Enfim….Presidente Alves pela Pirambeira – 80 km

 

Foi quase que uma odisseia, depois de muitos ensaios e por vária vezes termos combinado e descombinado, enfim chegou o dia de irmos pela primeira vez até a cidade de Presidente Alves. Embora faça divisa com Garça, não há estrada de terra que liga diretamente os dois municípios, só existe um caminho que é indo por Gália, mesmo assim não tem asfalto pra chegar lá, só um estradão de mais de 20 km.

Por isso, chegar até lá não é tão simples, pelo menos pelo trajeto escolhido, que foi de ir pela pirambeira, onde não há caminho exato a seguir,  é preciso fazer um em meio as belezas naturais existentes ao redor, atravessar riachos e  subir uma baita de uma serra. A melhor parte do pedal foi esta, por isso vale a pena chegar até Presidente Alves por trilhas de Fazendas.  Sem dúvidas, a opção mais cômoda seria ir e voltar por Gália, mas a graça do negócio é justamente se deparar com novo, o inesperado, pois o caminho fácil não tem lá tanta graça, a trilha fica mais rica quando se pula cercas, e foram várias. A gente seguia rumo ao desconhecido e contemplando a natureza, porém uma escolha errada em uma bifurcação poderia colocar tudo a perder.

Só que não, desta vez chegamos ao destino e sem sobressaltos. Na cidade, paramos para comer uma parca porção de calabresa que não deu nem para o cheiro, também um bando de ciclistas esfomeados.  Já era noite, hora de voltar e aí sim pegar o caminho mais tranquilo, o estradão até Gália, mas logo começaram os problemas,  um companheiro com a bike a quebrada e outro com fortes dores, e ainda tinha muito chão pela frente.

Graças a Deus, o santo é forte, aos trancos e barrancos chegamos a beira da Rodovia 294 em Gália, e milagrosamente logo apareceu  um carro do Departamento de Estrada e Rodagens(DER), na mesma hora que uma ligação  havia sido disparada para um amigo chamando por socorro, e que felizmente  não precisou ser completada.

Logo acenamos para o motorista do veículo, e dois amigos ali embarcaram e puderam chegar mais cedo em casa. Apesar do forte cansaço e o adiantado das horas, o pedal não poderia parar. Então nós, os remanescentes, depois de mais de 80 km e com o relógio marcando mais de 11 horas da noite, chegamos exaustos e famintos em nossos respectivos lares, após muitos quilômetros percorridos  fartos de pirambeiras, suor e alegria. E para mim ficou uma reflexão, que é que sempre há um caminho ou um lugar diferente para se conhecer, e não precisa ir muito longe para isso, são essas coisas pequenas e prazerosas que dão estímulo para vida, e não deixa que a comodidade ou a monotonia nos faça de refém.

Um agradecimento especial ao nosso amigo de pedal Jose Maurício, que neste dia infelizmente não estava conosco, mas que teve um papel importante para o sucesso do pedal neste dia,  esta trilha só aconteceu porque em outras ocasiões, ele ajudou a identificar o caminho a ser seguido, conversamos com os caseiros de fazendas próximas a antiga e desativada estrada municipal que ligava há muito tempo Garça e Presidente Alves, e assim, conseguimos as preciosas dicas que nos levaram enfim até Presidente Alves por um trilha totalmente alternativa.

screenshot_2016-10-15-11-24-48 screenshot_2016-10-15-11-24-59

 

captura-de-tela-2016-10-18-as-15-42-09

DSC02963

DSC02897

DSC02925

DSC02932

DSC02961

DSC02980

DSC03032

DSC03036

Cachoeira da União e do Cantu com a Galera de Cândido Mota

IMG-20160807-WA0024

 

Screenshot_2016-08-08-13-00-30

 

Screenshot_2016-08-08-13-00-43

 

Screenshot_2016-08-08-13-01-44

Manhã um pouco fria, mas com o Sol rachando e expectativas de ótimo pedal, com muita pirambeira e belos visuais, pois foi para isso que uma turma de ciclistas do Município de Cândido Mota vieram para Garça, após um contato no desafio que teve de mountain bike em Timburi-SP.

E como planejado, logo de início descemos atrás da mata do Bosque municipal para passar pela Cachoeira da União, após curtir um pouco o lugar que também tem o alto pico  que exite ali,  seguimos por trios de bois bem fechados, pois havia muito mato ao redor. Depois de passar por uma represa e corredores de  eucaliptos e pés de cafés, saímos no trecho final da estrada da Bomba e ainda curtimos as íngremes descidas até o final chegar na ponte do Córrego do Barreiro.

DSC03252

DSC03266

DSC03268

DSC03279

IMG-20160807-WA0029

Após isso, foi o momento de maior esforço do pedal , pois logo de cara era preciso subir um morro com grau de inclinação absurdo, praticamente impossível de ficar o tempo todo montado na bicicleta, tanto é que nenhum dos 14 companheiros de pedal conseguiram zerar a subida,  que é quando o a cara pedala a subida inteira sem precisar descer da bike. Mas também, não é uma subida comum, é uma trilha de fazenda, e parte da subida é com chão de pedra e cheio de degraus e desníveis. Sem dúvida alguma, foi um momento de fazer o coração trabalhar a mil sob um forte sol das 11h da manhã. Subida que não tem como não suar e ficar cansar, montado na bike ou mesmo empurrando a pé e devagar é exaustivo, imagina então subir pedalando e o mais rápido possível, como muito fizeram, um verdadeiro teste cardíaco.

DSC03295

IMG-20160807-WA0041

DSC03298

DSC03313

IMG-20160807-WA0012

DSC03318

IMG-20160807-WA0033

Após a subida, pudemos desfrutar da bela vista que a Fazenda Ouro fino proporciona, por ficar em uma  parte alta próximo ao vales, pudemos ver de longe a cachoeira pela qual passamos, além uma paisagem exuberante que circunda a região, um prato cheio para belas fotografias do horizonte.

Mas o pedal não pode parar, então cruzamos as antenas e seguimos em direção ao outro lado da rodovia SP-294, mas precisamente para a Fazenda Igurê. Lá, passamos pela sede, a capela, o terreirão, represas,  até entrar na trilha da mata, para enfim chegar na estrada do saltinho, e seguir para a belíssima Cachoeira do Cantu. Sol do meio dia, e muitas subidas, tempo seco,  areião, terrenos acidentados,  o desgaste era grande e o avançado da hora pesou,  alguns seguiram de volta para Garça antes da última cachoeira, outros seguiram  em frente, e como é de se esperar antes de uma cachoeira, uma forte descida nos esperava, e enfim um lugar de tirar o chapéu.

Mas como para tudo na vida  se paga um preço, a subida da volta não foi fácil, mas também o final do pedal já se aproximava, seguimos então de volta para Garça e paramos em um bar para molhar a goela e confraternizarmos. Também merecia, depois de um pedal desgastantes de cerca de 45 quilômetros,  e muito bom que rendeu boas risadas e belas fotografias.

É claro, teve uma corrente quebrada, um problema de cabo do mudador das marchas, algumas baixas, mas ao final,  deu tudo certo e ficou um convite para que nossos amigos de Cândido Mota voltem para cá, e  conheçam novas pirambeiras, picos e cachoeiras de nossa privilegiada Sentinela do Planalto, farta em nascentes, paredões, picos, represas, cachoeiras e trilhas, quem gosta disso, difícil não gostar de pedalar em Garça.

IMG-20160807-WA0004

 

DSC03336

 

DSC03341

 

IMG-20160807-WA0035

 

DSC03347