A Lendária Cachoeira do Gaia (Inédita) e o Vale do Rio Tibiriça em Garça-SP

IMG-20200723-WA0070

A Cachoeira do Gaia

O destino inicial do pedal era chegar na Lendária Cachoeira do Gaia, muito frequentada  e conhecida  pelos garcenses da antiga, aproximadamente há 30 anos, ouvia-se falar muito desta cachoeira,  principalmente em aos moradores da Vila Rebelo. Nas realidade, não se trata apenas de uma cachoeira, mas sim de um complexo de cachoeiras, mas infelizmente não foi possível explorar todas elas nesse dia.   Hoje, com a expansão da malha urbana em Garça-SP, a cachoeira hoje fica mais próxima da cidade ainda, mais especificamente perto do bairro do Frei Aurélio e do Monte Verde. O lado ruim desta proximidade, ela que ela acaba por sofrer com a poluição do lixo jogado na cidade, com as chuvas, esse lixo acaba descendo em direção ao começo do Rio Tibiriçá, por isso é possível achar muito plásticos na cachoeira, o que é lamentável para um lugar em que a natureza foi tão generosa.

IMG_20200718_153855

O Caminho a Beira do Vale do Rio Tibiriçá

Depois de chegar na Cachoeira do Gaia pela estrada de terra que existe ao final do distrito de indústrias de Garça, resolvemos seguir beirando o vale do Rio Tibiriça e logo avistamos uma linda  cachoeira à distância. Então chegar até ela passou a ser o nosso objetivo dali em diante, mas sempre pedalando pelo pasto e contornando o vale. Assim passamos por atrás do bairro São Lucas, do aterro sanitário e do prédio do SAPROMI, e seguimos adiante, afastando-se da zona urbana.

IMG-20200718-WA0112

IMG_20200718_162747

O Pico do Carcará

Com o sol já caindo, enfim, chegamos na cachoeira, conhecida como Pico do Carcará, pois são muitas aves dessa espécie que circundam o lugar. De cima do pico, a visão é estonteante, um patrimônio natural pouco conhecido e preservado do município, próximo do aeroporto e da Estação de tratamento de Esgoto do SAEE. No total, foram pouco mais de 20 km pedalados, mas em razão do terreno, geralmente de grama e trios de boi, o pedal é um tanto arrastado, ainda mais porque são muitas as cercas a serem atravessadas. Mas só o visual de pedalar avistando uma linda cachoeira  já compensa qualquer esforço, a parte ruim mesmo é o mal cheiro de quando aproxima da estação de tratamento de esgoto, mas é assim mesmo, tudo tem o seu custo.

Rudi Arena

 

IMG_20200718_173513

IMG_20200718_173653

IMG_20200718_174241

Cenas exclusivas feitas pelo nosso amigo Vicente Conessa com o novo Piramba Cop, muitas outras belas imagens aéreas de Garça ainda virão:

Cachoeira do Gaia:

 

Pico do Carcará:

O Perigo mora ao lado….ao lado da ponte!!!

Mais um perigo que um dos nossos pirambeiros passou poucos dias depois de um outro susto que aconteceu na estrada da Cia Inglesa. Em um noite de inverno em que o destino do pedal era ir para Álvaro de Carvalho pela pirambeira, pela bairro de  Itiratupã do distrito de Jafa, por lá, não existe rodovia ou estrada de terra para chegar, mas com farol, a falta da luz natural do sol não foi problema para o Piramba MTB.

Na situação retratada pelo vídeo, o problema foi a ponte, ou, o que existe do lado da ponte, na realidade, pode não ter sido um problema e sim uma solução, já que do lado da ponte corre um rio e foram as águas deste que acabou por amortecer a queda do nosso amigo que caiu da ponte quando se desequilibrou ao passar de bicicleta por ela.  É que existe um grande desnível de altura entre as tábuas que compõe a ponte, e quando o pneu pegou esse desnível o nosso mais novo Pirambeiro perdeu o controle da magrela e caiu com tudo no leito do rio.

A sorte é que só foi um susto, embora tenha ficado molhado para continuar o pedal noturno com a friaca das noites de inverno. Mas por outro lado, poderia ter uma pedra, um toco, uma estaca, mas ainda bem que não havia nada disso e depois esta situação acabou virando um momento de descontração logo após o susto, e foi nessa hora que foi feito o vídeo aqui postado.

Fica mais um alerta, todo cuidado é pouco, acidentes acontecem, mas é preciso tomar cuidados que diminuam a possibilidade de ocorrer um, a passagem por pontes sempre merece uma atenção especial, ainda que de carro. E no caso dessa ponte, o perigo é grande , pois tem várias partes com grande desnível, se estiver alta velocidade e o pneu passar de lado pela saliência, perde-se fácil o controle da bike.

Isso também já aconteceu comigo quando depois de uma longa e íngreme descida, ao passar com velocidade pela ponte da estrada do saltinho, muito parecida com esta em Álvaro de Carvalho,  a bike deu um solavanco ao passar pelo desnível, perdi a frente, e assim que a bike atravessou desequilibradamente pela ponte, foi com tudo para um lado e bateu forte em um barranco, o que entortou muito a roda, só que poderia ter sido pior se tivesse caído da ponte.

Rudi Arena

 

CRÉDITOS

Protagonista:
Arthur (Aranha)

Filmagem e Narração:
Fabiano Rosário

Iluminação:
Paulo Volponi e
João Daniel

Edição:
Rudi Arena

Local:
Álvaro de Carvalho-SP

Data:
06/07/2020

Pedal do Dedo de Deus em Nova Colúmbia (Ocauçu-SP) +100km

O Percurso

O sábado começou com uma manhã bem fria, mas a temperatura já ficou mais amena, ótimo clima para pedalar mais de 100km. A saída foi de Garça, passando por Vera Cruz e Marília, de lá descemos a bela serra em direção ao distrito de Nova Colúmbia (Ocauçu-SP). Depois, atravessamos a BR-153 (Transbrasiliana) para seguir adiante, passamos por Lupércio, Alvinlândia, até voltar para Garça.

A União Pirambeira

O trabalho em equipe neste pedal foi fundamental para que chegássemos bem e fizéssemos todos o percurso em um ritmo legal, todos juntos e um pirambeiro apoiando o outro. E assim, não só o pedal de cada um se fortaleceu ainda mais para encarar os novos desafios, como também ajudou a estreitar ainda mais o vínculo de amizade entre nós.

O Areião

A pior parte do pedal, não foi a longa quilometragem, nem o sol do meio-dia, muito menos a forte subida que tem para chegar em Nova Colúmbia, mas sim os vários trechos de areião causado pelo tempo seco. Aí era preciso se esforçar muito e ainda assim, parecia que a bicicleta não saia do lugar. Mas se tudo fosse fácil perderia totalmente a graça também, faz parte do mountain bike, e é muito comum em nossa região.

Os Atrativos da Serra 

De longe o trecho mais legal deste pedal é o da serra entre Marília e Nova Colúmbia,  são paisagens de cair o queixo, paredões, muita mata ao redor da estrada, tem o pontilhão do rio do peixe,  e também uma espécie de mini gruta,  para os amantes do MTB, muitas descidas e subidas brutas e é claro, tem também o Dedo de Deus ou Torre de Pedra.

O Dedo de Deus

Este monumento natural fica na área rural de Nova Colúmbia, mas não muito longe dos municípios de Lupércio, Ocauçu e Marília.  Esta grande pedra vertical desprendida do rochedo parece ter sido formada através da ação do tempo, pode ter demorado quem sabe algumas centenas de anos para chegar a essa forma curiosa.

As Paradas pelo Caminho

Algumas paradas também foram cruciais, em Marília uma rápida parada com 30km já rodados. Mais adiante, não poderíamos deixar de parar para contemplar o Dedo de Deus. Depois,  teve uma parada estratégica, foi em um bar em Nova Colúmbia, próximo da hora do almoço, era preciso repor as energias.  E por último paramos  na Venda Seca, já próximo de Garça, para tomar uma tubaína e descansar um pouquinho e seguir em frente para finalizar o pedal.

A Sensação da Chegada

Ao final, a sensação foi de  tudo deu para lá de certo, e chegamos melhor até do que a gente imaginava. O sentimento foi de orgulho do trabalho em equipe que fizemos ao longo do pedal, fez toda a diferença. Pedalamos um bom trecho em pelotão, um incentivava o outro, aproveitamos o vácuo, revezamos o ciclista que puxava a fila, assim o esforço foi menor e chegamos menos cansado.  A recompensa foi comemorar esse grande pedal com aquela cerveja gelada. Que venha o próximo longão !!!

              Rudi  Arena

 

DSC00927

IMG-20200509-WA0014

 

 

IMG_20200509_103819

IMG-20200509-WA0022

 

DSC00971

IMG_20200509_112656

DSCF2895

DSC04014

DSCF2917

IMG_20200509_115932

DSC01000

IMG_20200509_143750

IMG-20200510-WA0031

 

A Linda Cachoeira Rosa e a Nascente do Rio do Peixe. (Garça, o Berço D´ Àgua!!!!)

Em uma manhã fria de outono e com muito vento, o Piramba MTB se reuniu para pedalar e conhecer mais uma belíssima cachoeira de Garça-SP,  porém não muito distante de Gália-SP também.  Embora alguns já conheciam este local encantador, para a maioria de nós era novidade, eu mesmo nunca tinha ido. Isso é mais uma prova viva e plena do quanto é preciosa essa nossa região no que se refere às maravilhas da natureza e também ao potencial para o ecoturismo. Apesar da cachoeira ser espetacular, ela é apenas mais uma entre muitas outras joias que Garça e o seu entorno possuem.

O caminho para chegar até ela pode ser por uma entrada da Estrada da 09 de Julho ou pela estrada de terra que tem atrás da Venda Seca, localizada no trevo da Rodovia SP-349 com a SP-331. A cachoeira fica a 20 km da cidade de Garça e  só é permitida a entrada com expressa autorização dos proprietários.

O Encanto da Cachoeira 

Embora nem todos tiveram a ousadia de enfrentar o frio e entrar em suas águas para lá de geladas, não tinha como ficar indiferente ao encanto do lugar, o tom esverdeado de seu poço, o véu de água reluzente da cachoeira, a beleza da areia branca no fundo do leito no rio e  ainda ao lado tinha uma espécie de uma pequena gruta encravada no paredão de arenito.

A Nascente do Rio do Peixe

As águas límpidas dessa cachoeira vêm de um local bem próxima dali, trata-se de uma importante nascente do Rio do Peixe  que possui no total  380km de extensão. Porém, é uma pena que no início de seu curso ele sofra com a forte poluição já na altura do município de Marília, e é lá também que ele ganha o nome de Rio do Peixe. Muito embora o Google Maps já considere este nome em sua nascente em Garça, este curso d´água sempre foi conhecido como Rio ou Ribeirão da Garça enquanto em território garcense.

A Poluição do Rio do Peixe

É triste constatar que essa água que brota tão limpa e que é fundamental para a formação do  Rio do Peixe logo mais já perde seu encanto, e em questão de poucos quilômetros adiante sua água fica turva por causa de lançamento de esgoto não tratado  e o leito do rio bem assoreado. A consequência é que  os peixes que em outrora eram fartos e variados agora rareiam. A grande maioria das  espécies desses animais já desapareceram do rio, e há muito tempo. Porém, ainda é bem capaz de ter alguém ainda vivo que já tenha fisgado um belo de um dourado em suas águas.

Garça, Município Privilegiado por Natureza.

No entanto, se por um  lado  tem muita poluição rio abaixo,  já rio acima nos reserva algumas  preciosidades, por isso, é preciso reconhecer que Garça é muito privilegiada pelo fato de ser um berço das nascentes dos três dos maiores rios do Centro Oeste e do Oeste Paulista. Assim, é possível ainda desfrutar de ribeirões e cachoeiras com água limpa, longe dos agentes poluentes que são despejados na medida que o rio desce de altitude e segue seu curso. Também é preciso levar em consideração o bom tratamento de esgoto que o município  possui,   já que isso é fundamental para que aqui tenhamos água própria para banhos na maioria esmagadora das cachoeiras que até parecem infinitas, de tantas que existem. E quantas dessas belezas ainda  continuam escondidas vales abaixo e grotões adentro????????

               Rudi Arena

 

Agradecimentos especial ao meu grande amigo de pedal, cachoeiras e churrasco, o  Prof. Victor Lopes Braccialli*, especialista em Gerenciamento de Recursos Hídricos, que me deu uma breve e preciosa aula sobre a localização das nascentes que existem em Garça e também sobre as bacias hidrográficas dos rios da região.

*Currículol Lattes: http://lattes.cnpq.br/7199044431766861

 

Imagem de Satélite de Nascente do Rio do Peixe (Garça):

A grande nascente do Rio do Peixe em Garça está à margem da SP-331 e aproximadamente perto da venda seca e também do trevo entre Garça e Gália, porém em direção a Alvinlândia e Lupércio. Conhecido como rio ou ribeirão da Garça, ele nasce no alto do planalto da Serra dos Agudos e corta o sul de Garça, também passa pelo sul de Vera Cruz até se juntar um pouco depois a outro curso d´água para então formar esse importante rio de nossa região.

“O Rio do Peixe forma-se da junção do Ribeirão da Garça, que nasce na Serra dos Agudos na cidade de Garça, a uma altitude de aproximadamente 670 metros, e do Ribeirão do Alegre, que nasce no Município de Alvilândia, a uma cota média de 680 metros. Percorrendo uma extensão de 380 km, o Rio do Peixe desemboca no Rio Paraná a um altitude de 240 metros.” (Prandi, 2010, Pag 19)

https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/102955/prandi_ec_dr_rcla.pdf?sequence=1

 

O percurso do Rio do Peixe de suas nascentes até sua foz no Rio Paraná:

http://www.sigrh.sp.gov.br/cbhap/apresentacao:

Área de drenagem: 10.769 km²
População: 444.290 habitantes
Principais atividades econômicas: Nas áreas urbanizadas destacam-se os setores de serviços e comércio, com exceção de Marília, considerada polo regional e onde se concentra grande parte das atividades industriais, principalmente do segmento alimentício. Nas áreas rurais ainda há predominância da pecuária, com forte expansão da agroindústria de cana.
Vegetação remanescente: Apresenta 796 km² de vegetação natural remanescente que ocupa, aproximadamente, 7% da área da UGRHI. As categorias de maior ocorrência são Floresta Estacional Semidecidual e Formação Arbórea/Arbustiva em Região da Várzea.
Unidades de Conservação: O Parque Estadual do Rio Peixe é uma unidade de conservação do estado de São Paulo criado pelo Decreto Estadual nº 47.095, de 18 de setembro de 2002, e possui uma área de 7.720 hectares abrangendo os municípios de Presidente Venceslau, Piquerobi, Dracena e Ouro Verde.

Rio do Peixe *

* https://pt.wikipedia.org/wiki/Geografia_de_Mar%C3%ADlia
 O Rio do Peixe, que nasce no município de Garça, corta a parte sul do município de Marília. Os fluxos hídrícos que nascem na parte sul do espigão correm a seu encontro. Em Marília os principais afluentes do Rio do Peixe são:

Pela margem direita.

  • Ribeirão do Alegre: nasce a 10 km, em Gália, corre em rumo geral no sentido oeste até sua confluência com o Rio do Peixe a sudeste de Marília.
  • Ribeirão do Barbosa (poluído): nasce em Marília nas proximidades de onde passa a rodovia SP 294, limite sul da cidade e corre no sentido sudoeste desagüando no Peixe.
  • Rio do Pombo (poluído): nasce em Marília, na baixada das proximidades do antigo prédio da Telesp seguindo rumo oeste até desaguar no Rio do Peixe. Possui vários afluentes como o Córrego São Francisco, Invernada, Trombador, Santa Maria, Ferrugem, Santana, Santo Antônio e Flor Roxa.
  • Ribeirão da Prata: tem as suas cabeceiras no bairro do Prata e, após um percurso de 14 km, deságüa no Peixe.

Pela margem esquerda.

 

Imagem de Satélite da Nascente do Rio Feio (Garça/Gália):

O município de Garça ainda é fundamental para a formação do Rio Aguapéi ou Rio Feio.  Embora sua nascente não seja considerada propriamente em Garça, mas sim em Gália, ela está localizada praticamente na divisa entre os dois municípios e bem próximo também da rodovia SP-294, na altura do trevo de entrada para o bairro São José, no km 409.  Mais precisamente, atrás de estão instaladas várias antenas de transmissão ao final da Estrada da Adrianita. E são as águas que descem dessa e outras nascentes de Garça e Gália (Fazenda de Eucalipto da Duratex) que dão vida a outro importante curso d´água da região Centro-Oeste paulista e que segue por 420 km até desaguar no Rio Paraná.

Imagem de Satélite da Nascente do Rio Tibiriçá (Garça-SP):

E não é o só do Rio do Peixe que aqui nasce, o Rio Tibiriçá é um outro nativo de Garça, ele nasce dentro da cidade, mas em razão da expansão da malha urbana, a sua nascente original foi aterra e agora sua água aflora próximo ao conhecido Buracão da feira livre, embora sua nascente original seja na Praça Pedro de Toledo, mais conhecida como a “praça do cinema” da cidade.  E segue seu curso  passando entre os bairros do Frei Aurélio e Jardim Paulista, passa ao lado do tratamento de esgoto do SAEE e despois corre paralelo à rodovia estadual SP-349 (Garça/Álvaro de Carvalho) mas não próximo dela. Porém, este é o menor dos rios que nascem em Garça, possui apenas 90 km de comprimento até então deságua no Rio Aguapeí a não mais que seis km de Luziânia-SP.

 

IMG-20200503-WA0053

 

IMG-20200503-WA0072

IMG_20200503_101453

IMG-20200503-WA0016

IMG_20200503_101441

DSC00845

DSC00887

IMG-20200503-WA0050

 

Todos os Produtos com a Marca Piramba MTB

A marca Piramba MTB está cada vez mais presente e são vários os produtos já confeccionados:

Tapete

IMG_20200521_103213

 

Boné

IMG_20200521_103735

IMG_20200521_103825

A Primeira Camisa de Ciclismo do Piramba MTB (manga curta e longa)

IMG_20200521_110641

IMG_20200521_110903

A Segunda Camisa de Ciclismo do Piramba MTB (com manguito)

IMG_20200521_104154

IMG_20200521_104322

A Terceira Camisa do Piramba MTB

IMG-20200519-WA0009

 

Os vários adesivos já confeccionados ao longo do tempo, tem para colar em vidro, tem em variados tamanhos e com mudanças na arte, o último já com QRCode: 

IMG_20200521_111154

Bretelli do Piramba MTB:

IMG-20200522-WA0013

IMG-20200212-WA0029

Bandeira do Piramba MTB:

IMG_20200201_133557

 

20200314_162306

IMG-20200314-WA0076

A Nova Camisa de Ciclismo do Piramba MTB!!!

Acabou  de sair da fornalha a mais nova camisa do Piramba, o que fortalece ainda mais a nossa marca. Esta é a terceira geração de camisa de ciclismo do Piramba MTB e a estreia dela no pedal ocorreu nesta semana.

 

IMG-20200519-WA0009

 

IMG-20200521-WA0007

 

Screenshot_20200521-095424~2

Conexão Piramba Califórnia

Los Angeles é uma grande cidade do sul da Califórnia e também muito conhecida como o centro da indústria de cinema e televisão dos Estados Unidos. Em busca do famoso letreiro de Hollywood, minha primeira conexão Piramba X Califórnia parecia um sonho até o momento, mas logo se tornou uma realidade.

O Caminho me convidava a fazer um trekking ou uma hiking como é chamada aqui, me fazendo relembrar os bons tempos de trilhas na saudosa cidade de Garça.

O que mais me chamou a atenção foi que todos os lugares que eu olhava, eu via uma paisagem diferente e muito bonita, uma sensação de paz e reenergização.

Minha primeira aventura percorreu os caminhos daquela trilha da famosa montanha do letreiro de Hollywood, Mount Lee, uma experiência muito recompensadora a medida que subia o trajeto que me parecia ir ao encontro do Letreiro.

Assista ao Primeiro Conexão Piramba Califórnia e se gostar, já sabe!!! Compartilhe!!

Thiago Bulho.

Acesse também as redes sociais do Piramba MTB. 

Matéria sobre o Turismo em Garça com Participação do Piramba MTB (TV Record)

Dia 27/12/2019 foi veiculado no programa Balanço Geral do interior, exibido pela TV Record e  dentro da série “Expedição ao Interior”,  uma reportagem que trata da nossa querida cidade de Garça-SP, muito estimada pelo Piramba MTB, pois é ela que proporciona as iradas trilhas e as belas cachoeiras que tanto desfrutamos.

Logo, esta matéria de TV que enaltece os atributos turísticos do município, foi motivo de grande alegria para nós. Ainda mais, porque sempre batemos na tecla do grande potencial de ecoturismo que é subestimado no local,  tamanha são as beleza naturais que existem  escondidas em seus diversos vales e grotões.

Tem mais, contribuímos em um pequeno trecho do vídeo em que nosso grande amigo Pirambeiro Vicente Concessa é entrevistado  e ao fundo aparecem outros pirambeiros com  suas magrelas em seu habitat natural. A breve participação do Piramba MTB surge a partir dos 5 minutos do vídeo.

Vale a pena conferir toda a matéria que mostra a tranquilidade do Jardim Japonês, a beleza do Bosque das Cerejeiras, e os atrativos do Lago Artificial J. K. Willians como um todo, tem ainda o encanto do Hipismo com provas do tambor e  as cavalgadas em meio a natureza.

Isso não é tudo, aqui também é lugar de muitas trilhas e ao menos  80 cachoeiras para quem quiser se aventurar em algo mais radical, só o Piramba MTB já visitou e registrou cerca de 40 na região e depois consolidou essas informações no mapa abaixo.  Nessa questão, a mãe natureza foi muito generosa com Garça e seu entorno. E vou além, existe ainda um outro atrativo local que vem despertando interesse, é a observação de aves, pois para quem gosta do tema a região é um prato cheio.

E não é só, tem também várias florestas, desde de mata atlântica, de mogno africano, de eucaliptos e seringueiras, e ainda muitos cafezais espalhados.  Sem contar o potencial para explorar a rica história do município ligada a cultura cafeeira, e o legado deixado em várias de suas tradicionais fazendas de Café. É uma região muito associada a esta cultura, e um lugar em que 80% de sua produção é voltada para exportação do café tipo arábica, considerado superior.

Assim, alguns cafeicultores de Garça já trabalham para fazer cafés especiais,  e também para o reconhecimento de identidade geográfica  para agregar valor ao produto local, e assim quem sabe se tornar uma referência no tema.  Pensando mais longe, porque não criar uma Rota do Café, para visitar as belas plantações, as antigas fazendas  e quem sabe também ter estrutura para degustar cafés nobres.

Não é algo impossível, pelo contrário, e isso poderia ser uma boa forma do município alavancar sua economia, tanto ao agregar maior valor ao Café produzido aqui, como  também com o Ecoturismo e o Turismo Rural, se fizer um elo entre essas duas coisas com sustentabilidade, Garça só tem a ganhar.

Um ótimo ANO NOVO a todos com muita saúde e paz sobretudo, e que as realizações e alegrias se multipliquem, sempre com muito respeito a vida, ao meio ambiente e as pessoas. Para o Piramba MTB que seja um ano de muita atividade, com muito pedal, fortalecimento das amizades e bastante contato com a natureza.

Rudi Arena

 

 

 

 

Volta da Duratex (Perdidos) Gália

Em um dia quente de inverno, os pirambeiros de plantão resolveram fazer um pedal com a cara do Piramba MTB, e ainda contamos com a presença do grande ciclista do município de Garça-SP, o Anderson, mais conhecido como Nino, não se trata do famoso ciclista suiço Nino Schuter, mas também pedala muito.

O destino foi pedalar dentro da grande floresta de eucaliptos pertencente a  empresa Duratex e cuja fazenda fica entre os municípios de Garça e Gália-SP, relativamente próximo das margens da Rodovia SP-294. O lugar também é conhecido como “Perdidos”, uma vez que é muito fácil se perder por ali em meio a um mar de eucaliptos e os diversos caminhos e trilhas disponíveis no local.

Também já ocorreu ali um sério ataque de abelhas, com direito a bombeiros, amigos de bike separados das bikes e uns dos outros na correria, muitas picadas e hospital no final, para você perceber que nem tudo são são flores e sempre existe um perigo ali e aqui, quando se menos espera.

Apesar de muitos já terem ficado desorientados no lugar, desta vez não tivemos este tipo de problema, como também passamos longe das abelhas.  O único problema que enfrentamos com sucesso foi a quebra de corrente de um dos pirambeiros que logo foi consertada, de resto, foi só alegria, belas paisagens, suor e adrenalina.

Rudi Arena

DSC00248

DSC00236

 

DSC00239

IMG-20190810-WA0047

IMG-20190810-WA0052

DSC00271

 

Piramba MTB no Desafio Giros e Trilhas de Cicloturismo – Fazenda Igurê – Garça-SP

O ciclista Guilherme Botelho brilhou no Desafio Giros e Trilhas ao chegar na segunda colocação na competição, e colocou o Piramba MTB em lugar de destaque.

 

No último domingo dia 26/05/2019 aconteceu o Desafio Giros e Trilhas de Cicloturismo na Fazenda Igurê em Garça-SP e o Piramba MTB marcou forte presença neste pedal.

No mesmo evento teve a prova com 45 km na modo competição e também o passeio de 40 km no modo de cicloturismo. Em ambos o Piramba MTB este presente, e muito bem representado.

Na prova competitiva contou com a brilhante participação do ciclista Guilherme Botelho que por muito pouco não subiu no degrau mais alto do pódio de premiação, mas garantiu a segunda colocação com muito mérito, demonstrou toda a sua força no pedal e foi o grande orgulho do Piramba MTB com seu desempenho espetacular.

Mas também muitos outros amigos pirambeiros participaram do evento e orgulhosamente estamparam a logo do Piramba no peito. A Fazenda Igurê sempre foi um prato cheio para nós, pois a propriedade rural possui muitas trilhas que são a cara do grupo.

Os caminhos da fazenda contam com boas subidas e descidas, e também com muito área verde e água, pois tem trilhas que passam por represas e mata fechada, bem como por estrada em meio a pés de cafés, seringueiras e eucaliptos, com os mais variados terrenos e paisagens. Por isso mesmo, o Piramba MTB não poderia deixar de participar em peso e prestigiar este grande evento ciclístico que aconteceu em nosso município.

IMG-20190526-WA0016

IMG-20190526-WA0030

IMG-20190526-WA0029

IMG-20190527-WA0003

IMG-20190527-WA0008

IMG-20190514-WA0028

IMG-20190514-WA0029

Você conhece a cachoeira da união?

Você conhece a cachoeira da união? Fica na cidade de Garça! Venha conferir todas as nossas cachoeiras!Turismo em Garça.
Nossa amigo Tom conseguiu sobrevoar a cachoeira e nos deu de presente essas cenas.
#Cachoeira #União #Waterfall #Aventura #Drone #Fly #Nature #Garça#Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil #Marília #Bauru#Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

 

Conheça a Cachoeira do Carcará!!

Conheça a Cachoeira do Carcará vista de cima!!!

É apenas uma das centenas de cachoeiras de Garça-SP, próxima a cidade, fica entre o bairro São Lucas e o Aeroporto do município.

Imagens gentilmente cedidas por Antônio Brandão

#Cachoeira #Pneu #União #Waterfall #Carcara #Aventura #Drone #Fly#Nature #Garça #Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil#Marília #Bauru #Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

Cachoeira do Pneu ou Stand

Conhece a Cachoeira do Pneu? Você pode ter ouvido fala então na cachoeira do Stand?
Nosso amigo Antônio Brandão nos proporcionando essas belas imagens!!

#Cachoeira #Pneu #União #Waterfall #Aventura #Drone #Fly #Nature #Garça #Piramba #Turismo #CentroOeste #Paulista #Brasil #Marília #Bauru #Ourinhos #Lins #RioPreto #SãoPaulo #Campinas

Poço do Porco e Pico do Urubu

Um pedal rápido, fácil e muito prazeroso, ainda mais em um dia quente. Sem  percorrer grandes quilometragem e nem ter que superar muitas dificuldades pelo percurso, já é possível chegar no Poço do Porco para tomarmos aquele banho de cachoeira de lavar a alma  e espairecer a mente.

Depois, ao seguir um pouco mais do curso d´água já é o Pico do Urubu, um lugar de uma beleza impactante e ótimo para contemplar o belo horizonte a beira de um precipício mortal. Foi uma boa  pedida para um dia de forte calor, e também para reunir os amigos,colocar a conversa em dia e dar boas risadas.

Neste pedal, contamos  com presença de um companheiro de pedal das antigas e que está voltando para a ativa e também tivemos a participação  especial e não programada de um dos um grande ciclista de Garça, a conferir.

Rudi Arena

 

Vale do Céu – Serra da Canastra – Minas Gerais

 

A Serra da Canastra é um lugar tão fascinante que até parece que seus encantos são infinitos, assim como na outra viagem para a Canastra, fomos embora com a sensação de que conhecemos só alguns dos muitos atrativos que a Serra da Canastra pode proporcionar. Da primeira vez ficamos em São Roque de Minas e exploramos o parque nacional da Serra da Canastra, desta vez ficamos em São João Batista do Glória, mas em ambas viagens sentimos que faltaram dias para que pudéssemos conhecer ao menos as principais atrações turísticas de cada região. O lugar é de uma riqueza natural abundante, e ainda tem a parte da que fica no município de Delfinópolis que falta para a gente conhecer ainda, que também possui dezenas de cachoeiras e belas paisagens, ou seja, não é possível conhecer os principais atrativos da Canastra em apenas alguns dias, quem dera então ela toda.

Entre tantas opções é preciso escolher alguma, e neste dia resolvemos conhecer o Vale do Céu.  Embora em seu endereço oficialmente pertença ao município de Delfinópolis,  fica bem perto de São João Batista do Glória. A quilometragem não total do pedal não é muito grande, cerca de 54 km ida e volta, a maior dificuldade  foram as longas subidas de acentuada inclinação,  o ganho de altitude é respeitável. Um teste e tanto para nós ciclistas,  só que para todo esforço nesta Serra  tem sempre uma recompensa para lá de satisfatória, e não poderia ter sido diferente neste caso.

O que encontramos foi um lugar com uma super estrutura, que além de ser também pousada, oferece um delicioso almoço aos visitantes que  optarem por não ir embora de barriga vazia. Atrativos não faltam, são várias trilhas, vistas de cair o queixo e belas cachoeiras para tomar banho. O diferencial do local é que a além de tudo isso, ainda possui varias construções voltadas para a arte, cultura e educação ambiental. Também há espaço com redes para descanso, entre outras opções para relaxar.

O valor não é dos mais baratos, mas tem um bom custo benefício, para a visitação apenas das cachoeiras é preciso desembolsar R$40,00 e se quiser almoçar também, são outros $40,00 adicionais. Mas também, aí será possível  desfrutar a vontade de uma comida estilo caseira, simples e muita saborosa, com o gostinho característico da prestigiada cozinha mineira. O difícil foi ter que encarar o pedal da volta depois de uma farta refeição, pois a fome era grande e a comida muito boa,  assim,  controlar a gula não é das tarefas mais simples nessa situação.

Rudi Arena

2017-05-16 00.50.19

DSC06271

DSC06262

DSC06266

DSC06255

DSC06281

DSC06340

P5131376

 

 

P5131367

P5131358

DSC06313

DSC06414

DSC06442

P5131400

Cachoeira da Constroli, Antes e Depois.

 

IMG-20170925-WA0051

Totalmente irreconhecível ficou o lugar, infelizmente a Cachoeira da Constroli  não é mais a mesma. Recentemente fomos lá  e cena foi estarrecedora, tudo estava diferente, nem parecia mais o mesmo lugar,  algo que beira o inacreditável, o choque foi muito grande. O que aconteceu para tamanha transformação? A bela imagem guardada na memória se desmanchou em pouco tempo. Cadê o largo poço que ali existia? Como apareceu tantas pedras, troncos e galhos amontoados? Qual o motivo de as encostas laterais  terem desmoronado? Será que a força da chuva por si só foi capaz de fazer tamanho estrago?

Olha o lindo poço que havia:

IMG-20171019-WA0046

 

E hoje, veja só o estrago, como o lugar perdeu boa parte de seu encanto:

 

IMG_20170923_163140371_HDR

IMG_20170923_162725752_HDR

Realmente o sentimento foi de grande tristeza ao se deparar com a cachoeira em frangalhos, era tão linda e tinha o poço mais largo das cachoeiras da região que conhecemos, por isso era frequente uma visita até lá, principalmente por seu um lugar muito bom para o banho e relaxar em suas calmas águas. Hoje, nem dá para chegar em baixo da cachoeira, são tantas as pedras e galhos a serem escalados e ainda por cima há o risco de aquilo poder desmoronar com o peso do corpo, esmagar um pé sei lá, melhor não arriscar.

O que parece mais do que óbvio, é que não é culpa exclusiva da chuva o que aconteceu, mas sim  por negligência  do homem. No curso do d´água antes da cachoeira, foram realizadas muitas intervenções humanas, assim como são muitos os pontos em que inexiste mata ciliar. Mas a cereja do bolo estragado foi transformar áreas que deveriam ser  de preservação permanente em pasto, então o ir e vir dos bois no local agravou bastante a situação. Tudo isso, parece ter deixado o solo bastante vulnerável, e então uma precipitação um pouco mais intensa do que a normal foi o suficiente para fazer tamanha destruição.

Porém, a natureza tem entre suas características, a capacidade de resistir e surpreender, por isso, não duvido que daqui alguns anos ao voltarmos nela, a cena seja diferente e bem mais bela do que a atual. Esta cachoeira já mudou muito o nível e a quantidade de água no poço por muitas vezes, mas nada se comparado com o cenário de hoje. Agora, é torcer para sejam adotadas medidas de revitalização do local, mas o mais provável é que a natureza fique encarregada por este serviço, isso se o homem deixar, ainda assim, seria em passos vagarosos que podem levar anos ou décadas.

Rudi Arena

IMG_20170923_154831208_HDR

Cachoeira São Matheus em Jafa

O vídeo já foi gravado há algum tempo, mas acho importante divulgar esta cachoeira, pois só há um registro dela muito antigo, já que fomos lá uma única vez e há muitos anos atrás, por isso sempre tive vontade de voltar,  além de ser um lugar encantador, e  muito pouco conhecido ou frequentado.

Enfim, chegou o esperado momento. Em um belo dia de sol, resolvemos revisitar esta bela cachoeira.Ela esta localizada no distrito de Jafa, que por sua vez pertence ao município de Garça-SP. O acesso para se chegar até ela,  é pela estrada que liga a área urbana de Jafa e a estrada de terra da 09 de Julho, mas bem antes da ponte de concreto do Rio da Garça é preciso virar a direita e entrar em um sítio, daí em diante é muita pirambeira  para até chegar nesta maravilha.

O  acesso não é nada fácil, não tem como chegar com as bikes até próximo da queda, por isso foi preciso deixá-las escondidas e amarradas com cadeado. Mesmo a pé, não é nada simples seguir em frente, além de não ter trilha no meio da mata fechada, até a cachoeira, é preciso descer uma baita de uma ribanceira.

Mas depois, a recompensa vale todo o esforço, pois além de ser muito bonito o lugar, é ótimo para se banhar, não só na cachoeira em si, mas também no poço que existe ao seu redor. A queda não é muito alta, mas cai de forma tão bem distribuída que faz uma espécie de véu, um colírio para quem aprecia a belezas que a mãe natureza nos proporciona. Por isso, acredito que esta seja uma das cachoeiras mais belas e melhores para banho que existe na região de Garça, e por outro lado, pena que nos deparamos com garrafas PETs velhas sujando este local que deveria estar bem preservado, mas a água aprenta ser bastante limpa.

Se seguir o curso da água rio abaixo, tem outros atrativos interessantes, como uma espécie de mini caverna e se seguir mais um pouco, chega-se no alto de um pico, onde tem uma outra cachoeira, esta bem mais alta, e também muito bonita, mas inacessível, pois não tem como descer até ela por ali, é preciso achar um outro caminho que desconheço.

Tem muito o que ainda explorar pelos arredores,  um dia quem sabe chegaremos até em baixo dessa outra queda. É realmente incrível a quantidade de cachoeiras existentes em nossa região, e embora já tenhamos registrado e divulgado dezenas delas, permanece uma infinidade de outras ainda desconhecidas por nós, o que demonstra a grande quantidade de cachoeiras e o potencial para ecoturismo existente e ainda inexplorado.

Rudi Arena

DSC04766

DSC04744

DSC04721

Trilhas Coroados – Uma Serra Próxima à Presidente Alves

DSC02862

Desde que fiquei sabendo de que existia antigamente uma estrada de terra que fazia uma ligação direta entre Garça e sua vizinha Presidente Alves, mas que estaria atualmente desativada, fiquei bem curioso de conhecer de perto o que aconteceu com este caminho. Foi então que resolvemos sondar o que teria acontecido da estrada e tentar chegar o mais próximo dela possível, e acabamos que demos de cara com uma fazenda e uma porteira pelo caminho, como desistir não estava em cogitação, procuramos o caseiro que nos explicou que a estrada está completamente abandonada, tinha virado um matagal repleto de buracos, e por lá já não passava mais nada. Porém, ele nos deu uma dica valiosa, se percorresse mais 01 km do lugar onde estávamos, chegaria em uma outra fazenda que ao final levaria até Presidente Alves. Como a intenção naquele dia era só especular, dali mesmo voltamos, mas desde então o desejo de retornar e tentar seguir em direção a esse município era grande, embora faça divisa com Garça, Presidente Alves parece ser mais distante do que realmente é, pois não há nem ao menos uma estrada de terra que vá direto para Presidente Alves e mesmo por intermédio de outro município, não há estrada asfaltada para isso. De carro são ao menos 41 km de distância e 01 hora de viagem indo por Gália e de lá só se pegar uma estrada de terra. Não tardou de voltarmos para lá, agora imbuídos de ir até o final, apesar de o horário que não jogava ao nosso favor, pois ao sair 15:30 da tarde para fazer isso, estava claro que haveria dificuldades pelo caminho.

Screenshot_2016-06-22-21-12-30

Screenshot_2016-06-22-21-12-39

Screenshot_2016-06-22-21-14-31

De qualquer maneira, é sempre muito boa a sensação de pedalar com a expectativa de explorar novos horizontes e até parece que as trilhas para andar de bicicleta são infinitas, pois sempre existe uma para ser conhecida ainda, e a sensação é de que há um imenso tesouro a ser descoberto. Por tudo isso, é que o ciclismo de mountain bike é tão estimulante, pois brincar de explorar o desconhecido e percorrer por novas e belas paisagens não tem preço. É muito legal procurar por trilhas diferentes, fugir da zona conforto de fazer os caminhos de sempre e já percorridos por diversas vezes, isto parece simples até, mas não é, pois o normal é ir rumo ao conhecido, um lugar que nos passe segurança, por isso, aventurar-se, sentir o frio da barriga de não saber exatamente onde está ou ter que escolher um caminho a seguir em uma bifurcação e não saber aonde vai chegar, proporciona uma certa emoção que deixa qualquer trilha mais apimentada. A primeira vez nesta trilha teve tudo isso, e também o privilégio de poder contemplar lindas paisagens de serra e formações geológicas belíssimas da região que circunda Garça, muito pouco conhecida, realmente foi um dia que não se apagará da memória.

DSC02696
DSC02734
DSC02733
DSC02743

O destino original quando saímos, era chegar em Presidente Alves, mas havia uma bifurcação no caminho, e infelizmente ou felizmente, a opção que fizemos acabou nos distanciando daquela cidade e parecíamos pedalar rumo a distante Pirajuí, o sol já estava indo embora, de longe dava para avistar as luzes das cidades e sem saber onde estávamos exatamente, o desespero bateu forte. Mas ainda bem que não por muito tempo, após percorrer vários quilômetros sem avistar uma pessoa sequer, em um lugar muito remoto e distante de tudo, enfim encontramos uma casa pelo caminho e fomos sedentos pedir orientação.

Foi então que ficamos aliviados ao saber que logo mais, era só pegar à esquerda que Garça estava à 30 km de distância, o caminho à direita seguia para Pirajuí. Estávamos muito mais perto de Garça do que imaginávamos, o que naquele momento veio muito bem a calhar.

DSC02860
DSC02844

Então voltamos pela estrada de terra Garça-Pirajuí, passando pelas antenas e logo chegamos em Garça com a gostosa sensação de sem querer, acabar descobrindo a existência de mais uma trilha de bike espetacular, com paisagens ímpares, descidas e subidas intensas que proporciona a adrenalina na descida e que exige bastante esforço do ciclista nas subidas, como é de se esperar de uma trilha de bike. Subida íngreme, ribeirão, curvas fechadas, descidas perigosas e paisagens de cair o queixo, e só ao vivo e a cores para sentir a natureza e curtir a beleza do lugar, pois as fotos, embora seja uma maneira fantástica de registrar a imagem de um momento, ela é estática, limita o horizonte a um determinado enquadramento, destina-se a um só sentido, a visão, e por isso tudo, as imagens, por melhores que são, sempre será um retrato de uma pequena parte de uma realidade muito maior.

Apesar das dificuldades, enganos e tensões, no final deu tudo mais do que certo, e isso só serviu para temperar ainda mais um pedal que por si só já seria muito bom, e a vontade de voltar foi tão grande que não demorou para voltarmos lá, porém, com bem mais tranquilo que da primeira vez, deu até para degustar algumas laranjas suculentas e colhidas direto do pé, pois o que mais tem no caminho de volta são laranjais carregados da fruta.

DSC02718
DSC02715
DSC02865
DSC02789

Cachoeira da Hípica e a Infestação de Aranhas (Inédita)

Foi com grande prazer que conhecemos uma nova e bela cachoeira em Garça, e como esta terra é fecunda em belezas naturais, não é de se estranhar mais esse achado, e muitas outras existem nas redondezas ainda a espera de ser explorada e registrada.

Esta cachoeira é relativamente próximo a cidade, fica localizada dentro da propriedade da antiga hípica, mas do lado esquerdo da pista, o acesso foi pela estrada do saltinho que leva ao município de Gália, mas bem no início dela é preciso entrar a direita e percorrer um caminho ladeado de plantação de mogno que até parece ser um labirinto repleto de subidas, descidas e curvas.

Enfim, chegamos a espera e inédita cachoeira, apesar de não ser muito alta, por volta de 4 metros de altitude, é muito boa para banhar-se, a água limpa e com bom volume, ainda há um poço amplo e raso em volta da queda. É mais um pedacinho da exuberante natureza garcense, escondida como tantas outras, apesar de próximo a cidade.

No entanto, o desafio neste dia nem foi chegar até a cachoeira, mas sim continuar pedalando conforme o programado logo após sair dela. Como foi um pedal pós trampo, o sol se pôs e uma verdadeira infestação de aranhas se fez presente e tomou conta dos arredores, para todos os lados e caminhos haviam teias enormes com dezenas de aranhas estavam espalhadas e construindo espécies de paredes de teias quase intransponíveis. O ruim, é após passar por algumas teias, uma próxima a outra, chegamos a conclusão de voltar pelo mesmo caminho seria a melhor opção naquele momento. No vídeo abaixo é possível perceber o motivo da desistência, é porque a situação estava complicada mesmo.

Rudi Arena

Acesse este link para ver o vídeo das aranhas e a dificuldade de seguir em frente com as bikes frente a tantas teias pelo caminho

Pico do Cárcara – Próximo ao Aeroporto de Garça

Existem ao menos duas formas para chegar a este belo lugar, por se tratar de um lugar muito próximo a cidade, existe acesso ao final do Bairro Jardim São Lucas, sentido a ONG de Assistência Social Alfa e Ômega  e de lá seguir em direção a estação de tratamento de esgoto do SAEE, não sei ao certo o caminho, mas sei que existe uma trilha do outro lado do curso do rio para também chegar ao locar.

O único caminho que a gente faz, é mais longo porque é preciso dar uma volta, o acesso é pela estrada de terra do Aeroporto de Garça, mas antes dele, é preciso pular uma cerca à esquerda,  pedalar pelo pasto como se estivesse voltando para a cidade, mas o destino mesmo é chegar até um encontro de dois córregos que formam o início do Rio Tibiriça  e torna uma só cachoeira de grande altitude. Porém, infelizmente no mesmo momento em que existe a beleza do encontro das águas formando uma só cachoeira, lamentavelmente também há encontro do esgoto tratado que é lançado nas águas até então limpas e próprias para banho que existe nas cachoeiras rio acima.

Por isso, não é  é possível tomar banho em baixo da grande queda, tem que ser antes deste belo e deplorável encontro simultâneo de três águas, sendo que uma delas é uma canaleta de concreto no meio do leito dos dois córregos que jorra o esgoto tratado, tudo isso em um lugar em que há uma visual belíssimo, com muito verde, água e grandes paredões. Se o esgoto fosse lançado mais para frente, seria um ótimo lugar para explorar o potencial de ecoturismo que a cidade possui, pois tem uma localização privilegiada e com belezas naturais incríveis. Tudo isso a alguns pouquíssimos quilômetros de distância da cidade ou se preferir, à alguns minutos do ambiente urbano.

Entretanto, dos males o menor, ao menos o esgoto é tratado. Infelizmente, ainda é comum em cidades da nossa região de lançarem esgoto não tratado direto nos leitos dos rios.

Screenshot_2015-10-31-00-10-14

IMG-20151224-WA0025

IMG-20151224-WA0005

DSC00789

DSC00796