Você conhece a cachoeira da união?

Você conhece a cachoeira da união? Fica na cidade de Garça! Venha conferir todas as nossas cachoeiras!Turismo em Garça.
Nossa amigo Tom conseguiu sobrevoar a cachoeira e nos deu de presente essas cenas.
#Cachoeira #União #Waterfall #Aventura #Drone #Fly #Nature #Garça#Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil #Marília #Bauru#Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

 

Conheça a Cachoeira do Carcará!!

Conheça a Cachoeira do Carcará vista de cima!!!

É apenas uma das centenas de cachoeiras de Garça-SP, próxima a cidade, fica entre o bairro São Lucas e o Aeroporto do município.

Imagens gentilmente cedidas por Antônio Brandão

#Cachoeira #Pneu #União #Waterfall #Carcara #Aventura #Drone #Fly#Nature #Garça #Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil#Marília #Bauru #Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

Cachoeira do Pneu ou Stand

Conhece a Cachoeira do Pneu? Você pode ter ouvido fala então na cachoeira do Stand?
Nosso amigo Antônio Brandão nos proporcionando essas belas imagens!!

#Cachoeira #Pneu #União #Waterfall #Aventura #Drone #Fly #Nature #Garça #Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil #Marília #Bauru #Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

Estrada do Horto Florestal, Roseta e Subida da Minalba (Campos do Jordão-SP divisa com Minas Gerais)

A Cidade e suas Peculiaridades

Em Campos do Jordão, parece até que não estamos no Estado de São Paulo, o clima é de um frio diferenciado, a mais gelada do estado indiscutivelmente. E chegamos ainda em um dia que tinha tido geada, a temperatura era muito baixa, típica do alto da Serra da Mantiqueira. Além do terreno montanhoso, o que mais chama a atenção de que realmente é um lugar diferente, o tipo de vegetação ali existente, são as muitas araucárias,  bem como diversos tipos de pinheiros. E também tem outras plantas e árvores que se adaptam melhor a um clima mais frio, e que não é comum de se ver no restante do Estado. Não é só, também a educação, a cultura, a arquitetura, os hábitos e os alimentos, não são muito típicos do estado paulista. Lá, o normal é o motorista parar na faixa de pedestre, as vestimentas das pessoas são próprias para um clima frio, nos restaurantes e em outros estabelecimentos comerciais é comum ver lareiras em seu interior para atrair visitantes.

Muitas casas possuem o telhado em forma de um V invertido que serviria para facilitar os cuidados com a neve, como se isso fosse um problema comum da região, mas não é. Embora se pode falar que é impossível nevar em Campos do Jordão, seu fenômeno é bastante improvável,  ainda assim, a arquitetura reproduz muito as características urbana européia.

Existem sim registros de uma forte e longa nevasca, no ano de 1928, e com acúmulo de neve de 20 cm que trouxe muitos transtornos a população local. Mas desde então, tal fenômeno da natureza passou a ser cada vez mais raro, a expansão da malha urbana, a derrubada de mata nativa, o aquecimento das temperaturas nos últimos tempos fez com que o clima mudasse muito. Antigamente, na Campos do Jordão de 1951 chegou a ter mais de 20 mil pés de maçã, só que atualmente o clima está muito quente para esta cultura. Este município é um caso típico e bem registrado das consequências do aumento da temperatura no globo terrestre.

Mesmo assim o clima diferente chama bastante atenção também na questão da alimentação, além de ser muito popular o consumo do pinhão, é figura carimbada na cidade o prato a base da Truta, um peixe primo do salmão conhecido por gostar de águas frias e que lá encontrou um bom ambiente para o desenvolvimento de sua criação. Assim como, a produção de frutas vermelhas, como framboesa, mirtilo, blueberry e morango também encontraram terreno propício para se estabelecer no local, e tem grande destaque na gastronomia do lugar. São muitos os quitutes a disposição com frutas vermelhas frescas e colhida ali mesmo, o que não é nada comum no restante do estado de São Paulo.  A impressão que dá é que estamos em um estado do sul do país ou então em um simulacro tupiniquim de um pedaço do velho mundo. É muito interessante este contraste com as demais cidades paulistas.

O Pedal 

O pedal mais pesado ficou para o primeiro dia em Campos do Jordão, a quilometragem não era o problema, mas sim as íngremes subidas que viria pela frente. A saída foi da cidade de Campos do Jordão em direção a linda estrada do Horto Florestal , que é um Parque Estadual e uma atração turística. É altamente recomendável conhecer este caminho em meio a mata dos dois lados e uma estrada meio estreita, mas que passa carros de passeios. São muitas araucárias ao lado e também muitos  pinhões pelo chão. No trajeto, o que chama bastante a atenção é o Bosque Vermelho, embora não seja muito grande o contraste do vermelho com o verde ao redor.

Ao final desta estrada seguimos em direção a divisa entre os estados de São Paulo e Minas Gerais com destino a cidade de Wenceslau Bráz-MG, mas especificamente o distrito de Roseta (antigo Itererê) que fica a longe 11 km daquela cidade. Um lugar muito bonito e pacato. E a volta foi por outro caminho, conhecido também como a subida da  Minalba,  já mais ao final do pedal, e embora seja de asfalto é muito longa e com grau de inclinação bastante acentuado.

Imagina um pedal que quebra o caboclo no meio, os 67 km fala pouco da dificuldade do pedal, mas os 2.440 metros de ganho de elevação explica um pouco. A mudança de altitude também é brusca neste pedal, há um momento que se alcança mais de 1.800 metros de altitude e após longas e alucinantes descidas chega-se a menos de 1.000 metros. Mas logo que termina a descida, começam as fortes e inacabáveis subidas. Eu mesmo, fui um que acabei ficando pelo caminho a 10 km do final, após dores nas costas, acabei que não enfrentei a bruta subida de asfalto antes de chegar na cidade de Campos do Jordão, mas ainda bem que a melhor parte já tinha sido feita, e como não sou muito fã de asfalto e nem de subida, até que não foi de todo mal.

O mais difícil tinha ficado para o final mesmo, e apesar de chegarmos bem cansados, com fome e frio, acabou sendo um pedal fantástico, com belas paisagens, e com elementos que agrada a todos os praticante de mountain bike. Tanto para quem gosta de decidas ou subidas, ou para quem quer curtir um horizonte para lá de privilegiado. Por tudo isso, não tem como não ter gostado e não ter valido a pena este dia.

Rudi Arena

 

DSC08142

DSC08153

DSC08175

DSC08162

DSC08203

Vale do Céu – Serra da Canastra – Minas Gerais

 

A Serra da Canastra é um lugar tão fascinante que até parece que seus encantos são infinitos, assim como na outra viagem para a Canastra, fomos embora com a sensação de que conhecemos só alguns dos muitos atrativos que a Serra da Canastra pode proporcionar. Da primeira vez ficamos em São Roque de Minas e exploramos o parque nacional da Serra da Canastra, desta vez ficamos em São João Batista do Glória, mas em ambas viagens sentimos que faltaram dias para que pudéssemos conhecer ao menos as principais atrações turísticas de cada região. O lugar é de uma riqueza natural abundante, e ainda tem a parte da que fica no município de Delfinópolis que falta para a gente conhecer ainda, que também possui dezenas de cachoeiras e belas paisagens, ou seja, não é possível conhecer os principais atrativos da Canastra em apenas alguns dias, quem dera então ela toda.

Entre tantas opções é preciso escolher alguma, e neste dia resolvemos conhecer o Vale do Céu.  Embora em seu endereço oficialmente pertença ao município de Delfinópolis,  fica bem perto de São João Batista do Glória. A quilometragem não total do pedal não é muito grande, cerca de 54 km ida e volta, a maior dificuldade  foram as longas subidas de acentuada inclinação,  o ganho de altitude é respeitável. Um teste e tanto para nós ciclistas,  só que para todo esforço nesta Serra  tem sempre uma recompensa para lá de satisfatória, e não poderia ter sido diferente neste caso.

O que encontramos foi um lugar com uma super estrutura, que além de ser também pousada, oferece um delicioso almoço aos visitantes que  optarem por não ir embora de barriga vazia. Atrativos não faltam, são várias trilhas, vistas de cair o queixo e belas cachoeiras para tomar banho. O diferencial do local é que a além de tudo isso, ainda possui varias construções voltadas para a arte, cultura e educação ambiental. Também há espaço com redes para descanso, entre outras opções para relaxar.

O valor não é dos mais baratos, mas tem um bom custo benefício, para a visitação apenas das cachoeiras é preciso desembolsar R$40,00 e se quiser almoçar também, são outros $40,00 adicionais. Mas também, aí será possível  desfrutar a vontade de uma comida estilo caseira, simples e muita saborosa, com o gostinho característico da prestigiada cozinha mineira. O difícil foi ter que encarar o pedal da volta depois de uma farta refeição, pois a fome era grande e a comida muito boa,  assim,  controlar a gula não é das tarefas mais simples nessa situação.

Rudi Arena

2017-05-16 00.50.19

DSC06271

DSC06262

DSC06266

DSC06255

DSC06281

DSC06340

P5131376

 

 

P5131367

P5131358

DSC06313

DSC06414

DSC06442

P5131400

Cachoeira do Paredão – O Retorno

 

Um lugar bonito, perto e marcante, porque então ficar tanto tempo sem revisitá-lo? Realmente, não tinha razão para ficar tantos anos sem retornar para esta bela cachoeira, ainda mais por estar apenas 10 km de distância da cidade de Garça. O meu maior problema sempre foi de natureza psicológica, quando ouvia falar em paredão, desconversava, colocava obstáculos, mas a verdade, é que não queria enfrentar meus medos e fantasmas.

IMG-20170325-WA0034

Parece até conversa de louco, mas é preciso fazer um parênteses para explicar o motivo de resistir a voltar a um lugar tão interessante, e poder curtir os encantos da Cachoeira do Paredão. A primeira vez que fui, estava sedento por conhecer esta cachoeira, e para descer me deparei com um pequeno paredão de pedra seguido de um íngreme barranco. Descer foi tranquilo, para voltar que seria o grande problema, mas mesmo sem nenhum acessório em mãos, conseguimos nos pendurar em um galho de árvore,  e transpor a parede de pedra para subir de volta.

Não foi tão simples, e por isso logo surgiu a ideia de levar uma corda da próxima vez. Então chegou o fatídico dia, combinamos de ir para a Cachoeira do Paredão. E por que não aproveitar o horário de verão e ir em um dia de semana mesmo?  Logo após o trabalho, dada a proximidade do lugar, parecia uma ideia tentadora. E vamos levar uma corda? Sim, claro.  Mas no momento só tínhamos um pequeno pedaço corda, muito curto para a finalidade, porém a ânsia de irmos nesta cachoeira era grande, a minha e do meu amigo Vicente, que naquele dia por sinal fazia aniversário.

Após amarrarmos as bikes na margem do rio, seguimos a pé e para descer, como da outra vez, não tivemos maiores dificuldades, mas o tempo era o nosso grande inimigo, mal tomamos banho de cachoeira, tivemos que correr para voltar e aproveitar o resto de luz do sol, mas este caiu rapidamente e a mata fechada já começava a ficar bem escura. A tensão começou a tomar conta do ambiente, meu magro amigo com apenas um pedaço de corda pendurado em um frágil galho de árvore, conseguiu graças a Deus e com dificuldade subir. E ainda por cima havíamos amarrado a corda em um lugar errado,  logo ficou ainda mais escuro, e eu não havia conseguido escalar o obstáculo, assim como não enxergava mais nada ao redor, nem céu, nem chão, só sabia que não podia me mover muito pois era a parede de pedra de uma lado e de outro, um barranco íngreme com densa vegetação.

IMG_20170325_163245972

Então, combinei com o  pirambeiro Vicente de ele sair rápido da mata enquanto enxergava alguma coisa, pois iria escurecer ainda mais e era preciso procurar ajuda. Começou aí uma desesperadora noite para ambos, de uma lado, eu sem poder me mexer muito, pois não enxergava nada e o barranco estava a alguns centímetros de mim, e por outro lado, o Vicente na escuridão e sem conhecer os arredores, estava completamente perdido em um pasto andando a esmo em busca de um sinal para o telefone celular.  Mas chamar quem, quase ninguém conhecia o lugar, e quem conhecia era por trilhas de bike e não de carro. A tarefa não era simples, era necessário achar alguém a disposição naquela hora, que conhecia o caminho e ainda teria que levar uma corda e farol.

Após muito tempo, o sinal do celular apareceu, e foi feito um contato com o nosso outro amigo de pedal, o Fausto, mas que não conhecia a cachoeira e não sabia como chegar. Ele por ventura, fez um ligação para a única que pessoa que poderia ajudar naquele momento, o Luis Eduardo, vulgo Rábico. Porém, ele estava já em em um churrasco. Apesar dos pesares, ele acabou concordando em pegar a corda e ir até local. Após algumas boas horas, ao chegarem lá,  o primeiro problema foi achar a fazenda de carro, pois o caminho de bike era totalmente diferente, e depois, ainda foi preciso conseguir a autorização do proprietário para entrar, o que na verdade, não ocorreu. Ele não queria deixá-los entrar de forma alguma, e após insistência e dada a emergência do caso, meus amigos simplesmente foram em direção ao paredão, e o proprietário acabou por tolerar os indesejados visitantes.

IMG_20170325_162944138_HDR

E eu, que havia saído de casa por volta das 18h, já eram 23h horas da noite e ainda estava lá,  não estava com celular e nenhuma outra coisa que poderia fazer um luzinha sequer para me ajudar na escuridão, a situação do Vicente perdido no pasto e aguardando alguém que poderia ajudar também não era nada fácil, e tinha mais um grande detalhe nesta história. Por ser seu aniversário naquele dia, toda sua família estava a espera dele para um jantar festivo. Que presepada!!!  A sensação minha de estar a noite e sozinho em uma mata fechada por horas, sem ver absolutamente nada, e sem poder me mexer muito, foi horrível.  Nessas horas passa de tudo na cabeça, pensava na minha esposa, que estava sem saber por onde eu andava, também foram momentos de desesperadas orações para sair daquela situação. Eu imaginava que poderia ter que passar a noite inteira ali, e que algum animal carnívoro ou peçonhento poderia aproveitar de que eu estava indefeso, eu temia acabar dormindo e ser atacado, foram horas de infinita angustia, mas também de esperança.

Foi então que comecei a avistar uma luz de longe,  que foi se aproximando aos poucos, minha alma encheu de alegria,  enfim chegaram os meus amigos com uma corda grande e um farol, era tudo o que eu precisava naquele momento, enfim salvo. Depois, ainda faltava achar no escuro o lugar em que havíamos deixado as bikes, para então retornar as nossas casas tarde da noite.

Infelizmente, demos trabalho a esses amigos salvadores, incomodamos o pessoal da Fazenda, deixamos preocupados os familiares e ainda por cima, estragamos o aniversário do Vicente. Mas foi uma experiência e tanta, que jamais esquecerei, e que agradeço de não ter passado a madrugada naquela situação, pois já dava como certo virar o dia lá sem poder me mexer e lutando contra o sono.

Mas como o lugar é incrível, voltar lá  durante o dia e bem preparado não seria problema, então fomos até lá em um outro dia, descemos até a cachoeira, mas na volta, eu fui o único do grupo que não conseguia subir. Mesmo com corda, eu chegava até uma certa altura e eu desabava no chão, foram 4 tentativas sem sucesso, já próximo de escurecer, o desespero bateu forte novamente, mas ainda bem, que na última tentativa fui bem sucedido. UFA!!!

Depois de anos dessas ocorrências, resolvi topar voltar lá,  e desta vez fomos recepcionados por dezenas de aranhas, muitas de respeito, mas apesar de muitas teias pelo caminho, estas não nos impediram de seguir em frente. E para minha felicidade, agora existe uma corda dupla para chegar com segurança até o ponto em que começa a descer o paredão e ainda por cima, tem uma escada para descer tranquilamente a parede de pedra e seguir para a cachoeira. Assim ficou muito fácil o acesso, não é? É claro, agora é bem sossegado chegar até lá. Mas não para mim, que ao olhar para aquela lugar, um turbilhão de lembranças veio a mente e como um bloqueio psicológico irracional surgiu, preferi não seguir em frente, não descer até a bela cachoeira e aguardar meus amigos na parte de cima.

DSC05821

Pra ver como o cérebro é  complexo, quando fui da primeira vez, não havia corda alguma e nem escada,  fui e voltei até que de boa. Após os ocorridos, mesmo que o acesso hoje esteja bem facilitado, existe um obstáculo mental que me impediu de chegar até em baixo da cachoeira do paredão, uma prova de como é complicada a mente humana e que o racional e o emocional nem sempre falam a mesma língua.

 

Rudi Arena

 

 

 

 

 

 

 

Cachoeiras da Enseada (Inédita)

 

A busca por novas cachoeira é incessante,  e não é que conhecemos mais uma nova cachoeira, ou melhor cachoeiras, um lugar de natureza privilegiada. O  interessante é que a cachoeira é  próxima a cidade e o acesso não é tão difícil, embora não dê para levar a bicicleta até o final, mas ao menos na primeira cachoeira é tranquilo chegar, e ela tem um bom e pequeno poço para banho.

VID_20170218_164423730

Já o acesso a segunda cachoeira é um pouco mais complicado, é preciso seguir uma trilha paralela ao curso d´água e descer por lugares bem íngremes, o que dificulta, mas não impede chegar até ela, que por sinal é bem mais alta e bela do que a primeira. A água parece ser limpa e sempre está gelada, a mata ciliar  é bem preservada, este é mais um belo patrimônio natural de Garça que encontra-se a poucos quilômetros da cidade, o que demonstra a infinidade de possibilidades e lugares com potencial para ecoturismo que o município desfruta e que um dia há de ser explorado de forma sustentável, tanto ambientalmente, como  economicamente, pois só pode dar certo se ambas as coisas andarem lado a lado.

DSC04370

Um detalhe interessante foi a ossada de um animal que encontramos no local, parece ser um bicho  com presas afiadas, mas não chegamos em um acordo acerca de qual animal é este? O mistério continua, mas é uma prova da existência da diversidade da fauna de nossa região.

DSC04352

IMG_20170218_164400904

DSC04374

E esta planta, com estes belos frutos, qual seria?

É, temos uma fauna e uma flora fantástica, e isto deve ser motivo de orgulho, apesar de todas as adversidades pelo qual o meio ambiente passa, aqui e Brasil afora.

Rudi Arena

 

Cachoeira Duas Quedas

Surgiu um abençoado convite para conhecer um lugar em que há duas cachoeiras uma ao lado da outra, impossível resistir. Após anos a procura cachoeiras na região para catalogar, ainda não conhecia e nem ao menos sabia de sua existência. Apesar das dezenas de cachoeiras já registradas, ainda não chegamos nem próximo da metade delas, por isso, sempre existe em um lugar meio escondido, alguma cachoeira ainda inexplorada para se conhecer. Mas está não é uma cachoeira qualquer, para começar são duas, ambas belas e altas e uma próxima da outra, o que diferencia de todas as outras que o Piramba já foi, pois não há um outro lugar em que dois afluentes distintos se encontram através de duas grandes cachoeiras e após a confluência de ambas, passam a ser um único curso d´água.

 

DSC04177

A cachoeira está localizada na Fazenda Santa Julia, Estrada da 09 de Julho, no trecho entre o distrito de  Jafa (Garça-SP) e Vera Cruz-SP, é um pouco distante da cidade de Garça. O caminho para se chegar lá também não foi dos mais simples, é preciso seguir por um bom tempo andando em meio a água e pedras do leito do riacho, até enfim chegar na tão esperada cachoeira, ou melhor, nas cachoeiras. O pequeno esforço foi mínimo, se comparado a recompensa que recebemos depois,  pois é um lugar muito especial,  diferente, único na região, e incrivelmente belo.

 

 

DSC04129

DSC04120

E  essa grande oportunidade de conhecer mais essa belíssima cachoeira foi graças ao “Cumpadi” Marinho Zapata,ele que sabia o caminho e nos levou até esse fascinante local, por isso fica registrado meu sincero agradecimento a ele, que conhece muitas cachoeiras e picos da região por causa das muitas trilhas de motos que já fez por aí.

Rudi Arena

MAH04131

Cachoeira do Cantu e Mata da Igurê

Screenshot_2016-08-25-20-19-02

Screenshot_2016-08-25-20-19-15

Clima frio não é propício para um pedal com cachoeira, certo? Para nós do Piramba MTB está errado, cachoeira é sempre a cereja do bolo, independentemente da temperatura . Pedal com duas cachoeira não tem como não ser bom, e ainda com amigos reunidos, conversas divertidas e belas paisagens ao redor. Apesar da baixa quilometragem, o mergulho pirambeira adentro é grande, o que proporciona os melhores momentos.

Começamos pela já famosa, e sempre fascinante trilha da mata da Fazenda Igurê, o que é um privilégio para os ciclistas de Garça e região, pois é impossível não curtir um pedal em meio à pura mata atlântica e os sons dos passarinho que ali habitam e fazem uma trilha sonora perfeita. A trilha também tem muitas artimanhas e obstáculos, é preciso atenção, tem descidas acentuadas, curvas, troncos no chão, cipós que enroscam podem enroscar o pescoço, e muitos arranha gatos pelo caminho. O caminho nunca é igual, sempre tem alguma coisa que mudou porque a natureza é viva e está sempre a se transformar, por isso esconde entre seus encantos também muitos perigos. Mas como é gotoso andar nesta mata, a adrenalina é grande quando se anda rápido ali, e é preciso todos os sentidos entrem em estado de alerta, pois uma só bobeada pode acabar dolorosa.

Logo mais, seguimos para um dos lugares mais bonitos de Garça, a Cachoeira do Cantu que é sem dúvida alguma é um ótimo colírio para os olhos, suas águas transparentes que parecem descer pelas pedras por todos os lado é um convite e tanto para entrar em sua água sempre fria, mas que neste dia estava extremamente gelada, depois que entra também, a sensação é renovar as energias. Importante observar, que para ir nesta cachoeira é preciso uma prévia autorização do proprietário da fazenda.

Mas esse ainda não era o final do pedal, seguimos ainda até a Cachoeira da Igurê, mas infelizmente, naquele dia a água não parecia muito própria para banho, o que tem sido cada vez mais frequente neste local, uma pena, pois um lugar tão especial, vira e mexe, aparece muito sujo, tanto a água como a areia.

DSC02377

DSC02380

DSC02402

DSC02344

DSC02442

DSC02468

Lucianópolis pela Companhia Inglesa 80km

MAH03071

Screenshot_2016-07-31-14-06-43

Screenshot_2016-07-31-14-07-00

Screenshot_2016-07-31-14-07-32

Desde que havíamos ido ao município de Fernão pela estrada de terra que passa pela Igreja da Companhia Inglesa e nos deparamos com uma trifurcação pelo caminho, à esquerda Fernão, à direita Ubirajara e se seguíamos em frente Lucianópolis. Então, vira e mexe era cogitada a ideia de ir pela primeira vez até lá para conhecer a cidade e suas redondezas.

Em uma tarde em que estávamos animados para andar os 80 km propostos, seguimos em direção a este pequeno município, mas pela terra, e como é só pegar estradão e mandar bala, não demorou muito para chegar em Lucianópolis. Chegamos antes mesmo do que o previsto, e visitamos uma bela praça com uma simpática igreja e aproveitamos também para descansar um pouco e tomar algo em um bar ali próximo.

Na volta, para não ter que fazer o mesmo caminho da ida, resolvemos seguir por Fernão-SP, Gália-SP, até chegarmos novamente em Garça, com sentimento de dever cumprido. É um pedal que flui bem, o tempo rende e muito bom pra dar condicionamento, e apesar da quilometragem de 80 km que a princípio pode parecer bastante, não é tão desgastante como muitas trilhas cujos quilometro rodados não chegam nem perto disso.

DSC03079

DSC03096

DSC03111

DSC03107

DSC03123

DSC03121

DSC03149

MAH03128

Desafio em Timburi-SP

Até tomar conhecimento deste desafio no município de Timburi-SP, nem ao menos sabia de sua existência e muito menos de suas exuberantes belezas, sua topografia repleta de montanhas das mais diversas formas e a abundância de água são grandes atrativos. Este pequeno município com menos de três mil habitantes, pertence a microrregião de Ourinhos e faz divisa com Piraju, Fartura, Chavantes, entre outros.
Screenshot_2016-05-08-19-39-09

Screenshot_2016-05-08-19-37-58
São muitos os seus encantos, fiquei sabendo e vi por uma foto de uma bela cachoeira que infelizmente não deu tempo para conhecer, mas chama muito a atenção as águas azuis que banha o local e o revelo acidentado em seu entorno, é realmente uma paisagem fascinante. São as limpas águas do Rio Paranapanema represadas pela Usina Hidrelétrica de Chavantes, na divisa entre Paranã e São Paulo que também passa por Timburi.
DSC01912
DSC01934
DSC01938
Este desafio foi organizado pelo Marcos Trilha e contou com mais de 200 ciclistas das mais diversas cidades, das mais variadas idades, todos recebidos com um bom café da manhã, para em seguir escolher entre dois percursos, o light (25 km) ou o Hard (45 km). Optamos pelo último, a quilometragem não parecia ser muito assustadora, entretanto, as acentuadas subidas e considerado ganho de elevação ao longo do pedal, mais uma vez demonstra que os quilômetros percorrido é uma medida que não mensura o esforço despendido pelo ciclista. Este é um bom caso, pois em 45 km houve um ganho de elevação de 1.164 metros, quando é comum andar 70 km e ainda assim ficar longe desta marca.
DSC01945
DSC01967
DSC01986
Apesar do forte sol do meio dia que pegamos, os 06 pontos de hidratação com água e frutas a vontade, foi algo que veio bem a calhar, pois, realmente é um pedal que exige bastante do ciclista. Porém, da forma como este desafio foi organizado, acabou sendo um ótimo pedal e bastante gratificante, mérito da organização, que por um preço justo realizou um excelente evento que não deixou espaço para qualquer crítica. Havia também um carro de apoio, para quem desistisse por algum motivo, seja por problemas físicos ou mecânicos na bike, mas ainda bem não precisamos recorrer a ele, embora um amigo tenha sofrido uma queda e algumas escoriações, nada que tenha impedido ele de terminar este pedal que com certeza deixou um gostinho de quero mais em todos participou do evento.

Acabou que foi também uma ótima oportunidade para conhecer um lugar diferente e ainda por cima fazer amizades. Recomendadíssimo este Desafio, compensou a viagem, o valor da justo da inscrição, ter que acordar de madrugada e tudo mais, no próximo que houver, com certeza, estarei lá novamente.
DSC02006
DSC01963

Todas as fotos em:
Álbum de Fotos – Desafio em Timburi-SP

Pontilhão do Rio Feio em Pirajuí-SP

O Rio Aguapeí, e popularmente conhecido como Rio Feio, nasce em Gália, próximo a Rodovia SP-294, seu principal afluente é o Rio Tibiriçá, que por sinal, também nasce em nossa região. Ele é um dos rios de maior extensão do Estado de São Paulo são aproximadamente 420 km até desaguar no Rio Paraná. Em todo seu percurso, corre aproximadamente paralelo ao Rio Tietê, que se localiza ao norte.

Neste dia, imagine uma estrada com areia, mas muita mesmo, como havia uma uma semana sem chuva, o areião no caminho era certeiro, acredito que esta seja a estrada com o pior areião da região, e logo atrás vem as estradas da 09 de Julho e Corredeira que também possuem uma camada de areia bem considerável. Por isto, cada quilometro pedalado pareça ser o dobro, a bicicleta perde a tração, e é preciso muita força e técnica para permanecer pedalando, mesmo assim, há trechos que fica quase impossível não descer da bike e seguir empurrando. Recomendo este pedal, mas é preferível ir depois de uma chuva, caso contrário, é sofrimento na certa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No total, são aproximadamente 70 km de ida e volta até o pontilhão do Rio Feio, o acesso é pela estrada do Bairro São José. Um pouco antes de chegar ao rio, tem início um trecho de serra, com descidas bem acentuadas e belas paisagens ao redor, um prato cheio para quem gosta da adrenalina e também de contemplar a natureza. Na volta, nos deparamos com uma bela e intrigante espécie de aranha que estava imóvel, porém, parecia estar em estado de ataque ou defesa, pois duas de suas patas dianteiras estavam levantadas de forma ameaçadora.

Seguimos em frente, de noite, e com algumas baixas pelo caminho, alguns por razões de condições físicas ou por problemas com a bicicleta, acabaram aderindo ao carro de apoio que acabou sendo providencial. Chegar em Garça, parecia seu um grande troféu para quem quem continuava a pedalar, o cansaço era evidente após dezenas de quilomêtros percorridos e e de encarado muito areião pelo caminho, eu mesmo pensei em desistir por um momento, quando câimbras ameaçaram atacar minha perna. Apesar das dificuldades, ainda chegamos em 05 ciclistas ao final, tomar um banho, alimentar-se e descansar era tudo que queríamos naquele momento.

Screenshot_2016-01-16-21-44-00

Screenshot_2016-03-10-18-28-59

Trata-se do lugar mais isolado de nossa região, são raros os carros que passam por ali, não há nenhuma venda pelo caminho, e nem casas próximas à estrada. Chama a atenção também como muda a agricultura estabelecida nesta parte rural, há grandes plantações de laranjais por toda parte, o que mostra que a produção agrícola de Garça e região não vive apenas do café, além da laranja, também existem outras plantações, como de macadâmia, seringueiras, eucaliptos, árvores frutíferas, até mesmo de palmito pupunha, entre outras, o que mostra a diversidade do meio rural que muitos moradores da cidade ainda não tomaram conhecimento.

Rudi Arena

Cachoeira da Hípica e a Infestação de Aranhas (Inédita)

Foi com grande prazer que conhecemos uma nova e bela cachoeira em Garça, e como esta terra é fecunda em belezas naturais, não é de se estranhar mais esse achado, e muitas outras existem nas redondezas ainda a espera de ser explorada e registrada.

Esta cachoeira é relativamente próximo a cidade, fica localizada dentro da propriedade da antiga hípica, mas do lado esquerdo da pista, o acesso foi pela estrada do saltinho que leva ao município de Gália, mas bem no início dela é preciso entrar a direita e percorrer um caminho ladeado de plantação de mogno que até parece ser um labirinto repleto de subidas, descidas e curvas.

Enfim, chegamos a espera e inédita cachoeira, apesar de não ser muito alta, por volta de 4 metros de altitude, é muito boa para banhar-se, a água limpa e com bom volume, ainda há um poço amplo e raso em volta da queda. É mais um pedacinho da exuberante natureza garcense, escondida como tantas outras, apesar de próximo a cidade.

No entanto, o desafio neste dia nem foi chegar até a cachoeira, mas sim continuar pedalando conforme o programado logo após sair dela. Como foi um pedal pós trampo, o sol se pôs e uma verdadeira infestação de aranhas se fez presente e tomou conta dos arredores, para todos os lados e caminhos haviam teias enormes com dezenas de aranhas estavam espalhadas e construindo espécies de paredes de teias quase intransponíveis. O ruim, é após passar por algumas teias, uma próxima a outra, chegamos a conclusão de voltar pelo mesmo caminho seria a melhor opção naquele momento. No vídeo abaixo é possível perceber o motivo da desistência, é porque a situação estava complicada mesmo.

Rudi Arena

Acesse este link para ver o vídeo das aranhas e a dificuldade de seguir em frente com as bikes frente a tantas teias pelo caminho

20130423034835

Trilha do Urubu e Descida pela Fazenda Antinhas – Garça-Sp

Pedal com todos os ingredientes de uma verdadeira trilha de mountain bike, tem um pico de uma cachoeira bem alta e com visual fascinante, subindo ainda o curso da água, também há um belo e amplo poço, lugar ótimo para tomar uma banho e relaxar um pouco.

Depois, não tem muito refresco, é pedalar firme na maior parte em chão de pasto que obriga o ciclista a gastar mais energia para pedalar, ainda bem em compensação, boa parte da trilha é repleta de belas paisagens de serra, com paredões e vales.

Um dos trechos mais aguardados é a descida ao fundo do vale pela Fazenda Antinhas, em terreno acidentado, a íngreme descida é campo fértil para eventuais tombos, e foi o que ocorreu. Em seguida, é preciso seguir andando pela grama e atravessar alguns brejos até enfim pular uma cerca para chegar quase no final em uma estrada de terra.

Daí em diante, força, coragem e ânimo, pois é subida que não acaba mais até finalmente voltar para a estrada de asfalto que leva para Itiratupã, Distrito de Jafa no município de Garça-SP. Total do Percurso foram 44 Km rodados, mas a sensação foi de que havia sido mais do que isto.

Rudi Arena

Descida – Fazenda Cachoeiras de São Pedro – Garça-SP

Esta é uma verdadeira trilha de Mountain Bike, é farta em pirambeiras e paisagens de tirar o chapéu, mas a cereja do bolo é a descida excessivamente inclinada e o terreno também não facilita, então o grande desafio é descer montado na bike a descida inteira.

Tarefa esta dificílima, é preciso muita técnica e concentração e todo cuidado é pouco, sempre que vai lá alguém cai, já foram ao menos 5 tombos, desta vez não foi diferente.

Como tudo que desce uma hora tem que subir, é de se prever que a subida será bruta como a descida, e parece ser ainda mais inclinada e um terreno acidentado de pedra faz com que na maior parte só seja possível subir empurrando a magrela. Rolê curto, mas bem cansativo.

Capote do Bororo – Faz. Antinhas – Itiratupã – Garça-SP

No fundo de um belo vale na direção do bairro rural de Itiratupã, ocorreu um tombo de bicicleta com nosso amigo de pedal Bororo. Ele, ao encarar uma desafiadora descida, bastante íngreme e acidentada, acabou sofrendo uma forte queda.

Felizmente, apesar de alguns ralados e hematomas no corpo, nada de muito sério aconteceu. Na hora da queda foi um grande susto, mas por outro lado, ao ver que ele levantou  rapidamente do chão e já dando risada, foi um grande alívio. Por isso, não é demais lembrar da importância do uso de capacete.

Rudi Arena

Cachoeira da União – Pico do Tucanos – Torres

Pedalar por esta trilha é sempre gratificante,  pois é  a certeza de que encontrará belas paisagens da serra que existe ao lado direito da Estrada da Bomba e também pode contar um refrescante de banho de cachoeira. Neste dia, no meio da pirambeira o “S” ou câmbio traseiro da bike do nosso amigo Fabiano quebrou de forma que não tinha recuperação alguma, o momento foi de tensão, voltar a pé seria uma tarefa muito árdua, não teria como pedir socorro de alguém de carro, pois só havia pasto, vales e trio de boi a nossa volta e voltar a pé carregando a bicicleta depois de tudo que já havíamos descido não seria nada fácil.

No fim, a solução encontrada foi a de amarrar o “S” com borracha de câmera de bicicleta e cortar vários gomos da corrente de modo que deixasse em uma marcha só e sem a necessidade do câmbio traseiro. E não é que deu certo, graças ao bom trabalho do pirambeiro Rafael que estava com sua chave de corrente de prontidão. Depois de superado este nem tão pequeno contratempo, seguimos em frente até chegar ao Córrego do Barreiro e subimos  o íngreme e cansativo morro para voltar à Garça pelas antenas e a estrada do Jardim Adrianita.

São 26 Km de trilha,  mas a sensação ao final do pedal é de que foi mais, pois é um pouco cansativo também percorrer um terreno difícil de andar de bike, com alguns obstáculos no caminho, como mato no meio do trio de boi ou este tão fundo e estreito que não é possível pedalar, mas isso é também o que deixa o pedal ainda mais gostoso, pois se só houver facilidades, perde-se um pouco a graça do negócio. Trilha mais que recomendada,  é super legal para pedalar e contemplar a natureza exuberante que existe no entorno do perímetro urbano, e que a maioria esmagadora dos habitantes da cidade, infelizmente,  não a conhece.

Rudi Arena

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cachoeira do Cantu

 

Simplesmente a cachoeira mais encantadora de Garça e região, é água que cai por todos os lados e ainda há um belo poço para banhar-se. Fantástica.

 

Bomba X Torres X Igurê

Descer de bicicleta a Estrada da Bomba (adutora B1) é certeza de adrenalina que aumenta na medida de sua velocidade,  a descida mais íngreme da região, juntamente com a descida de Jafa para estrada 09 de Julho, as bikes podem atingir mais de 60 km o que acaba sendo perigoso, o terreno é acidentado e uma queda pode arrebentar com o ciclista.

Já próximo ao final dela, chega-se na ponte de madeira do córrego do barreiro, seguimos mais um pouco e então subimos um morro em que é impossível pedalar na maior parte do tempo, há uma trilha de pedra muito boa de fazer descendo, mas subindo é bruta demais.

Depois disso, é só sair na direção da estrada de terra que existe próxima as torres da estrada de terra da Adrianita, ao invés de pegarmos esta, preferimos atravessar a rodovia SP-294. Voltamos pela trilha da Igurê paralela a pista, para em seguida ir em direção Terreirão de café da fazenda, o que deu um brinde a mais ao final deste pedal que mistura fortes descidas, subidas idem, visual bonito e vário tipos de terreno.

Trilha de pouca quilometragem (26 km), mas ótima para sentir o doce gosto que a prática do mountain bike pode proporcionar, sem negligenciar é claro suas pitadas de intensidade e momentos de leve amargor.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Rudi Arena