Você conhece a cachoeira da união?

Você conhece a cachoeira da união? Fica na cidade de Garça! Venha conferir todas as nossas cachoeiras!Turismo em Garça.
Nossa amigo Tom conseguiu sobrevoar a cachoeira e nos deu de presente essas cenas.
#Cachoeira #União #Waterfall #Aventura #Drone #Fly #Nature #Garça#Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil #Marília #Bauru#Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

 

Conheça a Cachoeira do Carcará!!

Conheça a Cachoeira do Carcará vista de cima!!!

É apenas uma das centenas de cachoeiras de Garça-SP, próxima a cidade, fica entre o bairro São Lucas e o Aeroporto do município.

Imagens gentilmente cedidas por Antônio Brandão

#Cachoeira #Pneu #União #Waterfall #Carcara #Aventura #Drone #Fly#Nature #Garça #Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil#Marília #Bauru #Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

Cachoeira do Pneu ou Stand

Conhece a Cachoeira do Pneu? Você pode ter ouvido fala então na cachoeira do Stand?
Nosso amigo Antônio Brandão nos proporcionando essas belas imagens!!

#Cachoeira #Pneu #União #Waterfall #Aventura #Drone #Fly #Nature #Garça #Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil #Marília #Bauru #Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

Um Espetáculo de Biguás na Represa da Fazenda Igurê – Garça/SP

Em uma trilha recente de Mountain Bike  passamos por uma das belas represas da Fazenda Igurê em Garça-SP, foi então que eu e um amigo nos deparamos com uma cena que chamou a nossa atenção. Era uma grande reunião de biguás como nunca tinha visto na minha vida, eram dezenas deles, uns nadavam, outros em terra firme pareciam se secar, e muitos ainda voavam, um verdadeiro show para quem aprecia a fauna brasileira. Eu sabia que chamava-se biguá, mas achava que era um tipo de pato silvestre, mas estava enganado, embora parecido com os patos, não são patos.

Diferentemente destes, os biguás encharcam suas penas para ficar mais pesado e ajudar a mergulhar fundo, como é hábito desta espécie. Já os patos possuem uma artimanha para não se molhar, isso o ajuda a boiar na água com mais facilidade, pois eles possuem uma glândula em suas caudas que produzem um óleo que cobre suas penas e assim as tornam impermeáveis. No entanto, ambos animais, andam, voam e nadam com certa eficiência, o que é raro na natureza. É preciso reconhecer suas habilidades. Nós humanos quando muito andamos e nadamos bem. Sim, existem até alguns que tentam voar, mas não com o mesmo êxito das aves. Sem dúvidas, estamos muito longe dos patos ou do biguá nesta questão.

Como podem perceber, os patos preferem a superfície das águas, e os biguás já são ótimos mergulhadores. Também os patos se alimentam preferencialmente de fontes vegetais e pequenos seres vivos, e por outro lado as aves mergulhadoras tem como base de sua dieta animais vivos. Existe uma certa confusão no Brasil entre os Biguás e o pato mergulhão, só que este é muito raro, pois é sensível as alterações climáticas e ambientais e por isso está ameaçado de extinção.

A vasta Fazenda Igurê cujas suas extensas terras estendem aos municípios de Garça e Gália possui muitas represas, aproximadamente quatro em suas proximidades,  e em uma delas em especial a que é mostrada no vídeo, é muito comum ver capivaras, foram muitas as ocorrências, de dia e de noite. Mas desta vez, foram os biguás que deram o ar da graça, mas não foram só eles. Na mesma cena ainda tinha dois gaviões carcarás em a beira da represa, e uma garça branca mais ao fundo, o que  demonstra a diversidade do ecossistema local que é propício para o desenvolvimento dos animais. Além da água, são muitos os bichos por ali, como peixes, aves e mamíferos diversos. Isso denota a riqueza da fauna que existe a nossa volta, e também a possibilidade de existir animais que estão no topo da cadeia alimentar da mata atlântica, uma vez que tem comida para os grandes felinos.

Rudi Arena

O Biguá

O biguá (Nannopterum brasilianus) é uma ave suliforme, parente do pelicano e da família Phalacrocoracidae.

Ave aquática, mergulha em busca de peixes e permanece um bom tempo debaixo d’água, indo aparecer de novo bem lá na frente, mostrando apenas o pescoço para fora d’água. Para facilitar seus mergulhos, suas penas ficam completamente encharcadas, eliminando o ar que fica entre elas. Para secá-las é comum vê-lo pousado com as asas abertas ao vento. Quase sempre visto em grandes bandos voando próximo d’água, em formação em “V”. Quando voa se assemelha a patos, sendo às vezes considerado como tal, equivocadamente.

Alimenta-se de peixes e crustáceos. Para capturar sua presa, mergulha a partir da superfície da água e, submerso, persegue-a. Os pés e o bico possuem função primordial na perseguição e captura. Um exímio mergulhador, não se contenta com os peixes da superfície. Mergulha mar abaixo e em meio a ziguezagues e viravoltas, conseguindo capturar sua presa. Come também girinos, sapos, rãs e insetos aquáticos.

Sua distribuição geográfica estende-se do sudeste do Arizona (EUA) até a América do Sul.

Fora da época de reprodução, é geralmente solitário. Vive até os 12 anos em estado selvagem.

 

DSC08753

Estrada do Horto Florestal, Roseta e Subida da Minalba (Campos do Jordão-SP divisa com Minas Gerais)

A Cidade e suas Peculiaridades

Em Campos do Jordão, parece até que não estamos no Estado de São Paulo, o clima é de um frio diferenciado, a mais gelada do estado indiscutivelmente. E chegamos ainda em um dia que tinha tido geada, a temperatura era muito baixa, típica do alto da Serra da Mantiqueira. Além do terreno montanhoso, o que mais chama a atenção de que realmente é um lugar diferente, o tipo de vegetação ali existente, são as muitas araucárias,  bem como diversos tipos de pinheiros. E também tem outras plantas e árvores que se adaptam melhor a um clima mais frio, e que não é comum de se ver no restante do Estado. Não é só, também a educação, a cultura, a arquitetura, os hábitos e os alimentos, não são muito típicos do estado paulista. Lá, o normal é o motorista parar na faixa de pedestre, as vestimentas das pessoas são próprias para um clima frio, nos restaurantes e em outros estabelecimentos comerciais é comum ver lareiras em seu interior para atrair visitantes.

Muitas casas possuem o telhado em forma de um V invertido que serviria para facilitar os cuidados com a neve, como se isso fosse um problema comum da região, mas não é. Embora se pode falar que é impossível nevar em Campos do Jordão, seu fenômeno é bastante improvável,  ainda assim, a arquitetura reproduz muito as características urbana européia.

Existem sim registros de uma forte e longa nevasca, no ano de 1928, e com acúmulo de neve de 20 cm que trouxe muitos transtornos a população local. Mas desde então, tal fenômeno da natureza passou a ser cada vez mais raro, a expansão da malha urbana, a derrubada de mata nativa, o aquecimento das temperaturas nos últimos tempos fez com que o clima mudasse muito. Antigamente, na Campos do Jordão de 1951 chegou a ter mais de 20 mil pés de maçã, só que atualmente o clima está muito quente para esta cultura. Este município é um caso típico e bem registrado das consequências do aumento da temperatura no globo terrestre.

Mesmo assim o clima diferente chama bastante atenção também na questão da alimentação, além de ser muito popular o consumo do pinhão, é figura carimbada na cidade o prato a base da Truta, um peixe primo do salmão conhecido por gostar de águas frias e que lá encontrou um bom ambiente para o desenvolvimento de sua criação. Assim como, a produção de frutas vermelhas, como framboesa, mirtilo, blueberry e morango também encontraram terreno propício para se estabelecer no local, e tem grande destaque na gastronomia do lugar. São muitos os quitutes a disposição com frutas vermelhas frescas e colhida ali mesmo, o que não é nada comum no restante do estado de São Paulo.  A impressão que dá é que estamos em um estado do sul do país ou então em um simulacro tupiniquim de um pedaço do velho mundo. É muito interessante este contraste com as demais cidades paulistas.

O Pedal 

O pedal mais pesado ficou para o primeiro dia em Campos do Jordão, a quilometragem não era o problema, mas sim as íngremes subidas que viria pela frente. A saída foi da cidade de Campos do Jordão em direção a linda estrada do Horto Florestal , que é um Parque Estadual e uma atração turística. É altamente recomendável conhecer este caminho em meio a mata dos dois lados e uma estrada meio estreita, mas que passa carros de passeios. São muitas araucárias ao lado e também muitos  pinhões pelo chão. No trajeto, o que chama bastante a atenção é o Bosque Vermelho, embora não seja muito grande o contraste do vermelho com o verde ao redor.

Ao final desta estrada seguimos em direção a divisa entre os estados de São Paulo e Minas Gerais com destino a cidade de Wenceslau Bráz-MG, mas especificamente o distrito de Roseta (antigo Itererê) que fica a longe 11 km daquela cidade. Um lugar muito bonito e pacato. E a volta foi por outro caminho, conhecido também como a subida da  Minalba,  já mais ao final do pedal, e embora seja de asfalto é muito longa e com grau de inclinação bastante acentuado.

Imagina um pedal que quebra o caboclo no meio, os 67 km fala pouco da dificuldade do pedal, mas os 2.440 metros de ganho de elevação explica um pouco. A mudança de altitude também é brusca neste pedal, há um momento que se alcança mais de 1.800 metros de altitude e após longas e alucinantes descidas chega-se a menos de 1.000 metros. Mas logo que termina a descida, começam as fortes e inacabáveis subidas. Eu mesmo, fui um que acabei ficando pelo caminho a 10 km do final, após dores nas costas, acabei que não enfrentei a bruta subida de asfalto antes de chegar na cidade de Campos do Jordão, mas ainda bem que a melhor parte já tinha sido feita, e como não sou muito fã de asfalto e nem de subida, até que não foi de todo mal.

O mais difícil tinha ficado para o final mesmo, e apesar de chegarmos bem cansados, com fome e frio, acabou sendo um pedal fantástico, com belas paisagens, e com elementos que agrada a todos os praticante de mountain bike. Tanto para quem gosta de decidas ou subidas, ou para quem quer curtir um horizonte para lá de privilegiado. Por tudo isso, não tem como não ter gostado e não ter valido a pena este dia.

Rudi Arena

 

DSC08142

DSC08153

DSC08175

DSC08162

DSC08203

Vale da Lua em San Pedro de Atacama (Chile)

 

San Pedro de Atacama é um destino turístico recente, mas muito badalado atualmente, com um bom fluxo de turistas brasileiros. Situada no deserto de Atacama, Chile, fica ao pé da Cordilheira dos Andes, com altitude de 2400 metros de altitude, porém distante apenas 25 kilometros rumo leste, a média da altitude muda para um patamar acima de 4000 metros .

IMG-20180503-WA0028

Vários passeios podem ser realizados nas imediações da cidade, a paisagem desértica possui muitas variações, como lagos, vulcões, cavernas, salares, gêisers, águas termais, porém um dos passeios mais legais é andar de bicicleta pelas trilhas no deserto. Você decide o trajeto, escolhe o seu roteiro, mas não se esqueça que a umidade relativa do ar é baixíssima e quanto mais ao leste a altitude aumenta, e sua fadiga também.

Várias são as opções de aluguel de bikes, mas elas são praticamente todas de um modelo, TREK, com amortecedor dianteiro. O custo é de 3000 mil pesos chilenos (18 reais no câmbio de San Pedro), com freios hidráulicos o custo aumenta em 500 pesos, por um período de 6 hs. Escolhi uma loja onde eu havia visto o dono revisando e dando manutenção nas bikes. Neste aluguel estão incluídos o kit reparo de pneu, câmara, espátulas, bomba, e remendos, mais um colete e capacete.

IMG-20180503-WA0035

O Vale da Lua é o roteiro mais indicado para pedalar no primeiro dia, altitude de 2500 mts e com 45 km no total. Mas um pulinho a fronteira Boliviana pode ser legal quando o corpo se adequar mais ao ambiente inóspito, mas deslumbrante.

Trajetos noturnos são igualmente lindos pois o céu é propício a passeios astronômicos, tanto é que omaior complexo de observatórios espaciais do mundo é o A.L.M.A situado em uma cadeia de montanhas próxima da cidade.

Breno Ribeiro Arena

IMG-20180503-WA0031

IMG-20180503-WA0030

IMG-20180503-WA0037

IMG-20180503-WA0033

IMG-20180503-WA0029

IMG-20180503-WA0038

IMG-20180503-WA0034

Cachoeira do Arco (Inédita)

Quando está cada vez mais difícil conhecer novas e belas cachoeiras, surge então esta pérola da natureza.

Logo no começo da trilha,  fomos recepcionados por um bando de Macacos Pregos fazendo algazarra, conseguimos registrar apenas uma foto, pois eles não deixaram a gente se aproximar muito e não ficavam parados,  percorriam os topos das árvores pulando com agilidade, mas logo sumiram de cena. E não foi a primeira vez que encontramos macacos por ali, quando fomos em uma outra cachoeira próxima, também encontramos muitos macacos, sinal de que esta região está bem servida desses primatas, o que denota a riqueza da fauna local.

Embora tenha sido muito legal ter vistos os macacos, nosso objetivo era ir até uma linda cachoeira de águas límpidas. Esta é  mais uma que o Piramba desconhecia até pouco tempo atrás,  mas que é um verdadeiro presente da natureza, pois tem uma peculiaridade que nunca vi em nenhuma outra cachoeira. É que existe uma espécie de arco de pedra em cima da cachoeira pela qual a água percorre antes de cair no chão. É como se fosse de monumento arquitetônico natural, produzido pela força da água em um lento e gradativo processo ao  longo de muito tempo.

A cachoeira está localizada entre os municípios de Garça-SP e Álvaro de Carvalho-SP, também não fica longe de Pirajuí-SP. O acesso até ela não é dos mais fáceis para quem não esta acostumado em fazer trilhas, pois é preciso percorrer a pé um caminho por uma mata e andar pelo curso do ribeirão por um bom trecho. Depois vem a parte mais difícil, que é escalar um trecho bem íngreme se quiser chegar até o arco que fica em cima da cachoeira. Mas compensa todo o esforço.

E a trilha da Cachoeira do Arco ainda tem um outro grande atrativo,  pois é passagem obrigatória  ter que passar pela Cachoeira do Cipó ( ou dos Macacos) e seu majestoso, profundo e refrescante poço de águas cristalinas e tom azulado.

Rudi Arena

 

DSC06776

DSC06792

DSC06869

 

DSC06846

DSC06808

Cachoeira do Nardino

Esta é mais uma cachoeira da região que o Piramba MTB  apresenta, fica aproximadamente 40 km de distância de Garça-SP  e esta localizada entre os municípios de Alvinlândia-SP e Ubirajara-SP.

Uma  das atrações da cachoeira é seu belo poço, a informação que temos é que ele é muito fundo, muitos mergulham, mas é sempre bom alertar que todo cuidado é pouco.

Muitas vidas já se foram ou ficaram marcadas por mergulhos que não acabaram nada bem. Então não podemos deixar nunca que um momento de descontração se transforme em uma tragédia. Cachoeira é sempre um lugar que chama a diversão, mas como em tudo na vida é preciso ter responsabilidade.

 

Uma aula no meio da Pirambeira com Marcelo, Eng. Florestal e Ornitólogo.

A riqueza deste vídeo são os fragmentos de sabedoria e conhecimento compartilhado pelo Engenheiro Florestal, Marcelo Barbosa que sabe tudo da mata atlântica nativa desta região,  sua fauna e flora.

Também é um especialista de sons de aves, entre outros animais, coisa que só aprende-se com o contato diário com a natureza, o que é difícil na correria do dia-dia para a população em geral. Então é só ouvir e aprender com quem sabe.

Agradecimentos: Marcelo R. Barbosa, Engenheiro Florestal – (Florestando)

Um Louva Deus Diferente. Este parece pertencer ao Exército pelo seu uniforme camuflado.

Este é um inseto um pouco diferente do acostumado a ver, trata-se de um Louva Deus ou Cavalinho de Deus como muitos chamam. Seu nome popular decorre do fato de que, quando está pousado, o inseto lembra uma pessoa orando. Mas neste caso ele parece estar com o uniforme de exército, pintado para guerra,  difícil diferenciar entre galhos e tocos, passa despercebido  e assim consegue ser melhor eficaz para apreender suas presas.

O que chamou a nossa atenção neste inseto foi de que não é comum ver essas cores no Louva Deus, geralmente encontramos aquele clássico que é todo verde e se confunde comas as folhas, esse parece  que se adaptou perfeitamente para viver em ambiente de muitos galhos secos em meio a uma enorme floresta de eucaliptos. Esse vídeo foi gravado na fazenda da empresa Duratex na zona rural do município de Gália-SP.

Apesar de este inseto  parecer rezar, é impiedoso com outros insetos, não é herbívoro como os gafanhotos, gostam mesmo de devorar outros seres vivos.

DSC07622

A sua camuflagem é consequência do ambiente em que ele vive, como é um uma floresta de eucaliptos a perder de vista, ele se confunde com o ambiente repleto de pedaços das árvores de eucalipto que possuem a mesma coloração.

O louva-a-deus é um animal muito venerado na China, tendo inclusive estilos de Kung Fu baseados em seus movimentos. ( «History of Praying Mantis Kung Fu»)

São predadores agressivos que caçam principalmente moscas e afídios. A caça é feita em geral de emboscada, facilitada pelas capacidades de camuflagem do louva-a-deus. Como não possuem veneno, os louva-a-deus contam com as suas pernas anteriores que são captatórias, ou seja, modificadas como garras, para segurar a presa enquanto é consumida. A sua voracidade faz com que sejam considerados muito bem vindos pelos amantes da jardinagem e agricultura biológica, uma vez que, na ausência de pesticidas, são um fator importante no controlo de pragas de jardim.  «Pragas de Jardim – Flores e Folhagens»Flores e Folhagens. 24 de julho de 2015.

Rudi Arena

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Louva-a-deus

Piramba em 360 Graus

Estes foram os primeiros vídeos registrados em 360 graus pelo Piramba MTB, mas especificamente o pirambeiro sempre conectado aos novos tempos Vicente Conessa foi quem gravou e disponibilizou o conteúdo.

As cenas foram gravadas na Cachoeira São Matheus e na Cachoeira da Igurê.

Use o mouse para explorar e assistir como bem entender as imagens nesta nova plataforma tecnológica.

Rudi Arena

Poço do Porco e Pico do Urubu

Um pedal rápido, fácil e muito prazeroso, ainda mais em um dia quente. Sem  percorrer grandes quilometragem e nem ter que superar muitas dificuldades pelo percurso, já é possível chegar no Poço do Porco para tomarmos aquele banho de cachoeira de lavar a alma  e espairecer a mente.

Depois, ao seguir um pouco mais do curso d´água já é o Pico do Urubu, um lugar de uma beleza impactante e ótimo para contemplar o belo horizonte a beira de um precipício mortal. Foi uma boa  pedida para um dia de forte calor, e também para reunir os amigos,colocar a conversa em dia e dar boas risadas.

Neste pedal, contamos  com presença de um companheiro de pedal das antigas e que está voltando para a ativa e também tivemos a participação  especial e não programada de um dos um grande ciclista de Garça, a conferir.

Rudi Arena

 

Pedal Bruto: Avaí e Presidente Alves. 110 km de muito Areião e Subidas Íngremes.

 

Pedal com saída da cidade de Garça-SP, passando por Gália, onde tomamos um providencial açaí a beira da Rodovia SP-294, alimento este que nos deu a energia necessária para chegar até o município de Avaí que faz divisa com Bauru-SP.

O município possui quatro aldeias indígenas (Kopenoti, Nimuendaju, Ekeruá e Tereguá), denominada de Terra Indígena Araribá. As suas principais etnias são a Guarani, Terena e Caingangues. Os trabalhos feitos com penas e plumas de pássaros constituem a arte plumária indígena. Alguns índios realizam trabalhos em madeira e de cerâmica.A atual população na Terra Indígena Araribá é de quinhentos e setenta e oito índios.

Na cidade conhecida por abrigar uma reserva indígena, aproveitamos para nos esconder um pouco do sol escaldante e comer alguma coisa de leve para então seguir em frente. De lá, pedalamos por 18 km pela bela estrada de terra do Horto até Presidente Alves, nesta cidade tomamos um generoso copo de caldo de cana, e enfim tomamos o caminho de volta em direção a Garça.

Foram quase 110 km bem desgastantes, quase todo de estrada de terra, com muito areião pelo caminho, o que fez  aumentar ainda mais o esforço despendido. Sem contar ainda que o ganho de elevação total foi de 2.098 m, o que demonstra que foram muitas as subidas bem inclinadas que tivemos que superar pelo percurso.

Mas ao final, tudo deu certo e ninguém ficou pelo caminho, seja por fadiga humana ou por quebra de algum equipamento. É claro que nem tudo são flores. Teve um pneu furado aqui, uma cãimbra ali, e um carreirão por causa de uma vaca desembestada que estava pelo caminho. Tudo isso fez  parte deste inesquecível pedal. Quando chegamos em Garça já de noite, não pudemos deixar de comemorar o pedal bem sucedido com uma pequena confraternização com uma cerveja gelada, afinal a gente merecia relaxar um pouco após um longo e cansativo dia.

Rudi Arena

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ava%C3%AD_(S%C3%A3o_Paulo)

 

DSC07681

DSC07688

DSC07719

DSC07726

DSC07758

DSC07768

DSC07779

Vale do Céu – Serra da Canastra – Minas Gerais

 

A Serra da Canastra é um lugar tão fascinante que até parece que seus encantos são infinitos, assim como na outra viagem para a Canastra, fomos embora com a sensação de que conhecemos só alguns dos muitos atrativos que a Serra da Canastra pode proporcionar. Da primeira vez ficamos em São Roque de Minas e exploramos o parque nacional da Serra da Canastra, desta vez ficamos em São João Batista do Glória, mas em ambas viagens sentimos que faltaram dias para que pudéssemos conhecer ao menos as principais atrações turísticas de cada região. O lugar é de uma riqueza natural abundante, e ainda tem a parte da que fica no município de Delfinópolis que falta para a gente conhecer ainda, que também possui dezenas de cachoeiras e belas paisagens, ou seja, não é possível conhecer os principais atrativos da Canastra em apenas alguns dias, quem dera então ela toda.

Entre tantas opções é preciso escolher alguma, e neste dia resolvemos conhecer o Vale do Céu.  Embora em seu endereço oficialmente pertença ao município de Delfinópolis,  fica bem perto de São João Batista do Glória. A quilometragem não total do pedal não é muito grande, cerca de 54 km ida e volta, a maior dificuldade  foram as longas subidas de acentuada inclinação,  o ganho de altitude é respeitável. Um teste e tanto para nós ciclistas,  só que para todo esforço nesta Serra  tem sempre uma recompensa para lá de satisfatória, e não poderia ter sido diferente neste caso.

O que encontramos foi um lugar com uma super estrutura, que além de ser também pousada, oferece um delicioso almoço aos visitantes que  optarem por não ir embora de barriga vazia. Atrativos não faltam, são várias trilhas, vistas de cair o queixo e belas cachoeiras para tomar banho. O diferencial do local é que a além de tudo isso, ainda possui varias construções voltadas para a arte, cultura e educação ambiental. Também há espaço com redes para descanso, entre outras opções para relaxar.

O valor não é dos mais baratos, mas tem um bom custo benefício, para a visitação apenas das cachoeiras é preciso desembolsar R$40,00 e se quiser almoçar também, são outros $40,00 adicionais. Mas também, aí será possível  desfrutar a vontade de uma comida estilo caseira, simples e muita saborosa, com o gostinho característico da prestigiada cozinha mineira. O difícil foi ter que encarar o pedal da volta depois de uma farta refeição, pois a fome era grande e a comida muito boa,  assim,  controlar a gula não é das tarefas mais simples nessa situação.

Rudi Arena

2017-05-16 00.50.19

DSC06271

DSC06262

DSC06266

DSC06255

DSC06281

DSC06340

P5131376

 

 

P5131367

P5131358

DSC06313

DSC06414

DSC06442

P5131400

Trilha de Sepituba X Bonete – Ilha Bela – SP

Ilhabela é um dos únicos municípios–arquipélagos marinhos brasileiros e é localizado no litoral norte do estado de São Paulo, microrregião de Caraguatatuba. A população aferida pelo IBGE no Censo de 2010 era de 28 196 habitantes, e a área é de 347,5 km², resultando numa densidade demográfica de 81,13 hab/km². A população estimada pelo IBGE para 1 de julho 2015 era de 32 197 habitantes, resultando numa densidade estimada de 92,65 hab/km².[3]

Possui uma das mais acidentadas paisagens da região costeira brasileira, com todas as características de relevo jovem. Com o aspecto geral de um conjunto montanhoso – formado pelo Maciço de São Sebastião e Maciço da Serraria, além da acidentada Península do Boi –, a Ilha de São Sebastião se destaca como um dos acidentes geográficos mais elevados e salientes do litoral paulista, tendo como pontos culminantes o Pico de São Sebastião, com 1379 metros de altitude; o Morro do Papagaio, com 1307 metros; e o Morro da Serraria, com 1285 metros.

Banhado pelo oceano Atlântico, o município está localizado a 135 quilômetros da capital e a 140 quilômetros da divisa com o estado do Rio de Janeiro. Está situada um pouco ao sul do Trópico de Capricórnio, que passa sobre a cidade vizinha de Ubatuba.
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ilhabela

Da Fazenda Gávea até o Dedo de Deus.

Dia 8 de novembro passado, eu e minha esposa completamos 9 anos de casado. Como diria o poeta: “Casamento é ótimo: já fui em vários”. Brincadeiras a parte, resolvemos comemorar essa data passando o final de semana na Fazenda Gávea em Lupércio.

Imagina um lugar lindo. Chegamos na sexta-feira (10/11/2017) no final da tarde e, o plano era pedalar logo no sábado de manhã. O problema era desconhecer o local, mas, com a ajuda do Google Maps reparei que não estávamos longe do Distrito de Nova Columbia (aproximadamente 18 quilômetros). Aqui no Piramba, outros integrantes já foram até o Dedo de Deus, também conhecido como Torre de Pedra. (confira aqui essa aventura). É uma formação rochosa muito curiosa. Decidido o local, no sábado de manhã deliciamos o café da manhã e partimos para o pedal.

Saímos por volta das 9 da manhã e o sol castigou bastante, mas chegamos ao Dedo de Deus por volta das 11 horas. Descansamos um pouco admirando a Torre de Pedra. Chegamos a Fazenda por volta das 13 horas e pudemos aproveitar um delicioso almoço e uma cerveja bem gelada na piscina. Nada mal.

Dia seguinte, já descansados fomos conhecer as diversas cachoeiras da Fazenda Gávea. Para os apaixonados pelas belezas naturais, como nós pirambeiros, as cachoeiras são um verdadeiro paraíso. Uma diferente da outra, com diferentes tamanhos, água limpa e abundante.

Enfim, esse final de semana sem dúvida recarregou as baterias para mais 90 anos de matrimônio. Mistura perfeita de Piramba, bike e amor! Vai ficar guardado na memória para sempre.

Vicente Conessa.

 

 

Enfim, Uma Boa Notícia. O Poço da Cachoeira da Geladeira está de volta.

Esta é  a triste imagem da Cachoeira da Geladeira quando a visitamos pela última vez em 2012:

GOPR4573

E veja a maravilha que esta ela hoje, em 2017:

VID-20171026-WA0073

 

Pedal Pico do Urubu e Geladeira galera de Bauru

Se por um lado, na última postagem foi desolador constatar a situação da Cachoeira da Constroli, cujo poço simplesmente desapareceu,  devastado pela força da chuva, neste artigo, para nossa felicidade, o caso agora é o oposto. Sim, uma das cachoeiras mais tradicionais de Garça está de volta com todo seu potencial, poço profundo, águas cristalinas e o encanto que agora está de volta. Foi o que constatou a galera do Sujo de Barro e o Piramba MTB. Thiago Zancopé e seus amigos vieram de Bauru para curtir um pedal que só o município de Garça  pode proporcionar, e representando o Piramba MTB estava nosso velho conhecido Vicente Conessa.

A resiliência da natureza é realmente algo extraordinário, que nada mais é do que a capacidade de um sistema restabelecer seu equilíbrio após este ter sido rompido por um distúrbio, ou seja, é a sua capacidade de recuperação. Difere de resistência (ecológica),  que é a capacidade de um sistema de manter sua estrutura e funcionamento após um distúrbio.

É muito bonito ver o show de resiliência da Cachoeira da Geladeira, parece  ter  se recuperado tão bem que está melhor do que nunca, é fantástico o poder da natureza de resistir e se recuperar sozinha. Não deixa de seu um grande alento em meio a tantas más notícias de agressão ao meio ambiente, desmatamentos, queimadas e desastres  nada naturais que tanto prejudicam os ecossistemas de nosso país.

Bom seria se simplesmente o homem parasse com suas reiteradas agressões contra a natureza, poderia ao menos deixar ela recuperar o seu equilíbrio, mesmo que sozinha e de forma lenta. Só de o homem não atrapalhar, já seria uma grande ajuda.

Rudi Arena

 

Cachoeira da Constroli, Antes e Depois.

 

IMG-20170925-WA0051

Totalmente irreconhecível ficou o lugar, infelizmente a Cachoeira da Constroli  não é mais a mesma. Recentemente fomos lá  e cena foi estarrecedora, tudo estava diferente, nem parecia mais o mesmo lugar,  algo que beira o inacreditável, o choque foi muito grande. O que aconteceu para tamanha transformação? A bela imagem guardada na memória se desmanchou em pouco tempo. Cadê o largo poço que ali existia? Como apareceu tantas pedras, troncos e galhos amontoados? Qual o motivo de as encostas laterais  terem desmoronado? Será que a força da chuva por si só foi capaz de fazer tamanho estrago?

Olha o lindo poço que havia:

IMG-20171019-WA0046

 

E hoje, veja só o estrago, como o lugar perdeu boa parte de seu encanto:

VID_20170923_162741059

 

IMG_20170923_163140371_HDR

IMG_20170923_162725752_HDR

Realmente o sentimento foi de grande tristeza ao se deparar com a cachoeira em frangalhos, era tão linda e tinha o poço mais largo das cachoeiras da região que conhecemos, por isso era frequente uma visita até lá, principalmente por seu um lugar muito bom para o banho e relaxar em suas calmas águas. Hoje, nem dá para chegar em baixo da cachoeira, são tantas as pedras e galhos a serem escalados e ainda por cima há o risco de aquilo poder desmoronar com o peso do corpo, esmagar um pé sei lá, melhor não arriscar.

O que parece mais do que óbvio, é que não é culpa exclusiva da chuva o que aconteceu, mas sim  por negligência  do homem. No curso do d´água antes da cachoeira, foram realizadas muitas intervenções humanas, assim como são muitos os pontos em que inexiste mata ciliar. Mas a cereja do bolo estragado foi transformar áreas que deveriam ser  de preservação permanente em pasto, então o ir e vir dos bois no local agravou bastante a situação. Tudo isso, parece ter deixado o solo bastante vulnerável, e então uma precipitação um pouco mais intensa do que a normal foi o suficiente para fazer tamanha destruição.

Porém, a natureza tem entre suas características, a capacidade de resistir e surpreender, por isso, não duvido que daqui alguns anos ao voltarmos nela, a cena seja diferente e bem mais bela do que a atual. Esta cachoeira já mudou muito o nível e a quantidade de água no poço por muitas vezes, mas nada se comparado com o cenário de hoje. Agora, é torcer para sejam adotadas medidas de revitalização do local, mas o mais provável é que a natureza fique encarregada por este serviço, isso se o homem deixar, ainda assim, seria em passos vagarosos que podem levar anos ou décadas.

Rudi Arena

IMG_20170923_154831208_HDR

Pico dos Tucanos e Cachoeira da Igurê com a Galera de Rio Preto

Para começar, este pedal não tinha hora certa para sair, o combinado foi a hora que a chuva parar, depois de aguardar São Pedro dar uma trégua, resolvemos partir, e justamente nessa hora começou a cair novamente água, mas resolvemos partir mesmo assim. Pelo menos a umidade relativa do ar parecia beirar os 100%, o que foi ótimo.

Apesar do clima chuvoso, o pedal  com a galera de São José do Rio Preto rendeu. Muita lama, adrenalina e belas paisagens naturais. Para começar descemos o pico dos tucanos, que é o creme da piramba, moutain bike na veia com direito a um visual privilegiado, este local fica paralelo a estrada da bomba.

Depois de uma subida para lá de íngreme, o nosso destino foi passar em uma bela represa da Fazenda Igurê, para depois ir até Cachoeira que existe nesta Fazenda. Momento de lavar a alma, espairecer a mente e se renovar após um revigorante banho em suas limpas águas.

Pedal cuja quilometragem pouco tem a dizer, o ganho de altitude  foi de quase 1.000 metros para menos de 40 km percorridos, os terrenos acidentados e hostis, a lama, as subidas inclinadas, tudo isso dificultou e fez com que este pedal tenha sido um tanto desgastante.

Teve ainda corrente quebrada, porém  isso foi superado com a as ferramentas corretas, mas com chuva, tudo fica um pouco mais complicado, mas também mais emocionante e divertido. Só dá um pouco de pena das bikes que sofreram com tanta lama, mas faz parte do show. Tudo na vida tem seu custo, e no pedal não é diferente, as vezes paga-se com suor, com dor, com o tempo despendido ou mesmo com dinheiro, quando de algum dano material, e nada disso desanima os amantes do Montain Bike, pois tudo isso faz parte do pacote.

Rudi Arena

DSC06968

DSC07003

DSC07009

DSC07007

DSC07025

DSC06991