Pico dos Tucanos e Cachoeira da Igurê com a Galera de Rio Preto

Para começar, este pedal não tinha hora certa para sair, o combinado foi a hora que a chuva parar, depois de aguardar São Pedro dar uma trégua, resolvemos partir, e justamente nessa hora começou a cair novamente água, mas resolvemos partir mesmo assim. Pelo menos a umidade relativa do ar parecia beirar os 100%, o que foi ótimo.

Apesar do clima chuvoso, o pedal  com a galera de São José do Rio Preto rendeu. Muita lama, adrenalina e belas paisagens naturais. Para começar descemos o pico dos tucanos, que é o creme da piramba, moutain bike na veia com direito a um visual privilegiado, este local fica paralelo a estrada da bomba.

Depois de uma subida para lá de íngreme, o nosso destino foi passar em uma bela represa da Fazenda Igurê, para depois ir até Cachoeira que existe nesta Fazenda. Momento de lavar a alma, espairecer a mente e se renovar após um revigorante banho em suas limpas águas.

Pedal cuja quilometragem pouco tem a dizer, o ganho de altitude  foi de quase 1.000 metros para menos de 40 km percorridos, os terrenos acidentados e hostis, a lama, as subidas inclinadas, tudo isso dificultou e fez com que este pedal tenha sido um tanto desgastante.

Teve ainda corrente quebrada, porém  isso foi superado com a as ferramentas corretas, mas com chuva, tudo fica um pouco mais complicado, mas também mais emocionante e divertido. Só dá um pouco de pena das bikes que sofreram com tanta lama, mas faz parte do show. Tudo na vida tem seu custo, e no pedal não é diferente, as vezes paga-se com suor, com dor, com o tempo despendido ou mesmo com dinheiro, quando de algum dano material, e nada disso desanima os amantes do Montain Bike, pois tudo isso faz parte do pacote.

Rudi Arena

DSC06968

DSC07003

DSC07009

DSC07007

DSC07025

DSC06991

Hidrelétrica de Furnas de Bike

Em um único e proveitoso dia, conhecemos de bike a Pedreira Lagoa Azul, o Mirante do Canion e dada a proximidade, não poderíamos deixar de conhecer a famosa Hidrelétrica de Furnas, pena que seu nome ultimamente e infelizmente anda associada ao noticiário Político-Policial com a chamada a Lista de Furnas, em que constam nomes de conhecidos políticos suspeitos de corrupção e que envolve esta importante usina de energia elétrica.

A entrada para visitação é franca e sem restrições, e é muito bela a vista  de cima do gigantesco lago de furnas ou “mar de furnas” como também é chamado, pois banha 34 municípios mineiros. Vale a pena conhecer, assim como toda estrutura da Hidrelétrica e as belezas do seu entorno, pois é um lugar único em que o lago de Furnas encontra com a Serra da Canastra.

DSC06244

DSC06233

A barragem está localizada no curso médio do rio Grande, no trecho denominado “Corredeiras das Furnas”, entre os municípios de São José da Barra e São João Batista do Glória, em Minas Gerais.

Sua construção começou em julho de 1958, tendo a primeira unidade entrado em operação em setembro de 1963 e a sexta, em julho de 1965. No início da década de 70, foi iniciada sua ampliação para a instalação das sétima e oitava unidades, totalizando 1.216 MW, o que colocou a obra entre uma das maiores da América Latina. A localização privilegiada da usina (500 km do Rio de Janeiro, 400 km de São Paulo e 300 km de Belo Horizonte) permitiu que se evitasse, em meados da década de 60, um grande colapso energético no Brasil, evitando o racionamento e o corte no fornecimento de energia elétrica ao parque industrial brasileiro. A potência prevista no início de sua construção correspondia a 1/3 do total instalado no Brasil. A Usina de Furnas, além de se constituir em um marco de instalação de grandes hidrelétricas no Brasil, possibilitou a regularização do rio Grande e a construção de mais oito usinas, aproveitando, integralmente, um potencial de mais de 6.000 MW instalados.

DSC06227

DADOS TÉCNICOS:

BARRAGEM:

Tipo: enrocamento com núcleo de argila
Altura máxima: 127 m
Desenvolvimento no coroamento: 554 m
Largura no coroamento: 15 m
Elevação no coroamento: 772 m
Volume total: 9.450.000 m³

RESERVATÓRIO:

Extensão máxima: 220 km
Nível normal de operação: 768 m
Nível de máxima cheia (Nível máximo maximorum): 769,30 m
Nível de desapropriação: 769 m
Nível mínimo de operação: 750 m
Área inundada: 1.440 km²
Volume total: 22,95 bilhões m³
Volume útil: 17,217 bilhões m³

ESTRUTURA DE CONCRETO:
TOMADA D’ÁGUA:

Comportas:
Tipo – vagão
Quantidade – 8
Altura d’água sobre a soleira – 33,5 m
Dimensões:
largura – 4,7 m
altura – 9,7 m
Fabricantes: Rheinstahl/M.A.N.(R.F. da Alemanha)

VERTEDOURO:

Descarga Máxima: 13.000 m³/s
Comportas:
Tipo – segmento
Quantidade – 7
Dimensões:
largura – 11,5 m
altura – 15,8 m
raio – 14,1 m
Fabricante: HIH (Japão)

CASA DE FORÇA:

Tipo: coberta
Dimensão: 186 m x 28 m
Unidades geradoras:
quantidade – 8
rotação: 150 rpm
potência nominal: 152 MW
Turbinas:
Tipo – Francis de eixo vertical
Diâmetro do rotor – 4,485 m
Fabricantes:
1 a 6 (Nohab/Suécia)
7 e 8 (Nohab/Suécia e Bardella/Brasil)
Geradores:
Freqüência – 60 Hz
Tensão nos terminais: 15 kV
Fabricantes:
1 a 6 (Siemens/R.F.Alemanha)
7 a 8 (CGE/Canadá e MEP/Brasil)
Transformadores: 26 (operação mais reserva)
Tipo – monofásico
Capacidade total em operação – 1.279,92 MVA
Relação de transformação: 15/345 kV
Fabricantes: Fabricantes: GE (USA) / Jeumont Schneider (França)

Rudi Arena

Fonte: http://www.furnas.com.br/hotsites/sistemafurnas/usina_hidr_furnas.asp

 

O Mirante do Canyon de Furnas (Capitólio-MG)

Localização: Capitólio, MG.
Estrada: MG-050, aproximadamente 304km de Belo Horizonte.
Acesso a parte baixa: Somente por barcos
Acesso a parte alta: 100m de caminhada.
Características: Lago, cascatas e água esverdeada.

Depois de conhecer a Pedreira Lagoa Azul, partimos em direção a uma parada obrigatória, o Canyon de Furnas que tem uma vista magnífica. O  acesso é pelo município de Capitólio, através da rodovia MG-050 entre o km 312 e 313, e é possível  perceber que chegou ao avistar alguns carros estacionados no acostamento.

A entrada é gratuita, e até o mirante é uma caminhada tranquila de cerca de 100 metros. Mas quem for com criança, é bom ficar bem atento, não existe nenhum tipo de proteção, é tudo perigosamente aberto.

A vista lá do alto é espetacular. Sem dúvida, quem passar próximo, vale a pena conhecer essa maravilha, uma verdadeira obra de arte da natureza, mas  também dos homens.

O interessante dessa região é que toda essa beleza não se deve somente à ação da natureza, mas também pela ação do homem. É que foi formada, em grande parte, pela construção da barragem da hidrelétrica de Furnas que, apesar de ter gerado problemas, como a desocupação de muitos habitantes e também o alagamento de muitas áreas. No entanto, hoje traz crescimento para a economia local através do turismo e, deu vida não só ao Lago de Furnas como ao cenário deslumbrante dos Canyons  que atraem turistas de todos os cantos do Brasil.


Conhecido como a “Cidade Rainha dos Lagos”, Capitólio é um pequeno município localizado em uma parte muito privilegiada de Minas Gerais, entre a Serra da Canastra e o Lago de Furnas – as duas regiões, quando se encontram, formam algumas das paisagens mais imponentes e lindas do estado e do país, que ficou conhecida como os Canyons de Furnas.
Os canyons são canais, rodeados por paredões, que foram alagados, formando piscinas naturais de águas cristalinas, que fazem parte do imenso lago artificial de águas verde-esmeralda que dão forma ao “Mar de Minas” (Lago de Furnas), maior espelho d’água do mundo, com mais de mil quilômetros quadrados e quatro vezes maior que até mesmo a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro. Os Cânions da represa de Furnas fazem qualquer viajante se sentir minúsculo diante de tamanha imponência.

DSC06224

Embora não tenhamos conhecido a parte de baixo em que o uso de barco é imprescindível, tomei conhecimento que ali existe um outro espetáculo. Através dos passeios de barco pelas águas do lago dá para passar por enormes paredões, que, ao se aproximar, tem  fendas que se abrem para uma vista incrível de  várias cachoeiras, dando vida a um verdadeiro espetáculo da natureza de beleza raríssima.

DSC06216

Também é recomendado ir até as cachoeiras, que ficam dentro desses paredões imensos. A do Lago Azul, é das mais procuradas e o cartão-postal da região em razão de sua beleza, com duas quedas que formam uma piscina natural de tons esverdeados; já a Cachoeira da Cascatinha possui diversas quedas com pequenos poços que parecem banheiras de hidromassagem. Outras cachoeiras incluem a Diquadinha, formada por um tipo de rocha chamada São Tomé, que dá coloração levemente alaranjada às suas águas e cria uma paisagem diferente das outras da região; e o Paraíso Perdido, complexo rodeado por cânions e com uma sequência de cascatas, cachoeiras e cerca de 18 piscinas naturais, ponto perfeito para amantes do ecoturismo e para praticar atividades como trilhas, mergulho, tirolesa, acampamento e principalmente rapel.

Rudi Arena

Fonte:

http://desviantes.com.br/blog/post/canyons-de-furnas-em-capitolio/

Pedreira Lagoa Azul – Serra da Canastra – Capitólio-MG

Saímos com as bikes da pousada Terezinha do Flor  que fica nas proximidades da cidade de São João Batista do Glória-MG, era grande  a expectativa para conhecer um pouco das maravilhas que a Serra da Canastra proporciona.

Para começar, pegamos um estradão bem movimentado, com muitos caminhões que levantavam muita poeira. Depois de um curto trecho de asfalto próximo a Hidrelétrica de Furnas,  enfim pulamos para o Parque Nacional da Serra da Canastra em direção a Pedreira Lagoa Azul.

Mas antes de chegar no almejado lugar, foi preciso encarar uma longa e íngreme subida. E ao chegar, logo de cara percebemos a bela recompensa,  todo o esforço não foi em vão. Apesar do outono, o dia era de sol e temperatura agradável, então foi o momento de entrar na água e relaxar após uma desgastante subida. Menos eu, que estava com uma forte gripe e e resolvi não entrar na gelada água da lagoa com receio de piorar a moléstia.

É um lugar encantador, uma belíssima lagoa de águas cristalinas, onde antes  existia uma pedreira, agora desativada, e que passou a fazer parte do território do Parque Nacional da Serra da Canastra, embora exista informações de que existe atividade clandestina ainda no local.

A quantidade de pedras mineiras ao redor é enorme, esta é um quartzito muito usado na construção civil apesar de ser originária da serra da Canastra, é utilizada no Brasil a fora.  Um lugar espetacular, e está localizado no município de Capitólio-MG, mas é próximo também de São João Batista do Glória-MG, o acesso é fácil para bike, com carro de passeio já um tanto complicado, o recomendado mesmo é um veículo 4×4.

Rudi Arena

DSC06108

DSC06141

DSC06163

DSC06186

DSC06150

O Pica Pau do Desenho Animado na Vida Real

Um Pica Pau do topete vermelho (Campephilus melanoleucos) foi encontrado durante um pedal na estrada de terra 09 de Julho, na altura do município de Vera Cruz-SP.O pica-pau-de-topete-vermelho é uma ave piciforme da família Picidae e está praticamente em todo os estados do Brasil, que por sinal,  é repleto de diversas espécies de pica-paus, como o do topete amarelo, o anão, entre outros de diferentes cores e tamanhos.

Já me deparei várias vezes com este pica-pau, mas desta vez o que me chamou a atenção foi o fato de que a cena que assistia parecia ter sido tirada do famoso desenho animado do Pica Pau distribuído pela Universal Pictures.

Além do celebre topete de cor vermelho vivo, a ave fazia ainda aquele movimento caraterístico da animação em que fica bicando o galho da árvore repetidamente. A este movimento dá-se o nome de tamborilar (bater o bico sobre uma superfície) produzindo um som mecânico muito característico que é utilizado na comunicação entre espécies, proteção do território e atração sexual.

Eles buscam assim seus alimentos preferidos que ficam muitas vezes em baixo das casca ou  em buracos das árvores. A base de sua alimentação são as formigas, seus ovos, larvas e cupins e outros insetos.

Rudi Arena

Cachoeira do Paredão – O Retorno

 

Um lugar bonito, perto e marcante, porque então ficar tanto tempo sem revisitá-lo? Realmente, não tinha razão para ficar tantos anos sem retornar para esta bela cachoeira, ainda mais por estar apenas 10 km de distância da cidade de Garça. O meu maior problema sempre foi de natureza psicológica, quando ouvia falar em paredão, desconversava, colocava obstáculos, mas a verdade, é que não queria enfrentar meus medos e fantasmas.

IMG-20170325-WA0034

Parece até conversa de louco, mas é preciso fazer um parênteses para explicar o motivo de resistir a voltar a um lugar tão interessante, e poder curtir os encantos da Cachoeira do Paredão. A primeira vez que fui, estava sedento por conhecer esta cachoeira, e para descer me deparei com um pequeno paredão de pedra seguido de um íngreme barranco. Descer foi tranquilo, para voltar que seria o grande problema, mas mesmo sem nenhum acessório em mãos, conseguimos nos pendurar em um galho de árvore,  e transpor a parede de pedra para subir de volta.

Não foi tão simples, e por isso logo surgiu a ideia de levar uma corda da próxima vez. Então chegou o fatídico dia, combinamos de ir para a Cachoeira do Paredão. E por que não aproveitar o horário de verão e ir em um dia de semana mesmo?  Logo após o trabalho, dada a proximidade do lugar, parecia uma ideia tentadora. E vamos levar uma corda? Sim, claro.  Mas no momento só tínhamos um pequeno pedaço corda, muito curto para a finalidade, porém a ânsia de irmos nesta cachoeira era grande, a minha e do meu amigo Vicente, que naquele dia por sinal fazia aniversário.

Após amarrarmos as bikes na margem do rio, seguimos a pé e para descer, como da outra vez, não tivemos maiores dificuldades, mas o tempo era o nosso grande inimigo, mal tomamos banho de cachoeira, tivemos que correr para voltar e aproveitar o resto de luz do sol, mas este caiu rapidamente e a mata fechada já começava a ficar bem escura. A tensão começou a tomar conta do ambiente, meu magro amigo com apenas um pedaço de corda pendurado em um frágil galho de árvore, conseguiu graças a Deus e com dificuldade subir. E ainda por cima havíamos amarrado a corda em um lugar errado,  logo ficou ainda mais escuro, e eu não havia conseguido escalar o obstáculo, assim como não enxergava mais nada ao redor, nem céu, nem chão, só sabia que não podia me mover muito pois era a parede de pedra de uma lado e de outro, um barranco íngreme com densa vegetação.

IMG_20170325_163245972

Então, combinei com o  pirambeiro Vicente de ele sair rápido da mata enquanto enxergava alguma coisa, pois iria escurecer ainda mais e era preciso procurar ajuda. Começou aí uma desesperadora noite para ambos, de uma lado, eu sem poder me mexer muito, pois não enxergava nada e o barranco estava a alguns centímetros de mim, e por outro lado, o Vicente na escuridão e sem conhecer os arredores, estava completamente perdido em um pasto andando a esmo em busca de um sinal para o telefone celular.  Mas chamar quem, quase ninguém conhecia o lugar, e quem conhecia era por trilhas de bike e não de carro. A tarefa não era simples, era necessário achar alguém a disposição naquela hora, que conhecia o caminho e ainda teria que levar uma corda e farol.

Após muito tempo, o sinal do celular apareceu, e foi feito um contato com o nosso outro amigo de pedal, o Fausto, mas que não conhecia a cachoeira e não sabia como chegar. Ele por ventura, fez um ligação para a única que pessoa que poderia ajudar naquele momento, o Luis Eduardo, vulgo Rábico. Porém, ele estava já em em um churrasco. Apesar dos pesares, ele acabou concordando em pegar a corda e ir até local. Após algumas boas horas, ao chegarem lá,  o primeiro problema foi achar a fazenda de carro, pois o caminho de bike era totalmente diferente, e depois, ainda foi preciso conseguir a autorização do proprietário para entrar, o que na verdade, não ocorreu. Ele não queria deixá-los entrar de forma alguma, e após insistência e dada a emergência do caso, meus amigos simplesmente foram em direção ao paredão, e o proprietário acabou por tolerar os indesejados visitantes.

IMG_20170325_162944138_HDR

E eu, que havia saído de casa por volta das 18h, já eram 23h horas da noite e ainda estava lá,  não estava com celular e nenhuma outra coisa que poderia fazer um luzinha sequer para me ajudar na escuridão, a situação do Vicente perdido no pasto e aguardando alguém que poderia ajudar também não era nada fácil, e tinha mais um grande detalhe nesta história. Por ser seu aniversário naquele dia, toda sua família estava a espera dele para um jantar festivo. Que presepada!!!  A sensação minha de estar a noite e sozinho em uma mata fechada por horas, sem ver absolutamente nada, e sem poder me mexer muito, foi horrível.  Nessas horas passa de tudo na cabeça, pensava na minha esposa, que estava sem saber por onde eu andava, também foram momentos de desesperadas orações para sair daquela situação. Eu imaginava que poderia ter que passar a noite inteira ali, e que algum animal carnívoro ou peçonhento poderia aproveitar de que eu estava indefeso, eu temia acabar dormindo e ser atacado, foram horas de infinita angustia, mas também de esperança.

Foi então que comecei a avistar uma luz de longe,  que foi se aproximando aos poucos, minha alma encheu de alegria,  enfim chegaram os meus amigos com uma corda grande e um farol, era tudo o que eu precisava naquele momento, enfim salvo. Depois, ainda faltava achar no escuro o lugar em que havíamos deixado as bikes, para então retornar as nossas casas tarde da noite.

Infelizmente, demos trabalho a esses amigos salvadores, incomodamos o pessoal da Fazenda, deixamos preocupados os familiares e ainda por cima, estragamos o aniversário do Vicente. Mas foi uma experiência e tanta, que jamais esquecerei, e que agradeço de não ter passado a madrugada naquela situação, pois já dava como certo virar o dia lá sem poder me mexer e lutando contra o sono.

Mas como o lugar é incrível, voltar lá  durante o dia e bem preparado não seria problema, então fomos até lá em um outro dia, descemos até a cachoeira, mas na volta, eu fui o único do grupo que não conseguia subir. Mesmo com corda, eu chegava até uma certa altura e eu desabava no chão, foram 4 tentativas sem sucesso, já próximo de escurecer, o desespero bateu forte novamente, mas ainda bem, que na última tentativa fui bem sucedido. UFA!!!

Depois de anos dessas ocorrências, resolvi topar voltar lá,  e desta vez fomos recepcionados por dezenas de aranhas, muitas de respeito, mas apesar de muitas teias pelo caminho, estas não nos impediram de seguir em frente. E para minha felicidade, agora existe uma corda dupla para chegar com segurança até o ponto em que começa a descer o paredão e ainda por cima, tem uma escada para descer tranquilamente a parede de pedra e seguir para a cachoeira. Assim ficou muito fácil o acesso, não é? É claro, agora é bem sossegado chegar até lá. Mas não para mim, que ao olhar para aquela lugar, um turbilhão de lembranças veio a mente e como um bloqueio psicológico irracional surgiu, preferi não seguir em frente, não descer até a bela cachoeira e aguardar meus amigos na parte de cima.

DSC05821

Pra ver como o cérebro é  complexo, quando fui da primeira vez, não havia corda alguma e nem escada,  fui e voltei até que de boa. Após os ocorridos, mesmo que o acesso hoje esteja bem facilitado, existe um obstáculo mental que me impediu de chegar até em baixo da cachoeira do paredão, uma prova de como é complicada a mente humana e que o racional e o emocional nem sempre falam a mesma língua.

 

Rudi Arena

 

 

 

 

 

 

 

Cachoeiras da Enseada (Inédita)

 

A busca por novas cachoeira é incessante,  e não é que conhecemos mais uma nova cachoeira, ou melhor cachoeiras, um lugar de natureza privilegiada. O  interessante é que a cachoeira é  próxima a cidade e o acesso não é tão difícil, embora não dê para levar a bicicleta até o final, mas ao menos na primeira cachoeira é tranquilo chegar, e ela tem um bom e pequeno poço para banho.

VID_20170218_164423730

Já o acesso a segunda cachoeira é um pouco mais complicado, é preciso seguir uma trilha paralela ao curso d´água e descer por lugares bem íngremes, o que dificulta, mas não impede chegar até ela, que por sinal é bem mais alta e bela do que a primeira. A água parece ser limpa e sempre está gelada, a mata ciliar  é bem preservada, este é mais um belo patrimônio natural de Garça que encontra-se a poucos quilômetros da cidade, o que demonstra a infinidade de possibilidades e lugares com potencial para ecoturismo que o município desfruta e que um dia há de ser explorado de forma sustentável, tanto ambientalmente, como  economicamente, pois só pode dar certo se ambas as coisas andarem lado a lado.

DSC04370

Um detalhe interessante foi a ossada de um animal que encontramos no local, parece ser um bicho  com presas afiadas, mas não chegamos em um acordo acerca de qual animal é este? O mistério continua, mas é uma prova da existência da diversidade da fauna de nossa região.

DSC04352

IMG_20170218_164400904

DSC04374

E esta planta, com estes belos frutos, qual seria?

É, temos uma fauna e uma flora fantástica, e isto deve ser motivo de orgulho, apesar de todas as adversidades pelo qual o meio ambiente passa, aqui e Brasil afora.

Rudi Arena

 

Mapa das Cachoeiras de Garça

Em um trabalho inédito, está em construção uma plataforma fácil e interessante, é o mapa das cachoeiras já catalogadas pelo PIRAMBA MTB, e para isto contamos com a contribuição fundamental de nosso amigo Thiago Bulho, que trabalhou arduamente no desenvolvimento deste projeto. Primeiramente, relacionei em uma planilha  as mais de 40 cachoeiras que já visitamos, depois foi preciso identificar a localização aproximada de cada uma no google maps, na qual contamos com a preciosa colaboração de Luis Eduardo(Rabicó), para só depois acrescentar as fotos e os links do lugar.  O trabalho é bem extenso e ainda não foi concluído, ainda assim, não deixa de ser uma boa ferramenta para quem quer conhecer mais sobre as cachoeiras de nossa região. Para acessar, é só clicar no link abaixo: http://piramba.com/mapas/cachoeiras.html

São dezenas de cachoeiras cadastradas nas proximidades de Garça-SP, a grande maioria com fotos e links relacionados. Assim, é possível ter ideia da quantidade das belezas naturais que existem por aqui.  Como as localizações das diversas cachoeiras, cuja a região foi mais que agraciada para alegria e contemplação de alguns de seus conterrâneos, pois o acesso é difícil, a maioria por dificuldade de trilha, ou caminho para chegar. Outro problema é a falta de autorização do proprietário rural.

Ainda há muito para se construir, mas já é um começo, um ponto de partida para que no futuro tenhamos quem sabe o dobro de cachoeiras catalogadas. Sabemos que não conhecemos nem metade das cachoeiras de Garça, por isso o trabalho é  lento, mas também progressivo,  diria até que é quase impossível catalogar todas elas, tamanha a extensão deste tipo de trabalho.  Mas quando idealizamos esta ferramenta, foi no intuito de divulgar e reunir em só lugar  e assim facilitar o acesso a todas as cachoeiras que conhecemos. Embora seja algo pequeno, é uma forma de divulgar a existência delas e as informações poderão ser utilizadas para diversos fins, particulares, turísticos, científicos ou  quem sabe mesmo para a preservação ambiental.

Não é só essa novidade, também esta em fase de desenvolvimento o site http://www.piramba.com, uma espécie de portal  para reunir todo o conteúdo já produzido pelo PIRAMBA. Outra ferramenta interessante pode ser consultada em http://piramba.com/trilhas.html, lá é possível já visualizar o trajeto de várias trilhas já percorridas pelo PIRAMBA MTB, mas por enquanto, só foi registrada uma pequena quantidade de outras dezenas. É possível também consultar alguns animais que já encontramos na região, veja o link: http://piramba.com/mapas/animais.html

Tanto os mapas das cachoeiras, das trilhas e dos animais, é possível clicar em cima dos ícones ou então acessar a lista nominal clicando no quadrado com uma seta que fica canto superior esquerdo dos mapas. Para abrir em tela cheia, clicar no quadrado do canto superior direito .

Compartilhar um conteúdo singelo deste, é um pequeno passo para que possamos ter a consciência da importância e a dimensão de nossos bens naturais que estão a nossa volta, para quem saiba um dia, isso possa colaborar para preservação de nossas minas e nascentes, que por consequência ajude também na preservação dos córregos e cachoeiras que encontram-se tão degradas em relação ao que era, antes da ação do homem,  e mesmo em relação ao legislação ambiental exige atualmente. Logo, é comum vermos o assoreamento dos leitos, muitas vezes por ausência de mata ciliar, o que deprecia o patrimônio natural. Muito embora,  somos privilegiados pela nossa remanescente mata atlântica, que diferente de outros municípios, ainda temos muitos lugares em que existem  água corrente limpa e  matas preservadas, o que é, foi e sempre será, a fonte inesgotável de  inspiração e motivo de existência do PIRAMBA.

E por fim, alimentamos a esperança de que ao divulgar as riquezas naturais que temos, podemos ajudar a  criar um ambiente propício para que as instituições públicas, sociedade civil e proprietários de imóveis rurais se convençam de que há potencial para o ecoturismo para a região, a demanda por natureza existe, se alguém comprar a ideia e der certo, futuramente outros poderão investir no ramo também, foi assim em outras cidades, mas é preciso haver um pontapé inicial.   E para  tirar proveito da magnífica natureza, necessário também cuidar do que temos de mais valioso, que  nada do mundo pode construir, mas que para destruir não precisa de cerimônias. Pois enquanto em algum lugar do país pequenas áreas de matas são restauradas, o que leva anos e anos, em outro canto do Brasil, vastos territórios continuam sendo desmatados sem dó, nem piedade. Uma guerra entre os homens e a natureza em que as estatísticas não são nada favoráveis a última.

Rudi Arena

Enfim….Presidente Alves pela Pirambeira – 80 km

 

Foi quase que uma odisseia, depois de muitos ensaios e por vária vezes termos combinado e descombinado, enfim chegou o dia de irmos pela primeira vez até a cidade de Presidente Alves. Embora faça divisa com Garça, não há estrada de terra que liga diretamente os dois municípios, só existe um caminho que é indo por Gália, mesmo assim não tem asfalto pra chegar lá, só um estradão de mais de 20 km.

Por isso, chegar até lá não é tão simples, pelo menos pelo trajeto escolhido, que foi de ir pela pirambeira, onde não há caminho exato a seguir,  é preciso fazer um em meio as belezas naturais existentes ao redor, atravessar riachos e  subir uma baita de uma serra. A melhor parte do pedal foi esta, por isso vale a pena chegar até Presidente Alves por trilhas de Fazendas.  Sem dúvidas, a opção mais cômoda seria ir e voltar por Gália, mas a graça do negócio é justamente se deparar com novo, o inesperado, pois o caminho fácil não tem lá tanta graça, a trilha fica mais rica quando se pula cercas, e foram várias. A gente seguia rumo ao desconhecido e contemplando a natureza, porém uma escolha errada em uma bifurcação poderia colocar tudo a perder.

Só que não, desta vez chegamos ao destino e sem sobressaltos. Na cidade, paramos para comer uma parca porção de calabresa que não deu nem para o cheiro, também um bando de ciclistas esfomeados.  Já era noite, hora de voltar e aí sim pegar o caminho mais tranquilo, o estradão até Gália, mas logo começaram os problemas,  um companheiro com a bike a quebrada e outro com fortes dores, e ainda tinha muito chão pela frente.

Graças a Deus, o santo é forte, aos trancos e barrancos chegamos a beira da Rodovia 294 em Gália, e milagrosamente logo apareceu  um carro do Departamento de Estrada e Rodagens(DER), na mesma hora que uma ligação  havia sido disparada para um amigo chamando por socorro, e que felizmente  não precisou ser completada.

Logo acenamos para o motorista do veículo, e dois amigos ali embarcaram e puderam chegar mais cedo em casa. Apesar do forte cansaço e o adiantado das horas, o pedal não poderia parar. Então nós, os remanescentes, depois de mais de 80 km e com o relógio marcando mais de 11 horas da noite, chegamos exaustos e famintos em nossos respectivos lares, após muitos quilômetros percorridos  fartos de pirambeiras, suor e alegria. E para mim ficou uma reflexão, que é que sempre há um caminho ou um lugar diferente para se conhecer, e não precisa ir muito longe para isso, são essas coisas pequenas e prazerosas que dão estímulo para vida, e não deixa que a comodidade ou a monotonia nos faça de refém.

Um agradecimento especial ao nosso amigo de pedal Jose Maurício, que neste dia infelizmente não estava conosco, mas que teve um papel importante para o sucesso do pedal neste dia,  esta trilha só aconteceu porque em outras ocasiões, ele ajudou a identificar o caminho a ser seguido, conversamos com os caseiros de fazendas próximas a antiga e desativada estrada municipal que ligava há muito tempo Garça e Presidente Alves, e assim, conseguimos as preciosas dicas que nos levaram enfim até Presidente Alves por um trilha totalmente alternativa.

screenshot_2016-10-15-11-24-48 screenshot_2016-10-15-11-24-59

 

captura-de-tela-2016-10-18-as-15-42-09

DSC02963

DSC02897

DSC02925

DSC02932

DSC02961

DSC02980

DSC03032

DSC03036

Cachoeira da União e do Cantu com a Galera de Cândido Mota

IMG-20160807-WA0024

 

Screenshot_2016-08-08-13-00-30

 

Screenshot_2016-08-08-13-00-43

 

Screenshot_2016-08-08-13-01-44

Manhã um pouco fria, mas com o Sol rachando e expectativas de ótimo pedal, com muita pirambeira e belos visuais, pois foi para isso que uma turma de ciclistas do Município de Cândido Mota vieram para Garça, após um contato no desafio que teve de mountain bike em Timburi-SP.

E como planejado, logo de início descemos atrás da mata do Bosque municipal para passar pela Cachoeira da União, após curtir um pouco o lugar que também tem o alto pico  que exite ali,  seguimos por trios de bois bem fechados, pois havia muito mato ao redor. Depois de passar por uma represa e corredores de  eucaliptos e pés de cafés, saímos no trecho final da estrada da Bomba e ainda curtimos as íngremes descidas até o final chegar na ponte do Córrego do Barreiro.

DSC03252

DSC03266

DSC03268

DSC03279

IMG-20160807-WA0029

Após isso, foi o momento de maior esforço do pedal , pois logo de cara era preciso subir um morro com grau de inclinação absurdo, praticamente impossível de ficar o tempo todo montado na bicicleta, tanto é que nenhum dos 14 companheiros de pedal conseguiram zerar a subida,  que é quando o a cara pedala a subida inteira sem precisar descer da bike. Mas também, não é uma subida comum, é uma trilha de fazenda, e parte da subida é com chão de pedra e cheio de degraus e desníveis. Sem dúvida alguma, foi um momento de fazer o coração trabalhar a mil sob um forte sol das 11h da manhã. Subida que não tem como não suar e ficar cansar, montado na bike ou mesmo empurrando a pé e devagar é exaustivo, imagina então subir pedalando e o mais rápido possível, como muito fizeram, um verdadeiro teste cardíaco.

DSC03295

IMG-20160807-WA0041

DSC03298

DSC03313

IMG-20160807-WA0012

DSC03318

IMG-20160807-WA0033

Após a subida, pudemos desfrutar da bela vista que a Fazenda Ouro fino proporciona, por ficar em uma  parte alta próximo ao vales, pudemos ver de longe a cachoeira pela qual passamos, além uma paisagem exuberante que circunda a região, um prato cheio para belas fotografias do horizonte.

Mas o pedal não pode parar, então cruzamos as antenas e seguimos em direção ao outro lado da rodovia SP-294, mas precisamente para a Fazenda Igurê. Lá, passamos pela sede, a capela, o terreirão, represas,  até entrar na trilha da mata, para enfim chegar na estrada do saltinho, e seguir para a belíssima Cachoeira do Cantu. Sol do meio dia, e muitas subidas, tempo seco,  areião, terrenos acidentados,  o desgaste era grande e o avançado da hora pesou,  alguns seguiram de volta para Garça antes da última cachoeira, outros seguiram  em frente, e como é de se esperar antes de uma cachoeira, uma forte descida nos esperava, e enfim um lugar de tirar o chapéu.

Mas como para tudo na vida  se paga um preço, a subida da volta não foi fácil, mas também o final do pedal já se aproximava, seguimos então de volta para Garça e paramos em um bar para molhar a goela e confraternizarmos. Também merecia, depois de um pedal desgastantes de cerca de 45 quilômetros,  e muito bom que rendeu boas risadas e belas fotografias.

É claro, teve uma corrente quebrada, um problema de cabo do mudador das marchas, algumas baixas, mas ao final,  deu tudo certo e ficou um convite para que nossos amigos de Cândido Mota voltem para cá, e  conheçam novas pirambeiras, picos e cachoeiras de nossa privilegiada Sentinela do Planalto, farta em nascentes, paredões, picos, represas, cachoeiras e trilhas, quem gosta disso, difícil não gostar de pedalar em Garça.

IMG-20160807-WA0004

 

DSC03336

 

DSC03341

 

IMG-20160807-WA0035

 

DSC03347

Lucianópolis pela Companhia Inglesa 80km

MAH03071

Screenshot_2016-07-31-14-06-43

Screenshot_2016-07-31-14-07-00

Screenshot_2016-07-31-14-07-32

Desde que havíamos ido ao município de Fernão pela estrada de terra que passa pela Igreja da Companhia Inglesa e nos deparamos com uma trifurcação pelo caminho, à esquerda Fernão, à direita Ubirajara e se seguíamos em frente Lucianópolis. Então, vira e mexe era cogitada a ideia de ir pela primeira vez até lá para conhecer a cidade e suas redondezas.

Em uma tarde em que estávamos animados para andar os 80 km propostos, seguimos em direção a este pequeno município, mas pela terra, e como é só pegar estradão e mandar bala, não demorou muito para chegar em Lucianópolis. Chegamos antes mesmo do que o previsto, e visitamos uma bela praça com uma simpática igreja e aproveitamos também para descansar um pouco e tomar algo em um bar ali próximo.

Na volta, para não ter que fazer o mesmo caminho da ida, resolvemos seguir por Fernão-SP, Gália-SP, até chegarmos novamente em Garça, com sentimento de dever cumprido. É um pedal que flui bem, o tempo rende e muito bom pra dar condicionamento, e apesar da quilometragem de 80 km que a princípio pode parecer bastante, não é tão desgastante como muitas trilhas cujos quilometro rodados não chegam nem perto disso.

DSC03079

DSC03096

DSC03111

DSC03107

DSC03123

DSC03121

DSC03149

MAH03128

Desafio em Timburi-SP

Até tomar conhecimento deste desafio no município de Timburi-SP, nem ao menos sabia de sua existência e muito menos de suas exuberantes belezas, sua topografia repleta de montanhas das mais diversas formas e a abundância de água são grandes atrativos. Este pequeno município com menos de três mil habitantes, pertence a microrregião de Ourinhos e faz divisa com Piraju, Fartura, Chavantes, entre outros.
Screenshot_2016-05-08-19-39-09

Screenshot_2016-05-08-19-37-58
São muitos os seus encantos, fiquei sabendo e vi por uma foto de uma bela cachoeira que infelizmente não deu tempo para conhecer, mas chama muito a atenção as águas azuis que banha o local e o revelo acidentado em seu entorno, é realmente uma paisagem fascinante. São as limpas águas do Rio Paranapanema represadas pela Usina Hidrelétrica de Chavantes, na divisa entre Paranã e São Paulo que também passa por Timburi.
DSC01912
DSC01934
DSC01938
Este desafio foi organizado pelo Marcos Trilha e contou com mais de 200 ciclistas das mais diversas cidades, das mais variadas idades, todos recebidos com um bom café da manhã, para em seguir escolher entre dois percursos, o light (25 km) ou o Hard (45 km). Optamos pelo último, a quilometragem não parecia ser muito assustadora, entretanto, as acentuadas subidas e considerado ganho de elevação ao longo do pedal, mais uma vez demonstra que os quilômetros percorrido é uma medida que não mensura o esforço despendido pelo ciclista. Este é um bom caso, pois em 45 km houve um ganho de elevação de 1.164 metros, quando é comum andar 70 km e ainda assim ficar longe desta marca.
DSC01945
DSC01967
DSC01986
Apesar do forte sol do meio dia que pegamos, os 06 pontos de hidratação com água e frutas a vontade, foi algo que veio bem a calhar, pois, realmente é um pedal que exige bastante do ciclista. Porém, da forma como este desafio foi organizado, acabou sendo um ótimo pedal e bastante gratificante, mérito da organização, que por um preço justo realizou um excelente evento que não deixou espaço para qualquer crítica. Havia também um carro de apoio, para quem desistisse por algum motivo, seja por problemas físicos ou mecânicos na bike, mas ainda bem não precisamos recorrer a ele, embora um amigo tenha sofrido uma queda e algumas escoriações, nada que tenha impedido ele de terminar este pedal que com certeza deixou um gostinho de quero mais em todos participou do evento.

Acabou que foi também uma ótima oportunidade para conhecer um lugar diferente e ainda por cima fazer amizades. Recomendadíssimo este Desafio, compensou a viagem, o valor da justo da inscrição, ter que acordar de madrugada e tudo mais, no próximo que houver, com certeza, estarei lá novamente.
DSC02006
DSC01963

Todas as fotos em:
Álbum de Fotos – Desafio em Timburi-SP

Pontilhão do Rio Feio em Pirajuí-SP

O Rio Aguapeí, e popularmente conhecido como Rio Feio, nasce em Gália, próximo a Rodovia SP-294, seu principal afluente é o Rio Tibiriçá, que por sinal, também nasce em nossa região. Ele é um dos rios de maior extensão do Estado de São Paulo são aproximadamente 420 km até desaguar no Rio Paraná. Em todo seu percurso, corre aproximadamente paralelo ao Rio Tietê, que se localiza ao norte.

Neste dia, imagine uma estrada com areia, mas muita mesmo, como havia uma uma semana sem chuva, o areião no caminho era certeiro, acredito que esta seja a estrada com o pior areião da região, e logo atrás vem as estradas da 09 de Julho e Corredeira que também possuem uma camada de areia bem considerável. Por isto, cada quilometro pedalado pareça ser o dobro, a bicicleta perde a tração, e é preciso muita força e técnica para permanecer pedalando, mesmo assim, há trechos que fica quase impossível não descer da bike e seguir empurrando. Recomendo este pedal, mas é preferível ir depois de uma chuva, caso contrário, é sofrimento na certa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No total, são aproximadamente 70 km de ida e volta até o pontilhão do Rio Feio, o acesso é pela estrada do Bairro São José. Um pouco antes de chegar ao rio, tem início um trecho de serra, com descidas bem acentuadas e belas paisagens ao redor, um prato cheio para quem gosta da adrenalina e também de contemplar a natureza. Na volta, nos deparamos com uma bela e intrigante espécie de aranha que estava imóvel, porém, parecia estar em estado de ataque ou defesa, pois duas de suas patas dianteiras estavam levantadas de forma ameaçadora.

Seguimos em frente, de noite, e com algumas baixas pelo caminho, alguns por razões de condições físicas ou por problemas com a bicicleta, acabaram aderindo ao carro de apoio que acabou sendo providencial. Chegar em Garça, parecia seu um grande troféu para quem quem continuava a pedalar, o cansaço era evidente após dezenas de quilomêtros percorridos e e de encarado muito areião pelo caminho, eu mesmo pensei em desistir por um momento, quando câimbras ameaçaram atacar minha perna. Apesar das dificuldades, ainda chegamos em 05 ciclistas ao final, tomar um banho, alimentar-se e descansar era tudo que queríamos naquele momento.

Screenshot_2016-01-16-21-44-00

Screenshot_2016-03-10-18-28-59

Trata-se do lugar mais isolado de nossa região, são raros os carros que passam por ali, não há nenhuma venda pelo caminho, e nem casas próximas à estrada. Chama a atenção também como muda a agricultura estabelecida nesta parte rural, há grandes plantações de laranjais por toda parte, o que mostra que a produção agrícola de Garça e região não vive apenas do café, além da laranja, também existem outras plantações, como de macadâmia, seringueiras, eucaliptos, árvores frutíferas, até mesmo de palmito pupunha, entre outras, o que mostra a diversidade do meio rural que muitos moradores da cidade ainda não tomaram conhecimento.

Rudi Arena

Descida – Fazenda Cachoeiras de São Pedro – Garça-SP

Esta é uma verdadeira trilha de Mountain Bike, é farta em pirambeiras e paisagens de tirar o chapéu, mas a cereja do bolo é a descida excessivamente inclinada e o terreno também não facilita, então o grande desafio é descer montado na bike a descida inteira.

Tarefa esta dificílima, é preciso muita técnica e concentração e todo cuidado é pouco, sempre que vai lá alguém cai, já foram ao menos 5 tombos, desta vez não foi diferente.

Como tudo que desce uma hora tem que subir, é de se prever que a subida será bruta como a descida, e parece ser ainda mais inclinada e um terreno acidentado de pedra faz com que na maior parte só seja possível subir empurrando a magrela. Rolê curto, mas bem cansativo.

Cachoeira do Pneu (Inédita)

Esta é mais uma cachoeira que o PIRAMBA MTB conseguiu registrar, sem sombra de dúvidas ela é bem imponente, é alta, tem um bom volume de água e também a queda d água possui vários degraus, o que a embeleza ainda mais. Porém, a água é turva, cheira mal, e no curso do rio até chegar a cachoeira encontramos muito lixo mesmo, e chamou a atenção a quantidade de pneus, a maioria de bicicleta, mas encontramos também de moto e até de caminhão,  garrafas PETs e  sacos plásticos aos montes,  cena triste, um lugar tão lindo e que o homem estragou. Também não é pra menos, essa cachoeira é quase  que o bueiro da cidade de Garça,  está localizada na parte à direita dos vales  que existem atrás do Bosque Municipal, mais ou menos na altura do Lago artificial da cidade.

Tudo começou porque em outro pedal chegamos ao alto de uma cachoeira e a vontade de chegar em baixo para tomar aquele banho ficou martelando na cabeça. Assim, em um outro dia, decidimos ir até lá, mas chegou um momento que não era mais possível prosseguir pedalando, então amarramos as bikes com um cadeado junto a uma pequena árvore e seguimos a pé. A volta foi realmente uma verdadeira aventura displicente, ao invés de fazermos o mesmo caminho da ida, resolvemos não voltar pela águas sujas do rio, porém, a opção de escalar o paredão até chegar o lugar em que deixamos nossas bikes não das tarefas mais fáceis e exitosas. Foi necessário subir escalando literalmente por pedras e as vezes beiradas de morros no fio da navalha,  sempre com lembrança iminente  de que uma queda implicará em sérias e dolorosas consequências.

Entretanto, o pior ainda estava por vir, após a tortuosa, demorada e tensa subida, acabamos saindo longe de onde estavam as bicicletas e o por do sol já se anunciava, estamos um trapo de cansados, era preciso procurar a bikes, mas onde exatamente mesmo é que elas estavam? Havíamos deixado as bicicletas bem pirambeira a dentro, em meio a uma pequena mata no alto de um morro. É, ocorreu que acabou faltando disposição e sol para chegar até as magrelas naquele dia. Então não sobrou outra alternativa a não ser ir embora para casa a pé, e ainda bem que o lugar é próximo à cidade, e combinamos  de voltar cedo no dia seguinte com a missão de localizá-las. No final tudo deu certo, mas que este dia foi bem emocionante , daqueles que ficará vivo na memória para sempre.

Descobri também que a Cachoeira do Pneu não é a cachoeira que queríamos chegar inicialmente, aquela e que havíamos chegado pelo alto, esta tem água transparente e menor volume de água, e há alguns anos já tínhamos chegado nela por baixo, confira este vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=0eTHE3N-Ycs . Mas por outro lado, acabamos conhecendo uma bela cachoeira, mas que  infelizmente não é própria para o banho.

Rudi Arena

DCIM100GOPRO DCIM100GOPRO DCIM100GOPRO

 

Bicicleta e o Bebê na Cadeirinha. Acostumando com a Piramba desde Cedo.

Não é preciso esperar muito tempo para que um bebê possa andar de bike sentado na cadeirinha. Apesar de não existir uma idade ideal exata, mas na cadeirinha é recomendável que tenha 01 ano de idade ao menos ou até um pouco mais, mas cada bebê tem suas peculiaridades, não há regra válida para todos. Existem vários modelos disponíveis no mercado, e é indispensável que esta tenha um cinto de segurança para prender a criança e também é muito importante que desde cedo já utilize capacete, para maior tranquilidade e segurança do passeio.

É preciso ficar atento a instalação da cadeirinha, esta pode ser dianteira ou traseira. Acredito que a criança aproveite mais se sentar na frente, pois a visão é mais ampla. Normalmente, a dianteira é feita para crianças menores de 04 anos e de até 15 quilos e a traseira é usada para crianças maiores e de até 22 quilos. Além do peso, verifique o tamanho e veja se a criança está bem acomodada no equipamento. Se for ainda adquirir a cadeirinha, leve a bicicleta junto para ver se encaixa corretamente, pois são muitos os modelos de bicicleta e também de cadeirinha, é preciso ver se são compatíveis e evitar toda e qualquer adaptação caseira.

As cadeirinhas são vendidas aos montes em lojas de departamentos, grandes magazines e em lojas especializadas em bicicleta. Mas em lugar algum existe orientações aos pais de que um requisito básico e necessário para adquirir é de serem bons condutores de bicicleta para poderem utilizar o equipamento de forma segura. É preciso ter consciência da necessidade de ter boa destreza, equilíbrio e controle da bicicleta, uma queda pode ocasionar severos traumas físicos e emocionais tanto a criança como aos condutores. Acrescentar uma cadeirinha a bike, além de deixa-la mais pesada, também modifica as variáveis do equilíbrio da bicicleta, é preciso testar e se necessário treinar antes.

Não há certificação pelo Inmetro de cadeirinhas, pois não existe norma que regulamente este produto. Assim, o ideal e que os produtos sigam as recomendações de produção de acordo com normas ISO 9001, incluindo teste de peso e também produtos que sigam padrões internacionais previstos na norma EN-14344.

Tomando as precauções e cuidados necessários para minimizar ao máximo os riscos, é possível curtir o pedal e estreitar os laços com a criança sem preocupação alguma. É uma ótima oportunidade para que a criança vá se habituando aos poucos com a bicicleta, sentir o vento bater na cara e o frio na barriga que uma descida pode proporcionar, ter um contato maior com a cidade sob um novo ângulo, diferente de quando se está a pé ou de carro. É um momento em que criança, pais e bicicleta entram em sintonia, e proporciona um tempo para aprofundar as relações de pais e filhos, por isso, o diálogo ao longo do caminho é importante, procurar observar e explicar as coisas que aparecem pelo caminho, tudo isso ajuda a despertar o interesse dos pequenos e apertar ainda mais os laços familiares.

Melhor ainda, é quando se está em uma cidade pequena, assim, é possível fugir um pouco do ambiente da cidade, chegar mais próximo as áreas verdes e mostrar os encantos que existem além do terreno urbano. Passear próximo à matas, passar perto de animais como bois, cavalos, gaviões, pássaros diversos e corujas, que são comuns de se encontrar, desperta na criança muito interesse. Por isso, pedalar pelas trilhas do bosque municipal de Garça-SP é um prato cheio e um ambiente muito agradável, por ser ladeado por árvores e animais se opõe ao asfalto e concreto da cidade, que as crianças geralmente já estão bem acostumadas.

É recomendável sempre pedalar de forma defensiva, em velocidade de passeio, o percurso de bike não pode ser muito longo para não cansar a criança e é recomendável levar sempre água. Os primeiros passeios devem ser curtos para o bebê ir acostumando aos poucos. O importante é o conforto dele e evitar se afastar muito da casa, pois qualquer sinal de contrariedade é bom pegar o caminho de volta o mais rápido possível. Nunca levar a criança contra sua vontade, ela precisa ser convencida e se sentir segura. As experiências com a bicicleta devem ser agradáveis, caso contrário, pode ter o indesejado efeito de a criança refutar outros passeios de bike por associar isso a uma experiência ruim, o que pode comprometer e até desestimular o uso da bicicleta na infância.

Dicas para que tudo corra bem:

-Evite vias muito movimentadas, quanto menos veículos por perto, menor a probabilidade de acidentes e mais tranquilo o passeio.

-Evitar o horário com o sol forte entre 10h manhã e 15h da tarde ou não deixe de passar o protetor solar na criança.

– Leve sempre uma garrafa de água.

– Comece devagar, primeiro trajetos bem curtos, dê uma volta no quarteirão de teste, a criança precisa se acostumar aos poucos.

– Nunca leve a criança com sono, nem logo após comer ou mamar.

– É legal também associar o passeio de bicicleta a outras coisa que a criança gosta, como ir ao parquinho, tomar sorvete ou comer uma pipoca. O rolê pode ficar mais gostoso e estimulante.

– Ao contrário do que muita gente pensa, o uso de capacete não é obrigatório. Mas quando se trata de crianças ele para lá de recomendável, em caso de queda, a criança pode não conseguir se proteger com as mãos como um adulto sabe fazer.

Idade e peso determinam como a criança deve ser transportada*:

Canguru

– Preço médio: de R$ 70 a R$ 150

– Indicação: de zero a 18 meses ou até 9kg

– Pode ser de tecido e fibra, com alças dos ombros acolchoadas e reguláveis em comprimento

Cadeirinha dianteira ou frontal

– Preço médio: R$ 70 a R$ 110

– Indicação: crianças de seis meses a três anos ou 15kg

– Pode ser de plástico ou de ferro, pode ter regulagem para os pés

Cadeirinha traseira

– Preço médio: R$ 50 a R$ 110

– Indicação: sem limite de idade, até a criança caber

– Pode ser de plástico ou de ferro. Devem ser colocadas no bagageiro da bicicleta e ter uma grade protetora para os pés

Banco traseiro ou bagageiro

– Preço médio: a partir de R$ 35

– Uma almofadinha sobre o banco deixa o assento mais confortável

– Pode ter proteção e suporte para os pés, e a criança pode se segurar no ciclista ou atrás

*http://zh.clicrbs.com.br

Rudi Arena

Mountain Bike e Carrapato, Uma União Inevitável?

Carrapato Estrela ( Amblyomma cajennense)

Domínio: Eukariota
Reino: Animal
Subreino: Metazoa
Filo: Arthropoda
Subfilo: Chelicerata
Classe: Arachnida
Ordem: Acarina
Família: Ixodidae Argasidae

Carrapato Estrela - Micuim

Carrapato Estrela – Micuim

Carrapato Estrela Adulto

Carrapato Estrela Adulto

O foco desta post é conhecer um pouco mais desse pequeno e inconveniente parasita, que são animais artrópodes, da classe dos aracnídeos (como a aranha) e da ordem dos ácaros. Quem faz trilha de mountain bike com frequência, certamente já se deparou com esse bichinho inconveniente, e normalmente é sempre o carrapato estrela ou micuim (Amblyomma cajennense) que aparece para dar o ar graça, que por sinal não tem graça alguma. Ao contrário do que se pensa, o micuim não é um tipo de carrapato, mas um estágio de sua vida. O micuim é a larva do carrapato e é nesta fase que ocorrem a maioria dos ataques.

O assunto veio-me á tona porque no último pedal um amigo relatou ter encontrado após a trilha vários carrapatos em seu corpo, depois um outro também disse ter achado, não é a primeira vez que isso ocorre, muito pelo contrário, os ataques de carrapatos são bem mais comuns em humanos do pode parecer e podem trazer transtornos e doenças. No entanto, não serão esses seres minúsculos e irritantes que farão com que deixemos de pedalar pirambeira adentro, é claro.

Caso seja picado pelo carrapato estrela, molhe-o com álcool que ele morre desidratado. Antes de morrer ele recolhe a boca. Senão ele fica coçando por alguns dias, os pedacinhos dele ficam dentro da nós e pode dar alergia e inflamar o local. Pode-se usar o álcool gel que o ele morre embriagado, assim, tem uma morte feliz, pelo menos, menos dolorosa para esses nossos indesejados e eventuais companheiros de trilha.

Os períodos de incidência estão relacionados a condições de seca e baixas temperaturas para as formas jovens e de maior umidade e temperatura (tempo úmido e quente) para adultos. Mudanças climáticas, ao longo dos anos, podem alterar as épocas de ocorrência.

Importante lembrar que apesar dele ser um transmissor da perigosíssima febre maculosa, não é preciso entrar em pânico se for picado por um, é que para isso é preciso que ele esteja contaminado com o hospedeiro da bactéria Rickettsia rickettsii, o que não é a regra. Mas é obvio que não é bom também dar sopa para o azar, se puder evitá-lo, é sempre melhor.

O período de incubação é de 7 a 10 dias. Se for picado, é preciso atentar para que se neste período ocorrer uma espécie de “gripe” forte, pode ser a febre maculosa, então a pessoa deve procurar um posto de saúde e solicitar o tratamento específico que é simples se detectado no início,e está disponível na rede pública. Para que a transmissão da febre maculosa ocorra são necessárias pelo menos 6 horas de fixação do carrapato no hospedeiro. A transmissão é mais comum quando o carrapato se encontra nos estágios de larva ou ninfa, pois o adulto tem uma picada dolorosa, de modo que é rapidamente percebido e removido.

No site: http://vilsonarruda.blogspot.com.br, o entomólogo Luiz Antonio da Silveira Melo, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) conhece bem o carrapato-estrela, Amblyomma cajennense. Ele explica que sua ocorrência pode estar em todas as regiões do país e sua picada, além de produzir intenso prurido no local e lesões na pele, pode inocular a bactéria Rickettsia rickettsii, causadora da febre-maculosa.

Em relação as fases carrapato estrela, o especialistas explica: “O ciclo inicia-se pela larva ou micuim que é um carrapato minúsculo, com 6 pernas, difícil de se ver. Por isto as pessoas são mais picadas nessa fase”, diz. Após alguns dias alimentando-se do hospedeiro, as larvas vão para o solo, trocam de pele e passam à ninfa, que tem 8 pernas, voltando para o hospedeiro. Nessa fase os carrapatos têm por volta de 4mm de comprimento, são castanho-escuros e facilmente visíveis. Sugam sangue até ficarem “inchados”, voltam para o solo, passam para a fase adulta e retornam à última hospedagem, onde há o acasalamento. Depois, o macho morre e a fêmea permanece sugando sangue até ficar ingurgitada (bem gorda), caindo ao solo para fazer a postura que pode ter de 5 mil a 8 mil ovos. O pesquisador explica que, “para chegarem no hospedeiro, o carrapatos sobem pela vegetação, principalmente em capins e ficam à espera da passagem de um animal ou de uma pessoa, agarrando-se a ela. Na época de grande infestação, podem também chegar pelo chão, subindo pelos pés”

Ciclo_de_vida_do_Carrapato-estrela

Cuidados necessário para evitar infestação em Humanos:

-usar roupas compridas para evitar o contato com a pele e de cores claras, para permitir visualizar o carrapato com mais facilidade.

-usar se possível, calçados de cano longo, e se não estiver de calça, usar meião de jogar futebol para diminuir o máximo possível a área do corpo vulnerável ao ataque de carrapatos.

– procurar e retirar os carrapatos imediatamente depois de retornar da trilha.

– Se o carrapato grudar na pele, molhar um algodão com álcool para que ele saia rapidamente.

– a retirada do carrapato pode ser feita com o uso de uma pinça e com calma, através de leve torção para liberar as peças bucais do invertebrado. Não esmagar os carrapatos com as unhas, pois pode haver a liberação das bactérias ou contaminar a lesão na pele decorrente da picada do micuim.

– usar repelente específico para carrapato como da marca Exposis, é uma boa forma de evitar a picada.

– antes de lavar a roupa suspeita de estar com carrapato, deixá-la de molho no vinagre.

– após a exposição em áreas com suspeitas de carrapatos, tomar banho com sabonete de enxofre que é vendido em farmácias.

Estes cuidados são importantes para quem faz trilha de mountain bike, em especial, nos meses frios e secos do ano, época de predominância dos micuins. Espero que conhecendo melhor esses impertinentes companheiros de trilha fica um pouco mais fácil de lidar com suas picadas ou mesmo evitá-las.

Rudi Arena

3º Dia na Estrada Real – Cunha-SP à Paraty-RJ

Terceiro e último dia na Estrada Real, o dia com o pedal de menor quilometragem de nossa viagem, porém, isso não quer dizer que não foi preciso se esforçar bastante, pois os primeiros 30 km são praticamente só subida, não tem refresco nenhum e haja perna, joelho e pulmão para pedalar em tanta subida. Para compensar também, quando acabaram as subidas, só vieram descidas, uma atrás da outra, ininterruptamente, um verdadeiro paraíso do downhill de aproximadamente 20 km só de descidas íngremes e alucinantes. O difícil é não parar um pouco em algum momento para esticar os dedos, pois eles doem muito de tanto que tem que contraí-los para apertar o breque, esta peça da bike que foi muito exigida, pois se deixar a bike solta, é impossível fazer as curvas depois.

Quase em queda livre nas descidas, chegar até Paraty foi até que foi rápido. Assim, foi possível ter um pouco de tempo para aproveitar o sol ainda raiando na praia e saborear peixes e frutos do mar para fechar com chave de ouro o último dia de pedal, de uma viagem inesquecível pelos mais variados motivos. Porém, logo brisa do mar se foi, o tempo se esvaiu em um estalar de dos, no dia seguinte cedo teríamos que sair para uma longa viagem de mais de 600 km até voltarmos para Garça-SP.

Uma pena é que parte deste trecho foi recentemente pavimentado, motivo de uma longa controvérsia judicial, as obras haviam sido interditadas. Decisão judicial que entendo acertada, pois existem outras vias de acesso entre os dois municípios, e seria evidente o dano ambiental de asfaltar esta estrada que passa por belíssimas paisagens de serra da mata atlântica com uma biodiversidade riquíssima, pavimentá-la poderia colocar em risco tudo isso. A ação que originou este processo judicial, chegou a impedir qualquer trabalho de alargamento ou reparo no trecho de 12 km dentro do Parque Nacional da Serra da Bocaina. A medida foi requerida pelos ambientalistas, via Ibama, sob a argumentação de que a estrada da serra asfaltada, criaria desequilíbrios ecológicos e fortes impactos ambientais à flora e fauna. No entanto, o jogo virou e a informação é de que 100 homens já estão trabalhando e máquinas e equipamentos retornaram ao local da obra. Estas, que estiveram embargadas de 23 de agosto a 01 de outubro de 2014 em decorrência de ação judicial, foram retomadas em 05 de março de 2015. Mais uma vez, a natureza perdeu frente a interesses de econômicos.

Rudi Arena

2º Dia na Estrada Real – Trecho de Cruzeiro-SP à Cunha-SP

Um pouco mais habituados a Estrada Real e seus marcos que indicam a direção a ser seguida, iniciamos nosso 2º dia de pedal com destino a bela cidade de Cunha, já bem próximo do estado do Rio de Janeiro. A expectativa era que o dia fosse longo, pois dos três dias programados, este era o trecho de maior quilometragem, mais de 100 km a serem pedalados, ainda bem que o café da manhã foi bom o suficiente para fornecer a energia necessária para o começo do pedal que prometia ser longo e cansativo, uma vez que no dia anterior já haviam sidos pedalados 90 km.

Após um início de pedal chuvoso no começo da manhã que fez com que as bicicletas ficassem repletas de barro, o sol acabou vindo com força depois, foi então que passamos pela subestação de energia elétrica de Furnas na cidade de Cachoeira Paulista e pedimos para lavar as bikes, o que nos foi autorizado de pronto.

Este foi o único dia em que pedalamos apenas no estado de São Paulo, porém saímos da divisa de Minas Gerais e fomos até a divisa do estado do Rio de Janeiro. Infelizmente, foi um dia em que pegamos mais asfalto e também um bom trecho com uma paisagem mais urbana, principalmente quando passamos pela a região de Guaratinguetá. No entanto, os belos visuais de Serra tanto quando saímos de Cruzeiro como quando chegamos à Cunha acabou por compensar a parte que percorremos por uma paisagem nem tão bela assim.

Ao Final, foi o dia mais cansativo sem dúvida, dado a alta distância percorrida, foram pouco mais de 100 km, e também pelo fato de termos que superar grande elevação de altitude, saímos de altitude de 517 metros para 950 metros, e com muitas subidas íngremes pelo caminho. E um fato curioso que ocorreu, foi ter encontrado um senhor em um sítio por onde passa estrada real e ele estava com um saco cheio de formigas iças que ele havia coletado para alimentação. As famosas tanajuras, que todo mundo já ouviu falar que são consumidas por humanos, mas difícil é encontrar essas pessoas que as comem, e não é que encontramos uma. Aliás, o mesmo senhor disse que é uma delícia e que vale a pena o esforço. Fica aí a dica para quem gosta de arriscar novos sabores, trata-se de um hábito herdado dos indígenas e que continua vivo até os dias de hoje no Brasil.

Rudi Arena

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cachoeira do Fundão – Serra da Canastra

Se existe algum fundo na Serra da Canastra, esse lugar só pode ser a Cachoeira do Fundão, pois ela parece estar lá no fundo mesmo, e quanto mais se aproxima dela, mais a fundo parece mergulhar na Serra da Canastra. A estrada de terra caminha em uma direção distante de tudo e de todos, é distante de todas as portarias do Parque Nacional da Serra da Canastra, e quando temos a sensação de que enfim chegamos, não, sempre é preciso seguir mais a fundo. Chegar à sede da Fazenda, não é o ponto final, pois a cachoeira mesmo, ainda é necessário andar bastante, atravessar um rio, percorrer uma estreita e alta trilha em meio à montanhas, até finalmente chegar no pé da cachoeira que já de longe já reluzia e chamava a atenção dos olhos.

Sem dúvida alguma, considero ser esta a melhor e mais bela cachoeira que eu já conheci, á água é extremamente limpa, mas também gelada, é repleta de peixinhos e possui um poço largo e bastante profundo, ao redor, as belíssimas e grandiosas montanhas fazem uma espécie de moldura para a cachoeira, como se fosse um quadro pintado minuciosamente pela generosa natureza da Serra da Canastra. Porém, tentar ficar em baixo cachoeira é tarefa quase impossível, tamanha força da queda da água.

Assim, todo o esforço e tempo despendidos para chegar lá, acabou valendo muito a pena. E, tudo isso custou módicos R$10,00 que nos foram cobrados de entrada, e ainda tivemos uma recepção bem hospitaleira e o prazer de apreciar o famoso queijo canastra com um bom café mineiro, que além de saborosos, foi muito importante para dar a energia necessária para encarar o longo pedal de volta até a cidade de São Roque de Minas. O total do percurso foi de mais de pouco mais 100 quilômetros do mais puro pedal de montanha.

Neste dia, é digno de nota a aparição de um lobo-guará que deu o ar dá graça e deixou que registrássemos uma foto. Realmente, não dá pra reclamar deste pedal que foi mais do que recompensador. Sem contar que a trilha passa pela nascente do Rio São Francisco, entre outras paisagens de tirar o chapéu. Por tudo isso, esta trilha é recomendadíssima, vale a pena fazer e conhecer a Cachoeira do Fundão encravada nas montanhas da Serra da Canastra, seja de Bike, Moto ou Carro, difícil é se arrepender depois.

Rudi Arena

Este slideshow necessita de JavaScript.