Vale do Céu – Serra da Canastra – Minas Gerais

 

A Serra da Canastra é um lugar tão fascinante que até parece que seus encantos são infinitos, assim como na outra viagem para a Canastra, fomos embora com a sensação de que conhecemos só alguns dos muitos atrativos que a Serra da Canastra pode proporcionar. Da primeira vez ficamos em São Roque de Minas e exploramos o parque nacional da Serra da Canastra, desta vez ficamos em São João Batista do Glória, mas em ambas viagens sentimos que faltaram dias para que pudéssemos conhecer ao menos as principais atrações turísticas de cada região. O lugar é de uma riqueza natural abundante, e ainda tem a parte da que fica no município de Delfinópolis que falta para a gente conhecer ainda, que também possui dezenas de cachoeiras e belas paisagens, ou seja, não é possível conhecer os principais atrativos da Canastra em apenas alguns dias, quem dera então ela toda.

Entre tantas opções é preciso escolher alguma, e neste dia resolvemos conhecer o Vale do Céu.  Embora em seu endereço oficialmente pertença ao município de Delfinópolis,  fica bem perto de São João Batista do Glória. A quilometragem não total do pedal não é muito grande, cerca de 54 km ida e volta, a maior dificuldade  foram as longas subidas de acentuada inclinação,  o ganho de altitude é respeitável. Um teste e tanto para nós ciclistas,  só que para todo esforço nesta Serra  tem sempre uma recompensa para lá de satisfatória, e não poderia ter sido diferente neste caso.

O que encontramos foi um lugar com uma super estrutura, que além de ser também pousada, oferece um delicioso almoço aos visitantes que  optarem por não ir embora de barriga vazia. Atrativos não faltam, são várias trilhas, vistas de cair o queixo e belas cachoeiras para tomar banho. O diferencial do local é que a além de tudo isso, ainda possui varias construções voltadas para a arte, cultura e educação ambiental. Também há espaço com redes para descanso, entre outras opções para relaxar.

O valor não é dos mais baratos, mas tem um bom custo benefício, para a visitação apenas das cachoeiras é preciso desembolsar R$40,00 e se quiser almoçar também, são outros $40,00 adicionais. Mas também, aí será possível  desfrutar a vontade de uma comida estilo caseira, simples e muita saborosa, com o gostinho característico da prestigiada cozinha mineira. O difícil foi ter que encarar o pedal da volta depois de uma farta refeição, pois a fome era grande e a comida muito boa,  assim,  controlar a gula não é das tarefas mais simples nessa situação.

Rudi Arena

2017-05-16 00.50.19

DSC06271

DSC06262

DSC06266

DSC06255

DSC06281

DSC06340

P5131376

 

 

P5131367

P5131358

DSC06313

DSC06414

DSC06442

P5131400

Pedreira Lagoa Azul – Serra da Canastra – Capitólio-MG

Saímos com as bikes da pousada Terezinha do Flor  que fica nas proximidades da cidade de São João Batista do Glória-MG, era grande  a expectativa para conhecer um pouco das maravilhas que a Serra da Canastra proporciona.

Para começar, pegamos um estradão bem movimentado, com muitos caminhões que levantavam muita poeira. Depois de um curto trecho de asfalto próximo a Hidrelétrica de Furnas,  enfim pulamos para o Parque Nacional da Serra da Canastra em direção a Pedreira Lagoa Azul.

Mas antes de chegar no almejado lugar, foi preciso encarar uma longa e íngreme subida. E ao chegar, logo de cara percebemos a bela recompensa,  todo o esforço não foi em vão. Apesar do outono, o dia era de sol e temperatura agradável, então foi o momento de entrar na água e relaxar após uma desgastante subida. Menos eu, que estava com uma forte gripe e e resolvi não entrar na gelada água da lagoa com receio de piorar a moléstia.

É um lugar encantador, uma belíssima lagoa de águas cristalinas, onde antes  existia uma pedreira, agora desativada, e que passou a fazer parte do território do Parque Nacional da Serra da Canastra, embora exista informações de que existe atividade clandestina ainda no local.

A quantidade de pedras mineiras ao redor é enorme, esta é um quartzito muito usado na construção civil apesar de ser originária da serra da Canastra, é utilizada no Brasil a fora.  Um lugar espetacular, e está localizado no município de Capitólio-MG, mas é próximo também de São João Batista do Glória-MG, o acesso é fácil para bike, com carro de passeio já um tanto complicado, o recomendado mesmo é um veículo 4×4.

Rudi Arena

DSC06108

DSC06141

DSC06163

DSC06186

DSC06150

Cachoeira do Fundão – Serra da Canastra

Se existe algum fundo na Serra da Canastra, esse lugar só pode ser a Cachoeira do Fundão, pois ela parece estar lá no fundo mesmo, e quanto mais se aproxima dela, mais a fundo parece mergulhar na Serra da Canastra. A estrada de terra caminha em uma direção distante de tudo e de todos, é distante de todas as portarias do Parque Nacional da Serra da Canastra, e quando temos a sensação de que enfim chegamos, não, sempre é preciso seguir mais a fundo. Chegar à sede da Fazenda, não é o ponto final, pois a cachoeira mesmo, ainda é necessário andar bastante, atravessar um rio, percorrer uma estreita e alta trilha em meio à montanhas, até finalmente chegar no pé da cachoeira que já de longe já reluzia e chamava a atenção dos olhos.

Sem dúvida alguma, considero ser esta a melhor e mais bela cachoeira que eu já conheci, á água é extremamente limpa, mas também gelada, é repleta de peixinhos e possui um poço largo e bastante profundo, ao redor, as belíssimas e grandiosas montanhas fazem uma espécie de moldura para a cachoeira, como se fosse um quadro pintado minuciosamente pela generosa natureza da Serra da Canastra. Porém, tentar ficar em baixo cachoeira é tarefa quase impossível, tamanha força da queda da água.

Assim, todo o esforço e tempo despendidos para chegar lá, acabou valendo muito a pena. E, tudo isso custou módicos R$10,00 que nos foram cobrados de entrada, e ainda tivemos uma recepção bem hospitaleira e o prazer de apreciar o famoso queijo canastra com um bom café mineiro, que além de saborosos, foi muito importante para dar a energia necessária para encarar o longo pedal de volta até a cidade de São Roque de Minas. O total do percurso foi de mais de pouco mais 100 quilômetros do mais puro pedal de montanha.

Neste dia, é digno de nota a aparição de um lobo-guará que deu o ar dá graça e deixou que registrássemos uma foto. Realmente, não dá pra reclamar deste pedal que foi mais do que recompensador. Sem contar que a trilha passa pela nascente do Rio São Francisco, entre outras paisagens de tirar o chapéu. Por tudo isso, esta trilha é recomendadíssima, vale a pena fazer e conhecer a Cachoeira do Fundão encravada nas montanhas da Serra da Canastra, seja de Bike, Moto ou Carro, difícil é se arrepender depois.

Rudi Arena

Este slideshow necessita de JavaScript.

1° Dia na Serra da Canastra – Cachoeira Casca D´anta

 

Criado em 1972, o Parque Nacional da Serra da Canastra tem 71.525 hectares demarcados e parte do território de 3 municípios: São Roque de Minas, Sacramento e Delfinópolis, no sudoeste de Minas Gerais e o grande objetivo da criação do Parque foi a proteção das nascentes do rio São Francisco. O relevo acidentado e a vegetação rasteira produzem uma paisagem única, com grandes vistas panorâmicas e muitas cachoeiras. Uma estrada de 60 km corta o Parque de fora a fora e vias secundárias dão acesso a algumas das principais atracões

 No primeiro dia da odisséia do PirambaMTB na Serra da Canastra que fica no estado de Minas Gerais, mais precisamente nossa base foi a cidade de São Roque de Minas, onde fica a portaria nº 1 do Parque da Serra Canastra. Neste início de trilha em terras mineiras, o destino foi chegar em cima da cachoeira Casca D´anta, uma das maiores atrações desta Serra em razão de sua beleza e a mais alta cachoeira da região, são exatos 186 metros de queda livre e  o visual do cume do pico é para lá de fantástico, realmente espetacular, pois por mais que se aperte os olhos para tentar enxergar mais longe, o horizonte verde repleto de de vales e montanhas parece ser infinito. Porém, para chegar até lá, antes mesmo de chegar à porteira do Parque, existe uma subida feroz, muito íngrime mesmo. Ainda bem que é logo no começo, quando estávamos todos animados e cheio de gás, se fosse na volta, seria demasidamente desgastante, pois o percurso total deste pedal foi de aproximadamente 90 km de muitas descidas e subidas.

O pedal teria sido perfeito se não fosse um acidente não muito grave, mas também não muito leve, que poderia ter sido muito pior, um alerta para enviar um sinal de que precaução nunca é demais. Apesar do susto seguimos em frente e tentando aprender com os imprevistos e infortúnios que nos deparamos no caminho. Só restou descansar para o próximo dia de aventura que prometia, o tempo era curto para tantas atrações da Serra da Canastra. Um lugar peculiar, repleto de atrações naturais de deixar qualquer um de queixo caído.  Para Quem quiser visitar essa jóia da natureza, segue  algumas informações sobre o Parque Nacional da Serra da Canastra.

Rudi Arena

REGULAMENTO BÁSICO DO PARQUE

  • Horário de visitação:
    8h00 às 18h00. Recomenda-se entrar até as 16h00 no máximo.

  • Velocidade de tráfego nas estradas:
    40 km/hora.

  • Lixo:
    Recomenda-se usar as lixeiras instaladas nos principais pontos ou de preferência recolher o lixo e entregá-lo em uma das portarias.

É proibido na área do Parque Nacional:

  • Entrada e consumo de bebidas alcoólicas.

  • Uso de equipamento coletivo de som.

  • Prática de esportes radicais como rapel, canioning, tirolesa, pêndulo e escalada.

  • Entrada de animais domésticos.

  • Uso de armas e material de caça e pesca.

  • Coleta de rochas, plantas e animais de qualquer tipo ou espécie.

Infrações:

As infrações ao regulamento podem resultar em punições para o visitante, desde a expulsão da área do Parque até o pagamento de multa ou prisão em flagrante.

Recomendações gerais:

  • Transitar somente por trilhas conhecidas e sinalizadas, de preferência na companhia de um guia local.

  • Levar sempre capa de chuva e agasalho em qualquer época do ano.

  • Usar boné ou chapéu e filtro solar para evitar queimaduras.

  • Não caminhar nas trilhas quando houver cerração.

  • Atenção para a trilha da Casca D’Anta (parte alta para parte baixa e vice-e-versa: reserve pelo menos 5 horas com luz solar para essa caminhada.

  • Usar calçado confortável, fechado e com solado antiderrapante.

  • Afastar-se dos rios e córregos ao primeiro sinal de chuva.

Legislação/Parque Nacional:

Decreto 70.355, de 3 de abril de 1972

Este slideshow necessita de JavaScript.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Chamada Serra da Canastra