Cachoeira do Arco (Inédita)

Quando está cada vez mais difícil conhecer novas e belas cachoeiras, surge então esta pérola da natureza.

Logo no começo da trilha,  fomos recepcionados por um bando de Macacos Pregos fazendo algazarra, conseguimos registrar apenas uma foto, pois eles não deixaram a gente se aproximar muito e não ficavam parados,  percorriam os topos das árvores pulando com agilidade, mas logo sumiram de cena. E não foi a primeira vez que encontramos macacos por ali, quando fomos em uma outra cachoeira próxima, também encontramos muitos macacos, sinal de que esta região está bem servida desses primatas, o que denota a riqueza da fauna local.

Embora tenha sido muito legal ter vistos os macacos, nosso objetivo era ir até uma linda cachoeira de águas límpidas. Esta é  mais uma que o Piramba desconhecia até pouco tempo atrás,  mas que é um verdadeiro presente da natureza, pois tem uma peculiaridade que nunca vi em nenhuma outra cachoeira. É que existe uma espécie de arco de pedra em cima da cachoeira pela qual a água percorre antes de cair no chão. É como se fosse de monumento arquitetônico natural, produzido pela força da água em um lento e gradativo processo ao  longo de muito tempo.

A cachoeira está localizada entre os municípios de Garça-SP e Álvaro de Carvalho-SP, também não fica longe de Pirajuí-SP. O acesso até ela não é dos mais fáceis para quem não esta acostumado em fazer trilhas, pois é preciso percorrer a pé um caminho por uma mata e andar pelo curso do ribeirão por um bom trecho. Depois vem a parte mais difícil, que é escalar um trecho bem íngreme se quiser chegar até o arco que fica em cima da cachoeira. Mas compensa todo o esforço.

E a trilha da Cachoeira do Arco ainda tem um outro grande atrativo,  pois é passagem obrigatória  ter que passar pela Cachoeira do Cipó ( ou dos Macacos) e seu majestoso, profundo e refrescante poço de águas cristalinas e tom azulado.

Rudi Arena

 

DSC06776

DSC06792

DSC06869

 

DSC06846

DSC06808

Pontilhão do Rio Feio em Pirajuí-SP

O Rio Aguapeí, e popularmente conhecido como Rio Feio, nasce em Gália, próximo a Rodovia SP-294, seu principal afluente é o Rio Tibiriçá, que por sinal, também nasce em nossa região. Ele é um dos rios de maior extensão do Estado de São Paulo são aproximadamente 420 km até desaguar no Rio Paraná. Em todo seu percurso, corre aproximadamente paralelo ao Rio Tietê, que se localiza ao norte.

Neste dia, imagine uma estrada com areia, mas muita mesmo, como havia uma uma semana sem chuva, o areião no caminho era certeiro, acredito que esta seja a estrada com o pior areião da região, e logo atrás vem as estradas da 09 de Julho e Corredeira que também possuem uma camada de areia bem considerável. Por isto, cada quilometro pedalado pareça ser o dobro, a bicicleta perde a tração, e é preciso muita força e técnica para permanecer pedalando, mesmo assim, há trechos que fica quase impossível não descer da bike e seguir empurrando. Recomendo este pedal, mas é preferível ir depois de uma chuva, caso contrário, é sofrimento na certa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No total, são aproximadamente 70 km de ida e volta até o pontilhão do Rio Feio, o acesso é pela estrada do Bairro São José. Um pouco antes de chegar ao rio, tem início um trecho de serra, com descidas bem acentuadas e belas paisagens ao redor, um prato cheio para quem gosta da adrenalina e também de contemplar a natureza. Na volta, nos deparamos com uma bela e intrigante espécie de aranha que estava imóvel, porém, parecia estar em estado de ataque ou defesa, pois duas de suas patas dianteiras estavam levantadas de forma ameaçadora.

Seguimos em frente, de noite, e com algumas baixas pelo caminho, alguns por razões de condições físicas ou por problemas com a bicicleta, acabaram aderindo ao carro de apoio que acabou sendo providencial. Chegar em Garça, parecia seu um grande troféu para quem quem continuava a pedalar, o cansaço era evidente após dezenas de quilomêtros percorridos e e de encarado muito areião pelo caminho, eu mesmo pensei em desistir por um momento, quando câimbras ameaçaram atacar minha perna. Apesar das dificuldades, ainda chegamos em 05 ciclistas ao final, tomar um banho, alimentar-se e descansar era tudo que queríamos naquele momento.

Screenshot_2016-01-16-21-44-00

Screenshot_2016-03-10-18-28-59

Trata-se do lugar mais isolado de nossa região, são raros os carros que passam por ali, não há nenhuma venda pelo caminho, e nem casas próximas à estrada. Chama a atenção também como muda a agricultura estabelecida nesta parte rural, há grandes plantações de laranjais por toda parte, o que mostra que a produção agrícola de Garça e região não vive apenas do café, além da laranja, também existem outras plantações, como de macadâmia, seringueiras, eucaliptos, árvores frutíferas, até mesmo de palmito pupunha, entre outras, o que mostra a diversidade do meio rural que muitos moradores da cidade ainda não tomaram conhecimento.

Rudi Arena