia de enfrentar o frio e entrar em suas águas para lá de geladas, não tinha como ficar indiferente ao encanto do lugar, o tom esverdeado de seu poço, o véu de água reluzente da cachoeira, a beleza da areia branca no fundo do leito no rio e  ainda ao lado tinha uma espécie de uma pequena gruta encravada no paredão de arenito.

A Nascente do Rio do Peixe

As águas límpidas dessa cachoeira vêm de um local bem próxima dali, trata-se de uma importante nascente do Rio do Peixe  que possui no total  380km de extensão. Porém, é uma pena que no início de seu curso ele sofra com a forte poluição já na altura do município de Marília, e é lá também que ele ganha o nome de Rio do Peixe. Muito embora o Google Maps já considere este nome em sua nascente em Garça, este curso d´água sempre foi conhecido como Rio ou Ribeirão da Garça enquanto em território garcense.

A Poluição do Rio do Peixe

É triste constatar que essa água que brota tão limpa e que é fundamental para a formação do  Rio do Peixe logo mais já perde seu encanto, e em questão de poucos quilômetros adiante sua água fica turva por causa de lançamento de esgoto não tratado  e o leito do rio bem assoreado. A consequência é que  os peixes que em outrora eram fartos e variados agora rareiam. A grande maioria das  espécies desses animais já desapareceram do rio, e há muito tempo. Porém, ainda é bem capaz de ter alguém ainda vivo que já tenha fisgado um belo de um dourado em suas águas.

Garça, Município Privilegiado por Natureza.

No entanto, se por um  lado  tem muita poluição rio abaixo,  já rio acima nos reserva algumas  preciosidades, por isso, é preciso reconhecer que Garça é muito privilegiada pelo fato de ser um berço das nascentes dos três dos maiores rios do Centro Oeste e do Oeste Paulista. Assim, é possível ainda desfrutar de ribeirões e cachoeiras com água limpa, longe dos agentes poluentes que são despejados na medida que o rio desce de altitude e segue seu curso. Também é preciso levar em consideração o bom tratamento de esgoto que o município  possui,   já que isso é fundamental para que aqui tenhamos água própria para banhos na maioria esmagadora das cachoeiras que até parecem infinitas, de tantas que existem. E quantas dessas belezas ainda  continuam escondidas vales abaixo e grotões adentro????????

               Rudi Arena

 

Agradecimentos especial ao meu grande amigo de pedal, cachoeiras e churrasco, o  Prof. Victor Lopes Braccialli*, especialista em Gerenciamento de Recursos Hídricos, que me deu uma breve e preciosa aula sobre a localização das nascentes que existem em Garça e também sobre as bacias hidrográficas dos rios da região.

*Currículol Lattes: http://lattes.cnpq.br/7199044431766861

 

Imagem de Satélite de Nascente do Rio do Peixe (Garça):

A grande nascente do Rio do Peixe em Garça está à margem da SP-331 e aproximadamente perto da venda seca e também do trevo entre Garça e Gália, porém em direção a Alvinlândia e Lupércio. Conhecido como rio ou ribeirão da Garça, ele nasce no alto do planalto da Serra dos Agudos e corta o sul de Garça, também passa pelo sul de Vera Cruz até se juntar um pouco depois a outro curso d´água para então formar esse importante rio de nossa região.

“O Rio do Peixe forma-se da junção do Ribeirão da Garça, que nasce na Serra dos Agudos na cidade de Garça, a uma altitude de aproximadamente 670 metros, e do Ribeirão do Alegre, que nasce no Município de Alvilândia, a uma cota média de 680 metros. Percorrendo uma extensão de 380 km, o Rio do Peixe desemboca no Rio Paraná a um altitude de 240 metros.” (Prandi, 2010, Pag 19)

https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/102955/prandi_ec_dr_rcla.pdf?sequence=1

 

O percurso do Rio do Peixe de suas nascentes até sua foz no Rio Paraná:

http://www.sigrh.sp.gov.br/cbhap/apresentacao:

Área de drenagem: 10.769 km²
População: 444.290 habitantes
Principais atividades econômicas: Nas áreas urbanizadas destacam-se os setores de serviços e comércio, com exceção de Marília, considerada polo regional e onde se concentra grande parte das atividades industriais, principalmente do segmento alimentício. Nas áreas rurais ainda há predominância da pecuária, com forte expansão da agroindústria de cana.
Vegetação remanescente: Apresenta 796 km² de vegetação natural remanescente que ocupa, aproximadamente, 7% da área da UGRHI. As categorias de maior ocorrência são Floresta Estacional Semidecidual e Formação Arbórea/Arbustiva em Região da Várzea.
Unidades de Conservação: O Parque Estadual do Rio Peixe é uma unidade de conservação do estado de São Paulo criado pelo Decreto Estadual nº 47.095, de 18 de setembro de 2002, e possui uma área de 7.720 hectares abrangendo os municípios de Presidente Venceslau, Piquerobi, Dracena e Ouro Verde.

Rio do Peixe *

* https://pt.wikipedia.org/wiki/Geografia_de_Mar%C3%ADlia
 O Rio do Peixe, que nasce no município de Garça, corta a parte sul do município de Marília. Os fluxos hídrícos que nascem na parte sul do espigão correm a seu encontro. Em Marília os principais afluentes do Rio do Peixe são:

Pela margem direita.

  • Ribeirão do Alegre: nasce a 10 km, em Gália, corre em rumo geral no sentido oeste até sua confluência com o Rio do Peixe a sudeste de Marília.
  • Ribeirão do Barbosa (poluído): nasce em Marília nas proximidades de onde passa a rodovia SP 294, limite sul da cidade e corre no sentido sudoeste desagüando no Peixe.
  • Rio do Pombo (poluído): nasce em Marília, na baixada das proximidades do antigo prédio da Telesp seguindo rumo oeste até desaguar no Rio do Peixe. Possui vários afluentes como o Córrego São Francisco, Invernada, Trombador, Santa Maria, Ferrugem, Santana, Santo Antônio e Flor Roxa.
  • Ribeirão da Prata: tem as suas cabeceiras no bairro do Prata e, após um percurso de 14 km, deságüa no Peixe.

Pela margem esquerda.

 

Imagem de Satélite da Nascente do Rio Feio (Garça/Gália):

O município de Garça ainda é fundamental para a formação do Rio Aguapéi ou Rio Feio.  Embora sua nascente não seja considerada propriamente em Garça, mas sim em Gália, ela está localizada praticamente na divisa entre os dois municípios e bem próximo também da rodovia SP-294, na altura do trevo de entrada para o bairro São José, no km 409.  Mais precisamente, atrás de estão instaladas várias antenas de transmissão ao final da Estrada da Adrianita. E são as águas que descem dessa e outras nascentes de Garça e Gália (Fazenda de Eucalipto da Duratex) que dão vida a outro importante curso d´água da região Centro-Oeste paulista e que segue por 420 km até desaguar no Rio Paraná.

Imagem de Satélite da Nascente do Rio Tibiriçá (Garça-SP):

E não é o só do Rio do Peixe que aqui nasce, o Rio Tibiriçá é um outro nativo de Garça, ele nasce dentro da cidade, mas em razão da expansão da malha urbana, a sua nascente original foi aterra e agora sua água aflora próximo ao conhecido Buracão da feira livre, embora sua nascente original seja na Praça Pedro de Toledo, mais conhecida como a “praça do cinema” da cidade.  E segue seu curso  passando entre os bairros do Frei Aurélio e Jardim Paulista, passa ao lado do tratamento de esgoto do SAEE e despois corre paralelo à rodovia estadual SP-349 (Garça/Álvaro de Carvalho) mas não próximo dela. Porém, este é o menor dos rios que nascem em Garça, possui apenas 90 km de comprimento até então deságua no Rio Aguapeí a não mais que seis km de Luziânia-SP.

 

IMG-20200503-WA0053

 

IMG-20200503-WA0072

IMG_20200503_101453

IMG-20200503-WA0016

IMG_20200503_101441

DSC00845

DSC00887

IMG-20200503-WA0050

 

Volta da Duratex (Perdidos) Gália

Em um dia quente de inverno, os pirambeiros de plantão resolveram fazer um pedal com a cara do Piramba MTB, e ainda contamos com a presença do grande ciclista do município de Garça-SP, o Anderson, mais conhecido como Nino, não se trata do famoso ciclista suiço Nino Schuter, mas também pedala muito.

O destino foi pedalar dentro da grande floresta de eucaliptos pertencente a  empresa Duratex e cuja fazenda fica entre os municípios de Garça e Gália-SP, relativamente próximo das margens da Rodovia SP-294. O lugar também é conhecido como “Perdidos”, uma vez que é muito fácil se perder por ali em meio a um mar de eucaliptos e os diversos caminhos e trilhas disponíveis no local.

Também já ocorreu ali um sério ataque de abelhas, com direito a bombeiros, amigos de bike separados das bikes e uns dos outros na correria, muitas picadas e hospital no final, para você perceber que nem tudo são são flores e sempre existe um perigo ali e aqui, quando se menos espera.

Apesar de muitos já terem ficado desorientados no lugar, desta vez não tivemos este tipo de problema, como também passamos longe das abelhas.  O único problema que enfrentamos com sucesso foi a quebra de corrente de um dos pirambeiros que logo foi consertada, de resto, foi só alegria, belas paisagens, suor e adrenalina.

Rudi Arena

DSC00248

DSC00236

 

DSC00239

IMG-20190810-WA0047

IMG-20190810-WA0052

DSC00271

 

Pedal do Girassol

Uma manhã fria, mas o Piramba em peso estava a postos para pedalar pelos  mais diversos caminhos, sempre dentro de fazendas. O pedal foi só de trilhas, percorremos as Fazendas: Hípica, Dinamérica, São Carlos e Igurê. Passamos por vários terrenos e paisagens.

Andamos por Floresta de Mogno,  mata atlântica, seringueiras, cafezais, eucaliptos e uma belíssima cultura de girassol, também tivemos que atravessar um pequeno rio. Isso só demonstra a riqueza e a beleza das trilhas de bicicleta que Garça e região dispõe.

Este é um pedal que tem maior conexão com a natureza e mais técnico também, o terreno tende a segurar mais a bike e por isso o Km rodado é mais cansativo, mas vale a pena. Pedalamos por caminhos alternativos entre Garça e Gália, um verdadeiro paraíso para os amantes de mountain bike e de uma boa pirambeira.

Rudi Arena

DSC00200

DSC00196

DSC00177

DSC00163

10 anos de Piramba MTB no Ar

Há 10 Anos foi Criado o Canal Piramba MTB no Youtube

A história do Piramba desde o início foi  temperada com muita a areia, suor e água de cachoeira. E a ideia  sempre foi procurar novos caminhos,  pedalar em lugares que não tem estrada ou mesmo qualquer trilha, que quase ninguém vai, e muitas vezes é preciso perseguir um caminho para chegar no destino almejado, que são os picos e cachoeiras da região, locais inóspitos, de difícil acesso e desconhecido de muita gente.

DSC07381

A marca Piramba MTB surgiu no final de 2008, já fazíamos pedais com cachoeiras, e eu gostava de filmar, editar e depois para poder compartilhar aquele arquivo pesado acabava tendo que gravar o vídeo em CD e assim disponibilizar para os amigos, pois nunca tive nenhuma pretensão em criar um canal no youtube. No entanto, isso acabou sendo inevitável pela facilidade de compartilhar os vídeos com quem quiser de maneira simples e prática.

E junto com a necessidade de criar o Canal, também foi preciso criar um nome e assim surgiu o nome Piramba MTB que veio para ficar,  já são mais de 200 vídeos gravados, só este canal criado em 2008 passou da marca de 100 mil visualizações, pouco se comparado com muitos por aí, mas não deixa de ter um certo significado, se partir do princípio que é um canal com conteúdo próprio, produção precária, pouco tempo dedicado ao projeto, destinado a um publico reduzido, sem investimento nenhum, sem uso de artifícios para turbinar as estatísticas de visualizações, e sem fazer muita divulgação.

Mas o Piramba é muito maior que este singelo canal de youtube, pois outros também publicam vídeos do grupo e contribuem na consolidação da marca Piramba MTB ,  como os canais amigos: Canal do Vicente,  Canal do Thiago Bulho e o Sujo de Barro do Thiago Zancopé.

Em 2011 foi criado o Blog do Piramba 

Com o nosso amigo Vicente Conessa incorporado para valer nos pedais do Piramba deu-se o nascimento deste  presente Blog para ser um lugar para ampliar o conteúdo divulgado pelo Piramba, já que o youtube fica mais restrito a publicação de vídeos. Então o Vicente criou o Blog para postarmos além dos vídeos, fotos e também textos sobre as trilhas de bike e as cachoeiras da região de Garça.

DSC07098

A característica principal do nosso grupo de pedal, é aliar o Mountain Bike com natureza, e em muitas vezes o destino são as diversas e belas cachoeiras que existem nas proximidades de Garça-SP.  Junto com o blog também foi criada uma conta do Piramba MTB no Flickr para postar as fotos registradas durante os rolês de bike.

Uma História Feita por Muitas Pessoas

Mas o Piramba vai muito mais além disso tudo, pois foi construído por muitas outras pessoas ao longo destes mais de 10 anos de existência, são todas aquelas que já participaram dos nossos pedais, que fizeram a história do grupo e criou a sua identidade. De um lado, com muita  adrenalina, aventura e  diversão, mas por outro lado, não foram poucos os momentos de extremo cansaço, dor, sofrimento e até desespero, e nessas horas que aparecem também a solidariedade e a superação, daí então o estreitamento dos laços de amizades é só uma consequência natural da situação.

São muitas as emoções e experiências acumuladas nestes 10 anos de pirambeiro, e isso é tão bom e enriquecedor que não tem como deixar de seguir na atividade, o pedal não pode parar nunca.

O conteúdo gerado pelo Piramba só foi possível com a ajuda essencial de muita gente, são tantos que não tem como relacionar todos. Cada um foi fundamental e peça de um quebra cabeça que forma o todo que é o Piramba MTB é. E a interação dos pirambeiros com a natureza sempre foi a tônica dos vídeos e das mais de  18 mil fotos já publicadas.

Existem muitas outras plataformas utilizadas para divulgar o nosso material, e mesmo assim,  tudo o que já foi registrado, é apenas uma parte do conteúdo já criado pelos pirambeiros. Em tempo de celulares para lá de modernos, é muito comum ter várias fotos e vídeos nos celulares de cada um e que não são publicados, e nem por isso menos interessantes, o que  mostra como é  vasto o conteúdo criado até agora, sempre repleto de bike e natureza.

DSCF1322

O Piramba MTB aumentou o número de redes sociais em que publica seu conteúdo, está também presente no Facebook e Instagram. Além do FlickrYoutube e WordPress e também tem o site Piramba Adventure com mais de 1.400 cachoeiras cadastradas ao redor do mundo. Uma plataforma digital complementa a outra, assim como contribui para que o Piramba MTB alcance o maior número de pessoas, e  mais gente pode ter contato com o material publicado, ou seja, as cachoeiras, os animais silvestres da região e trilhas de bike que existem nas proximidades de Garça-SP, bem como em outros lugares que já percorremos também.

A Evolução, Lenta, Gradual e Sólida das Estatísticas do Blog

Desde o nascimento do Blog em 2011, a cada ano que passa aumenta um pouco as visualizações quando comparado ao ano que passou, este ano mesmo, em julho já tinha passado os números de 2018. Aos poucos e com bastante conteúdo o site do Piramba MTB se consolida e cresce ano a ano.  As estatísticas que estão no quadro abaixo demonstra essa evolução.

E o interessante é que apesar dos números modestos do nosso Blog, em consulta as estatísticas quanto ao alcance geográfico do site  verificamos que já fomos acessados por mais da metade dos países do planeta terra, são os coloridos de amarelo, além do Brasil em vermelho é claro, conforme mapa múndi abaixo.

No total, pessoas distribuídas em 98 países já visitaram a nossa página. Outro dado que chama a atenção é o número de visualizações nos Estados Unidos, todos os dias existem visualizações originadas desta nação. Isso tudo é uma demonstração que devagar e sempre o Piramba MTB expandiu além das fronteiras do Brasil, conseguiu colocar as belezas do município de Garça-SP  nas telas de pessoas do outro lado do globo, o que não deixa de ser um motivo de satisfação, já que trabalhamos com muita simplicidade.

Considerações Finais

Por tudo isso, podemos dizer o Piramba MTB vem cumprindo neste tempo o papel de contribuir um pouco com a divulgação do Mountain Bike,  o esporte de fazer trilhas de bicicleta nos mais diversos cenários, por mais adverso que seja o caminho, bem como levar ao conhecimento de muitos, as encantadoras cachoeiras que existem em Garça-SP e região, muitas vezes desconhecidas pelos moradores locais.

DSC07473

E ao conhecer e registrar imagens de tantas cachoeiras, acabou sendo necessário fazer o inventário delas, catalogá-las e torcer para que isso possa ajudar a preservação desses belos e importantes patrimônios naturais.  Por outro lado, este espaço também se fez lugar de informações sobre animais  pertencentes a nossa fauna e até mesmo chegamos a abordar um pouco da história da região.

Logo, o balanço desses 10 anos é bem positivo, o pedal nunca parou, e nem este Blog, apesar de momentos de maior ou menor atividade, bem como o gosto pelo contato com a natureza e a busca por conhecer novos caminhos e cachoeiras que não cessa jamais.

Conseguimos nesse tempo registrar mais de 40 cachoeiras na região de Garça, e ainda algumas outras em municípios diversos, desenvolvemos o mapa das cachoeiras, uma interessante ferramenta para conhecer melhor a extensão, a localização e a qualidade de nossas cachoeiras (Confira Aqui).

Mas este é um trabalho sem fim, apesar de ainda incompleto e com algumas imprecisões, não deixa de ser um motivo de orgulho a categorização e o desenvolvimento do mapa das cachoeiras, inclusive com fotos para que se tenha uma noção mais exata dessas preciosidades da natureza.

DSC04766

Este trabalho de mapear as cachoeiras acabou por prestar uma pequena ajuda para que Garça conseguisse ver aprovado o projeto para se tornar um município de interesse turístico, e prova disso é que o próprio site oficial da Prefeitura de Garça na página referente ao Turismo, em “Mapa do Turismo”, existe um link chamado “Cachoeiras – Piramba MTB” que  utiliza a base de dados do nosso mapa de cachoeiras, inclusive a site dá o devido crédito ao Piramba (Veja Aqui).

Também sinal de  reconhecimento das publicações feitas pelo Piramba foi a matéria produzida por um importante periódico da imprensa Bauruense.  O Jornal da Cidade veio até Garça para conhecer melhor o Piramba MTB e fazer uma reportagem a respeito das cachoeiras inexploradas desta região, clique aqui para ler a matéria.

Também o Piramba MTB deu uma parcela de colaboração pra reconstituir a história da gigantesca e lendária Fazenda São João, hoje  mais conhecida como Companhia Inglesa com sua encantadora igreja em ruínas. A contribuição foi através da postagem de um primoroso texto cedido gentilmente por Hamilton Carvalho que vivenciou o período áureo desta fazenda. Nesta época,  era considerada maior que muitas cidades da região em número de habitantes, e ele com texto muito bem escrito conta com riqueza de detalhes como era a vida neste local. Confira aqui esta postagem. 

DSC00488

Sem dúvidas, foi uma dos conteúdos mais interessantes já publicados pelo  Piramba MTB e também foi o que chamou a maior atenção dos internautas. Sempre ávidos por mais informações sobre o assunto, eles acabaram por contribuir com valiosos comentários  e assim pudemos conhecer melhor o que foi este lugar com características únicas na região.

Rudi Arena

Referências:

https://www.garca.sp.gov.br/turismo/

https://www.jcnet.com.br/Regional/2016/12/garca-tem-cachoeiras-inexploradas.html

https://www.flickr.com/photos/pirambamtb/albums/

https://www.instagram.com/pirambamtb/

https://pirambamtb.com/2017/01/29/mapa-das-cachoeiras-de-garca/

https://www.youtube.com/user/RudiArena

https://www.youtube.com/user/bandamst

https://www.youtube.com/user/tonawebtv

https://www.youtube.com/user/vilegaion

https://pirambamtb.com/2016/06/05/companhia-inglesa-memorias-da-fazenda-sao-joao-19441954-por-hamilton-carvalho/

https://www.facebook.com/Pirambamtb/

https://www.facebook.com/Pirambaadventure

http://piramba.com/

Você conhece a cachoeira da união?

Você conhece a cachoeira da união? Fica na cidade de Garça! Venha conferir todas as nossas cachoeiras!Turismo em Garça.
Nossa amigo Tom conseguiu sobrevoar a cachoeira e nos deu de presente essas cenas.
#Cachoeira #União #Waterfall #Aventura #Drone #Fly #Nature #Garça#Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil #Marília #Bauru#Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

 

Conheça a Cachoeira do Carcará!!

Conheça a Cachoeira do Carcará vista de cima!!!

É apenas uma das centenas de cachoeiras de Garça-SP, próxima a cidade, fica entre o bairro São Lucas e o Aeroporto do município.

Imagens gentilmente cedidas por Antônio Brandão

#Cachoeira #Pneu #União #Waterfall #Carcara #Aventura #Drone #Fly#Nature #Garça #Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil#Marília #Bauru #Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

Cachoeira do Pneu ou Stand

Conhece a Cachoeira do Pneu? Você pode ter ouvido fala então na cachoeira do Stand?
Nosso amigo Antônio Brandão nos proporcionando essas belas imagens!!

#Cachoeira #Pneu #União #Waterfall #Aventura #Drone #Fly #Nature #Garça #Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil #Marília #Bauru #Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

Um Louva Deus Diferente. Este parece pertencer ao Exército pelo seu uniforme camuflado.

Este é um inseto um pouco diferente do acostumado a ver, trata-se de um Louva Deus ou Cavalinho de Deus como muitos chamam. Seu nome popular decorre do fato de que, quando está pousado, o inseto lembra uma pessoa orando. Mas neste caso ele parece estar com o uniforme de exército, pintado para guerra,  difícil diferenciar entre galhos e tocos, passa despercebido  e assim consegue ser melhor eficaz para apreender suas presas.

O que chamou a nossa atenção neste inseto foi de que não é comum ver essas cores no Louva Deus, geralmente encontramos aquele clássico que é todo verde e se confunde comas as folhas, esse parece  que se adaptou perfeitamente para viver em ambiente de muitos galhos secos em meio a uma enorme floresta de eucaliptos. Esse vídeo foi gravado na fazenda da empresa Duratex na zona rural do município de Gália-SP.

Apesar de este inseto  parecer rezar, é impiedoso com outros insetos, não é herbívoro como os gafanhotos, gostam mesmo de devorar outros seres vivos.

DSC07622

A sua camuflagem é consequência do ambiente em que ele vive, como é um uma floresta de eucaliptos a perder de vista, ele se confunde com o ambiente repleto de pedaços das árvores de eucalipto que possuem a mesma coloração.

O louva-a-deus é um animal muito venerado na China, tendo inclusive estilos de Kung Fu baseados em seus movimentos. ( «History of Praying Mantis Kung Fu»)

São predadores agressivos que caçam principalmente moscas e afídios. A caça é feita em geral de emboscada, facilitada pelas capacidades de camuflagem do louva-a-deus. Como não possuem veneno, os louva-a-deus contam com as suas pernas anteriores que são captatórias, ou seja, modificadas como garras, para segurar a presa enquanto é consumida. A sua voracidade faz com que sejam considerados muito bem vindos pelos amantes da jardinagem e agricultura biológica, uma vez que, na ausência de pesticidas, são um fator importante no controlo de pragas de jardim.  «Pragas de Jardim – Flores e Folhagens»Flores e Folhagens. 24 de julho de 2015.

Rudi Arena

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Louva-a-deus

Pedal Bruto: Avaí e Presidente Alves. 110 km de muito Areião e Subidas Íngremes.

 

Pedal com saída da cidade de Garça-SP, passando por Gália, onde tomamos um providencial açaí a beira da Rodovia SP-294, alimento este que nos deu a energia necessária para chegar até o município de Avaí que faz divisa com Bauru-SP.

O município possui quatro aldeias indígenas (Kopenoti, Nimuendaju, Ekeruá e Tereguá), denominada de Terra Indígena Araribá. As suas principais etnias são a Guarani, Terena e Caingangues. Os trabalhos feitos com penas e plumas de pássaros constituem a arte plumária indígena. Alguns índios realizam trabalhos em madeira e de cerâmica.A atual população na Terra Indígena Araribá é de quinhentos e setenta e oito índios.

Na cidade conhecida por abrigar uma reserva indígena, aproveitamos para nos esconder um pouco do sol escaldante e comer alguma coisa de leve para então seguir em frente. De lá, pedalamos por 18 km pela bela estrada de terra do Horto até Presidente Alves, nesta cidade tomamos um generoso copo de caldo de cana, e enfim tomamos o caminho de volta em direção a Garça.

Foram quase 110 km bem desgastantes, quase todo de estrada de terra, com muito areião pelo caminho, o que fez  aumentar ainda mais o esforço despendido. Sem contar ainda que o ganho de elevação total foi de 2.098 m, o que demonstra que foram muitas as subidas bem inclinadas que tivemos que superar pelo percurso.

Mas ao final, tudo deu certo e ninguém ficou pelo caminho, seja por fadiga humana ou por quebra de algum equipamento. É claro que nem tudo são flores. Teve um pneu furado aqui, uma cãimbra ali, e um carreirão por causa de uma vaca desembestada que estava pelo caminho. Tudo isso fez  parte deste inesquecível pedal. Quando chegamos em Garça já de noite, não pudemos deixar de comemorar o pedal bem sucedido com uma pequena confraternização com uma cerveja gelada, afinal a gente merecia relaxar um pouco após um longo e cansativo dia.

Rudi Arena

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ava%C3%AD_(S%C3%A3o_Paulo)

 

DSC07681

DSC07688

DSC07719

DSC07726

DSC07758

DSC07768

DSC07779

Pequenos Detalhes e Cores da Fauna e Flora do Entorno da CIA Inglesa

No último sábado, em um dia lindo de sol e de temperatura amena que já prenuncia o clima  do Outono que está por vir, o destino do pedal era chegar até a Igreja da Companhia Inglesa, mas como bons pirambeiros que somos, resolvemos explorar um pouco o território por detrás do templo e da antiga escola que um dia existiu ali, e que hoje está em ruínas.

DSC05851

DSC05891

DSC05874

DSC05869

DSC05872

DSC05905

DSC05903

DSC05889

DSC05896

DSC05909

O que encontramos também em um único dia, além de muito verde e água,  também foi um colorido que encanta. Isto é, para quem tem tempo e olhos para perceber pequenos e reluzentes detalhes ao redor. Depois, é só contemplar  estes pontos coloridos no ambiente  proporcionado pela rica flora, bem como a fauna que de forma surpreendente sobrevive como pode, o que que demonstra toda sua resiliência. Apesar da ação nociva do homem em seu habitat, que por um lado recupera a mata ciliar ali, e por outro continua a desmatar aqui e acolá, isso é comum em várias regiões do país a fora, as vezes dentro de um mesmo município.

Rudi Arena

 

Documentário sobre a Fazenda São João (CIA Inglesa) e Um Canal que Faltava na Região

A região de Marília, incluindo Garça e os municípios próximos contam agora com um importante canal de vídeos, trata-se do canal do Youtube do Professor Elândio Ferreira que com propriedade presta um serviço quase que de utilidade pública para a educação ambiental e histórica de nossa região. Segue o link do referido canal que merece mais do que uma espiada:

https://www.youtube.com/channel/UCnhPVoqlzQOWqNlL9rorwmw

Entre muitos vídeos interessantes, tem esta espécie de documentário sobre a companhia inglesa com riqueza de imagens, detalhes e informações, vale a pena conferir. Assim como os outros vídeos do canal que vem a complementar com narração alguns lugares por onde o Piramba já passou.

Rudi Arena

 

 

Um Patrimônio Histórico em Ruína. Até Quando Esperar?

DSC04661
DSC04660

Recentemente fomos de bike até a Igreja da Companhia Inglesa, e o que vimos é preocupante, um patrimônio histórico, cultural e arquitetônico a espera de seu fim anunciado, que não deve tardar em chegar. Se permanecer o abandono, o desabamento de sua frágil estrutura é questão de tempo e infelizmente não temos notícia de que algo está sendo feito para evitar o pior. A degradação de um patrimônio histórico é triste, mas a sua perda, é irreparável, por isso, urge que as autoridades competentes tomem alguma medida para a preservação e quem sabe a sua restauração.

Não dá pra se conformar com este fim, pois o lugar tem uma história tão rica e a igreja traços arquitetônicos tão belos, cujo valor é impossível estimar em dinheiro. Não há nada pague a preservação do passado, da história, do valor artístico da arquitetura, além de ser um lugar que fez parte da vida de milhares de moradores que passaram pela da Fazenda São João ou Fazenda dos Ingleses. Foram os áureos tempos, e hoje virou um abrigo para pássaros e morcegos, mas que ainda assim, atrai muitos visitantes, o que demonstra o potencial que lugar tem para atrair um turismo histórico-cultural.

DSC04658
DSC04657

Esta peculiar e bela igreja preenche todos os requisitos para que o imóvel seja tombado como patrimônio histórico e arquitetônico, mas isso não garante a sua restauração, apenas proíbe que seja demolido ou descaracterizado. A igreja está localizada em Gália-SP, portanto, as autoridades locais poderiam envidar esforços para ao menos o seu tombamento, o investimento na restauração dificilmente o município de Gália arcaria, ainda mais em tempo de crise, mas com a iniciativa do tombamento, o próximo passo seria buscar recursos estaduais ou federais para a restauração. Seria interessante uma hipotética cooperação entre as prefeituras de Gália-SP e Garça-SP, ambas poderiam se beneficiar com a iniciativa, e quem sabe a Igreja Católica não poderia contribuir também com algo, ou restará a sociedade civil se organizar para isto?

De qualquer forma, é preciso ser realista, não há saída simples para este caso, é uma corrida contra o tempo, e este é inexorável, não perdoa nada e nem ninguém. O primeiro passo deveria ser o seu tombamento, mesmo que seja um processo demorado e burocrático, mas com o reconhecimento público e oficial de seu valor, ficaria mais fácil angariar e convencer da necessidade de se investir na restauração do templo católico, antes que seja tarde demais ou ainda mais custoso.
DSC04656
DSC04655

Como é possível ver nas fotos tiradas há alguns dias atrás, a fachada da igreja está com uma enorme rachadura de ponta a ponta, e por dentro, o teto está cheio de aberturas e escorado por estacas de forma precária, as paredes próximas ao altar também possuem grandes rachaduras, a escada interna de madeira está em frangalhos, e todos os belos e coloridos vitrais da igreja estão quebrados.

Se sonharmos um pouco, ali poderia voltar quem sabe a ser uma linda igreja, onde pudessem ser celebradas cerimônias religiosas para a comunidade da região, ou então uma espécie de museu para resgatar a rica memória da Companhia Inglesa e da Fazenda São João. Ou será que teremos que nos conformar em assistir passivamente a sua progressiva deterioração até a definitiva perda deste inestimável patrimônio de nossa história?

Rudi Arena

DSC04653

Enfim….Presidente Alves pela Pirambeira – 80 km

 

Foi quase que uma odisseia, depois de muitos ensaios e por vária vezes termos combinado e descombinado, enfim chegou o dia de irmos pela primeira vez até a cidade de Presidente Alves. Embora faça divisa com Garça, não há estrada de terra que liga diretamente os dois municípios, só existe um caminho que é indo por Gália, mesmo assim não tem asfalto pra chegar lá, só um estradão de mais de 20 km.

Por isso, chegar até lá não é tão simples, pelo menos pelo trajeto escolhido, que foi de ir pela pirambeira, onde não há caminho exato a seguir,  é preciso fazer um em meio as belezas naturais existentes ao redor, atravessar riachos e  subir uma baita de uma serra. A melhor parte do pedal foi esta, por isso vale a pena chegar até Presidente Alves por trilhas de Fazendas.  Sem dúvidas, a opção mais cômoda seria ir e voltar por Gália, mas a graça do negócio é justamente se deparar com novo, o inesperado, pois o caminho fácil não tem lá tanta graça, a trilha fica mais rica quando se pula cercas, e foram várias. A gente seguia rumo ao desconhecido e contemplando a natureza, porém uma escolha errada em uma bifurcação poderia colocar tudo a perder.

Só que não, desta vez chegamos ao destino e sem sobressaltos. Na cidade, paramos para comer uma parca porção de calabresa que não deu nem para o cheiro, também um bando de ciclistas esfomeados.  Já era noite, hora de voltar e aí sim pegar o caminho mais tranquilo, o estradão até Gália, mas logo começaram os problemas,  um companheiro com a bike a quebrada e outro com fortes dores, e ainda tinha muito chão pela frente.

Graças a Deus, o santo é forte, aos trancos e barrancos chegamos a beira da Rodovia 294 em Gália, e milagrosamente logo apareceu  um carro do Departamento de Estrada e Rodagens(DER), na mesma hora que uma ligação  havia sido disparada para um amigo chamando por socorro, e que felizmente  não precisou ser completada.

Logo acenamos para o motorista do veículo, e dois amigos ali embarcaram e puderam chegar mais cedo em casa. Apesar do forte cansaço e o adiantado das horas, o pedal não poderia parar. Então nós, os remanescentes, depois de mais de 80 km e com o relógio marcando mais de 11 horas da noite, chegamos exaustos e famintos em nossos respectivos lares, após muitos quilômetros percorridos  fartos de pirambeiras, suor e alegria. E para mim ficou uma reflexão, que é que sempre há um caminho ou um lugar diferente para se conhecer, e não precisa ir muito longe para isso, são essas coisas pequenas e prazerosas que dão estímulo para vida, e não deixa que a comodidade ou a monotonia nos faça de refém.

Um agradecimento especial ao nosso amigo de pedal Jose Maurício, que neste dia infelizmente não estava conosco, mas que teve um papel importante para o sucesso do pedal neste dia,  esta trilha só aconteceu porque em outras ocasiões, ele ajudou a identificar o caminho a ser seguido, conversamos com os caseiros de fazendas próximas a antiga e desativada estrada municipal que ligava há muito tempo Garça e Presidente Alves, e assim, conseguimos as preciosas dicas que nos levaram enfim até Presidente Alves por um trilha totalmente alternativa.

screenshot_2016-10-15-11-24-48 screenshot_2016-10-15-11-24-59

 

captura-de-tela-2016-10-18-as-15-42-09

DSC02963

DSC02897

DSC02925

DSC02932

DSC02961

DSC02980

DSC03032

DSC03036